Arquivo para July, 2002




31/07/2002

Waking life

yuri vieira (SSi), 9:09 am
Filed under: cinema,extraordinárias,literatura

Waking Life, The MovieOntem assisti a esse filme excelente: Waking life. O engraçado foi a intimação que recebi – para assistir ao dito cujo – de um amigo que vive querendo me empurrar o livro “O mundo assombrado pelos demônios”, do Carl Sagan, toda vez que lhe falo de minhas projeções astrais e sonhos lúcidos. Quando eu tocava no assunto era apenas conversa fiada do Yuri. E olha que tentei convencer vários diretores de cinema (aliás, um bando de video-clipeiros e publicitários desmiolados) a rodar um filme ou animação com o que agora está se transformando no meu livro Eu odeio terráqueos!!, que não é senão uma variação do mesmo tema desenvolvido pelo filme supracitado. Como neste nosso país praticamente não há produtores independentes – com ou sem visão – a vanguarda tem de ficar para os americanos. (Na verdade, o assunto já é mais que batido, mas a forma como é colocado, nem tanto.) E meu amigo, que torcia o nariz quando lhe falava de técnicas para adquirir a lucidez durante o sonho, só foi pensar seriamente no assunto após ficar chapado com tudo o que os personagens falam no filme. Perguntei: “peraí, você não leu meu livro, né?” E ele: “não”. “Pois é”, eu disse, “se tivesse lido você sacaria por que é que não achei esse filme uma coisa doutro mundo. Eu também vivo meus sonhos…”

Num próximo post entrarei mais demoradamente nesse tema – sonhos lúcidos – e comentarei o filme. (Assista ao trailer. Mas atenção: Você precisa ter o QuickTime instalado.)

[Ouvindo: Stutter – Elastica]

25/07/2002

Are you living in the Matrix?

yuri vieira (SSi), 12:17 am
Filed under: especulativas,sites

Enquanto verificava minha correspondência atrasada, encontrei um email do Daniel Christino (de Abril!!) me convidando pra um joguinho bem interessante: Strange New World. É uma espécie de teste pra saber – digamos assim – se você é ou não imune à Matrix. Meu ego ficou muito satisfeito com o diagnóstico dado à minha forma de lidar com a realidade: “heróica”. Palavra bonita… forte…

Aliás, esse site – The Philosophers’ Magazine – tem outros “jogos” bem bacanas, como, por exemplo, o Shakespeare vs. Britney Spears, que testa sua maneira de encarar a arte, e um outro que verifica o quão lógico você realmente é. Agora, se você acha toda essa história de filosofia uma bobagem – já que vamos todos morrer mesmo – dê uma checada no The Death Clock e descubra o dia da sua morte. Aliás, cá entre nós, Platão achava que a filosofia não era senão uma preparação para a morte…

23/07/2002

Escreva pra Deus

yuri vieira (SSi), 9:14 am
Filed under: Religião,sites

Desde 1999 venho visitando, sempre que me lembro, o endereço www.God.org. Não, ninguém nunca me falara a respeito dele, senão que simplesmente me deu na telha e tasquei a URL no browser. E li: “Coming soon. A site for everyone…” (“Em breve. Um site para todos…”). Hoje, pela primeira vez neste ano, resolvi dar uma checada no dito cujo. Descobri, então, que já podemos enviar emails pra Deus! Ou, quem sabe, simplesmente pro Diabo do cara que registrou o domínio. Afinal, Ele, o Outro, não é onisciente? Pra quê email? Bom, ao menos vale a pena mandar uma mensagem esculhambando o Cara, perguntando por que é que Ele não vem logo dar um jeito na maldade desse mundão de uma vez por todas. A Hilda Hilst mesmo escreveu – acho que no “Estar sendo. Ter sido” – que esse tipo de sacrilégio é – embora ingênuo (digo eu) – um pouco santo, já que visa a uma reação do Figurão. Clica aí e manda sua mensagem!

Se não aqui, ao menos lá

yuri vieira (SSi), 12:12 am
Filed under: Imprensa,literatura,Umbigo

Bom, vou começar esta semana convidando meus poucos e fiéis leitores para a leitura da entrevista que concedi ao suplemento literário do jornal Nicaragüense La Prensa. Já vou dizendo que deveria ter me demorado mais em algumas questões, evitando assim ser mal interpretado em certos assuntos. O problema é que tive apenas um dia para responder – em espanhol – ao pacote de perguntas enviado pelo Ezequiel D’León Masís, aliás, gente finíssima. Ao ler novamente minhas respostas não fiquei plenamente satisfeito – comigo, é claro – mas… fazer o quê? Bom, taí pra quem quiser ver o que eu pensava de certas coisas naquele dia. (E você aí, rapaz!, é, você mesmo, não vem me dizer que por causa dessa última oração sou eu também um relativista! O Mais Importante será sempre o mais importante para mim.)

