- O Garganta de Fogo - http://blog.karaloka.net -

Blog do Lima Barreto

Outro dia assisti a um filme com o Antony Hopkins sobre o C.S.Lewis. Um filme de lágrimas, muitas lágrimas. Bem, o enredo dele não vem ao caso. mas é que agora, lendo um trecho do “diário íntimo” do Lima Barreto [1], lembrei de uma frase do filme: “lemos para não nos sentirmos sós“. Claro que reduzir a leitura a isto é um exagero. E hoje, lendo esse cara, penso no contrário: escrevemos para não nos sentirmos sós. O Lima Barreto fazia isto com toda certeza. Pelo menos em seu diário. O engraçado é como a solidão escrita de um faz companhia a outro. Leia abaixo:

“Estou com vinte e sete anos, tendo feito uma porção de bobagens, sem saber positivamente nada; ignorando se tenho qualidades naturais, escrevendo em explosões, sem dinheiro e carregado de dificuldades. Mas de tudo isso, o que mais me amola é sentir que não sou inteligente. Mulato, desorganizado, incompreensível e incompreendido, era a única coisa que me encheria de satisfação, ser inteligente, muito e muito! A humanidade vive da inteligência, pela inteligência e para a inteligência, e eu, inteligente, entraria por força na humanidade, isto é, na grande humanidade de que quero fazer parte. Mas não é só não ser inteligente que me abate. Abate-me também não ter amigos e ir perdendo os poucos que tinha. Santos está se afastando; Ribeiro e J. Luís também. Eram os melhores. Carneiro (o Otávio), o egoísta e frio Otávio, está fazendo a sua alta vida, a sua reputação, o seu halo grandioso, e é preciso não me procurar mais. Eu esperava isso tudo; mas não pensei que fosse tão cedo. Resta-me o Pausílipo, este é o único que se parece comigo e que tem o meu fundo, que ele desconhece por completo. (…) Vai me faltando a energia. Já não consigo ler um livro inteiro, já tenho náuseas de tudo, já escrevo com esforço. Só o Álcool me dá prazer e me tenta… Oh! meu Deus! Onde irei parar? Tenho um livro (trezentas páginas manuscritas), de que falta escrever dois ou três capítulos. Não tenho ânimo de acabá-lo. Sinto-o besta, imbecil, fraco, hesito em publicá-lo, hesito em acabá-lo. É por isso que me dá gana de matar-me; mas a coragem me falta e me parece que é isso que me tem faltado sempre. (…) Quando me julgo – nada valho; quando me comparo, sou grande. Enorme consolo.”

No mais, o diário do cara é um blog pouco melhor do que os que vemos por aí. Claro, com cintilações eventuais de genialidade.

Posts relacionados