Arquivo para August, 2002




28/08/2002

Revista Geek #13

yuri vieira (SSi), 4:14 pm
Filed under: Humor,Imprensa,Umbigo

Não sei dizer de que mês é, mas a revista de informática Geek, ano 3 número 13, traz em seu CD, além dos programinhas de praxe, dois dos meus livros digitais (ebooks). A eles meu muito obrigado pelo apoio.

Carta da Besta

E falando em coincidências e na Geek #13, olha só a carta que um leitor enviou pra revista (favor ler até o fim):

“Pegue o nome UOL. ‘U’ em algarismos javaneses representa 166. ‘O’ representa 0 (zero) por ser parecido. ‘L’ representa 50 em algarismos romanos. Então, ‘L’ é igual a 50, seguido por 0 é igual a 500: 500+U=500+166=666!

“Outro exemplo: www, ‘w’ repetido três vezes, representa o número 3. O ponto representa um sinal de multiplicação. Na palavra IG, o ‘I’representa o 1 em romanos. ‘G’ parece o número 6. Portanto ‘www.IG’ é igual 3X(1 e 6). Três vezes 1 é 3. E três vezes 6 = 666! (seis repetido três vezes).

“Quer mais? Terra: ‘T’ não significa nada. ‘E’ minúsculo de ponta cabeça fica igual a um 6. O ‘r’ de ponta cabeça é parecido com um ‘L’ (50 em romanos). ‘A’ é a primeira letra do alfabeto, representa 1, mas vem depois de dois ‘r’, portanto = 11. Associando ‘rr’ e ‘a’, temos: 100+11=111. Associando o ‘e’ com 111, temos: 111.6=666!

“Não pára por aí: BOL: ‘O’ é uma circunferência, portanto 360º. Como o ‘O’ de BOL é a letra do meio, equivale a 6. ‘B’ significa BRASIL, que tem 6 letras. ‘OL’ significa ‘on line’, que também tem 6 letras. Portanto: 666!

Agora o mais assustador: Geek: ‘G’e a letra ‘e’ parecem o número 6 (o ‘e’ de cabeça pra baixo). ‘K’ é de kapeta, portanto ‘666 Kapeta’!”

Aí a galera da redação da Geek comenta:

“Sabe o que é mais impressionante? As palavras maluco, doente e xarope também têm seis letras. Ou seja: 666!”

Sem falar na foto de um corcunda de Notre Dâme paranóico que os caras botaram como sendo a foto do leitor, e a legenda:

“A imagem prova que o leitor é uma pessoa 100% normal (aliás, essa palavra também tem 6 letras!)”

Simplesmente impagável… :))

A importância da Imaginação

yuri vieira (SSi), 1:08 am
Filed under: especulativas,interiores,Religião

Não deixe de ler o artigo “O homem-relógio” da autoria de Olavo de Carvalho. É um dos melhores textos que já li sobre a importância da imaginação. Claro, da imaginação sadia, porque quem tem uma imaginação biruta – tal como a minha – necessita incluir esse trecho nas suas orações diárias: “Senhor, não me deixeis errar pelos caminhos perversos da minha imaginação…”

27/08/2002

A morte dos presidentes

yuri vieira (SSi), 2:44 am
Filed under: extraordinárias,livros,Política

O texto abaixo também foi retirado daquele meu livro de cabeceira da infância: “O Grande Livro do Maravilhoso e do Fantástico” (Reader’s Digest).

Os assassínios dos presidentes Abraham Lincoln e John F. Kennedy estiveram ligados por uma espantosa série de coincidências.

Abraham Lincoln foi eleito pela primeira vez para o Congresso em 1846. O mesmo aconteceu a John Kennedy exactamente 100 anos depois. Lincoln foi eleito como 16.º presidente dos EUA no dia 6 de Novembro de 1860. Kennedy foi eleito como 35.º presidente a 8 de Novembro de 1960. Após a sua morte, sucederam a ambos homens do Sul com o nome de Johnson, respectivamente Andrew Johnson, nascido em 1808, e Lyndon Johnson, em 1908. John Wilkes Booth, o homem que matou Lincoln, nasceu em 1939, enquanto Lee Harvey Oswald, o assassino de Kennedy, nasceu em 1939. Eram ambos homens do Sul e foram abatidos a tiro antes de serem julgados.