Ps.: A foto que ilustra a matéria foi tirada no dia do aniversário de 70 anos da Hilda Hilst (04/2000) – na casa dela, claro – por um alemão que me enganou com seu notebook-câmera-fotográfica. (Logo a mim que assistia a todos os episódios do Agente 86…)

07/07/2002

Crítica literária

yuri vieira (SSi), 9:10 am
Filed under: escritores,literatura

A quem interessar a leitura de ótimos textos de crítica literária sugiro os seguintes: O construtor do labirinto: Machado Inconstruído, de Pedro Sette Câmara; A Loucura Perpétua de Mario Vargas Llosa, O Sol Negro (sobre Ernesto Sábato), Elegia ao Fim de um Mundo (sobre J.R.R. Tolkien), As Veredas da Graça (sobre Guimarães Rosa) e O Construtor de Labirintos (sobre James Joyce), estes últimos de autoria de Martim Vasques da Cunha.

Clones de Buda

yuri vieira (SSi), 9:02 am
Filed under: especulativas,extraordinárias,Religião

Outro dia, alguém me enviou um texto sobre idolatria que fez com que me lembrasse novamente do Li Hongzhi, aquele da Falun Gong (óia eu com o cara de novo). Ele diz, em um de seus livros (cito de memória), que, após o assassinato pelo governo comunista chinês dos mestres ortodoxos budistas – segundo ele, os verdadeiros guardiões do esoterismo da “Escola Buda” – os novos templos ficaram vulneráveis a um certo tipo de “vampirismo astral“. Ele afirma que, enquanto a tradição era mantida, toda estátua de Buda de um templo recém inaugurado era, digamos, “linkada” ao mundo astral budista (ou etérico, como queiram) por um desses mestres ortodoxos, o qual detinha o conhecimento de como estabelecer a tal ligação. Isto significa que, sempre que uma pessoa se ajoelhasse diante daquela imagem, sua intenção seria canalizada para os altos planos. (Uma espécie de pára-raios invertido…) Após a morte desses mestres e a conseqüente interrupção dos ensinamentos (rompimento da cadeia mestre-discípulo), os novos templos ficaram com imagens de Buda desprotegidas. Desprotegidas de que? Li Hongzhi afirma ter ouvido de muitos de seus discípulos: “mestre, eu estava meditando no templo blablablá e então meus ‘olhos celestiais’ se abriram e eu vi Buda caminhando por entre os crentes…”

E pela descrição da aparência e do comportamento do suposto Buda, Li Hongzhi afirma tratar-se, na verdade, de um golem plasmado, a partir da estátua localizada ali no templo, graças à energia doada pelos crentes. Esse ente (não é um ser mas um ente) torna-se uma espécie de vírus, uma pseudo-entidade cujo único propósito é sugar a energia dos crentes para manter sua sobrevida. Muitos discípulos honestos, ao conseguir abrir seus “olhos celestiais” (visão astral), acabam se iludindo por tomar a imagem de Buda pelo próprio. Pelo que eu entendi, os chineses teriam sido tão avançados em sua técnicas espirituais que sabiam até mesmo como evitar, de forma prática, os males da idolatria tão temidos pelos judeus, mulçumanos e certas seitas cristãs. Por este raciocínio, será assim tão inconseqüente a adoração de imagens? Ou, como querem os céticos radicais, isso tudo não passa de enredo de RPG?

05/07/2002

Richard Wilhelm

yuri vieira (SSi), 5:57 pm
Filed under: extraordinárias,livros,Umbigo

Tenho estado ocupado com a ilusão de que conseguirei fazer TUDO AO MESMO TEMPO AGORA: escrever dois livrecos on line, dois roteiros de cinema, uma peça de teatro e, como se não bastasse, traduzir este site para o espanhol. Estou com a cuca fundida, sem falar que – ao invés de dar seis passos no andamento de pelo menos um desses projetos – dou apenas um em cada um dos seis. Disciplina, cazzo! Disciplina!

Bom, pra compensar minha ausência, segue este “causo” – citado por Colin Wilson – a respeito de Richard Wilhelm, amigo de Carl G. Jung e tradutor do I Ching:

“Richard Wilhelm encontrava-se em um longínquo vilarejo chinês que sofria com a estiagem. Um fazedor de chuva foi mandado de um vilarejo distante. Pediu uma cabana nos arredores da vila e ali ficou por três dias. Caiu, então, uma forte chuva, seguida de neve – uma ocorrência jamais verificada naquela época do ano. Wilhelm perguntou ao velho homem como ele fizera aquilo; o velho respondeu que não havia feito. ‘Veja o senhor’, disse ele, ‘venho de uma região onde tudo está em ordem. Chove quando deve chover, o que é muito agradável quando se precisa. As próprias pessoas estão bem. Mas as pessoas neste vilarejo estão fora do Tao e de si mesmas. Logo que cheguei fui imediatamente afetado por este estado; por esta razão, pedi uma cabana nos arredores da vila, para que pudesse ficar sozinho. Quando retornei ao Tao, a chuva caiu.”

[Ouvindo: Over The Rainbow – Miles Davis, Ornette Coleman]



Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








67 queries. 0.689 seconds. | Alguns direitos reservados.