Booth cometeu o seu crime num teatro e correu depois para um armazém. Oswald disparou contra Kennedy da janela de um armazém e refugiou-se num teatro.

No dia em que foi assassinado, Lincoln declarou a um guarda, William H. Crook: “Creio que há homens que me querem tirar a vida… E não tenho dúvida de que o farão. Se tem de ser feito, é impossível impedi-lo.”

E Kennedy, insuspeitadamente, disse a sua mulher, Jackie, e ao seu conselheiro pessoal, Ken O’Donnell: “Se alguém quiser realmente matar o presidente dos Estados Unidos, não lhe será muito difícl. Tudo o que tem a fazer é subir um dia a um edifício alto, com uma espingarda de mira telescópica, e nada poderá evitá-lo.”

Esse “dia” foi esse mesmo dia. Kennedy foi morto duas horas e meia depois.

Lincoln e Kennedy, ambos reconhecidos defensores dos direitos civis (embora o Lincoln fosse um totalitarista, digo eu, Yuri), foram mortos a uma sexta-feira, atingidos na nuca. As mulheres acompanhavam-nos.

Lincoln foi assassinado no Teatro Ford. Kennedy num automóvel fabricado pela Ford Motor Company – modelo Lincoln.

Outra infeliz coincidência é que Lincoln tinha um secretário de nome Kennedy, que o aconselhou a não ir ao teatro de Wasshington nesse dia fatal… E Kennedy tinha um secretário chamado Lincoln, que o desaconselhou fortemente de ir a Dallas.

[Ouvindo: Seven Steps to Heaven – Miles Davis]

23/08/2002

Quer ajudar? Então não atrapalha!

yuri vieira (SSi), 8:41 pm
Filed under: cinema,Economia,Política

Fim de semana passado, tive uma dessas discussõezinhas de bar com um amigo que trabalha no governo. Assunto: leis de incentivo ao Cinema. Ele me dizia que não tínhamos – eu e minha namorada, que é da Associação Brasileira de Documentaristas – por que reclamar dessas leis, uma vez que o papel delas é tão somente o de dar um empurrãozinho no Cinema, o de educar os empresários, fazendo-os perceber que apoiar a Cultura vale a pena. Meu Deus, eu dizia, como é que isso é possível? Se eu fosse empresário – e eu seria um empresário inteligente – e, sob o pretexto de me ensinar a apoiar a cultura do meu país, chegasse alguém com uma das seguintes propostas: a) reverter parte dos impostos da minha empresa para a produção do filme; ou b) dar uma grana do meu próprio bolso em troca de uma série de vantagens junto a regulamentos e/ou a tributos estatais X, eu abriria um bocão e diria: “guerapááááááá…” (Sabe, né, o guerapá daquele idiota da propaganda que ouvia “guerapá” ao invés do “Get up” do James Brown.) Ôrra, meu, além de o governo andar estrangulando cada dia mais o empresariado com mil impostos – daí a origem do desemprego -, ainda faz com que inocentes úteis, como eu, saiam por aí achando que é legítimo esse tipo de proposta indecente. Não seria mais fácil seqüestrar a esposa do cara, com permissão do governo, claro, e exigir como resgate que ele banque um filme? (Olhaí o argumento, já dá um roteiro.) Dito isto, meu amigo me pergunta, então, o que é que eu queria que o governo fizesse. Ora, em primeiro lugar o trabalho desses caras, desses empresários, não tem nada a ver com cinema, o negócio deles é sapato, rapadura, cuecas, camisinhas. O que a gente precisa é de gente nova, de gente que se tornasse empresário ao decidir se meter no babado, na produção de filmes. Para tanto o governo deveria fazer, não no mínimo mas no máximo, apenas o seguinte:
(Continua…)

08/08/2002

O Livro de Urântia

yuri vieira (SSi), 5:14 pm
Filed under: Livro de Urântia,livros,Religião

Um dos livros mais impressionantes que já li em toda a minha vida é O Livro de Urântia, o qual se apresenta como uma revelação epocal mas que poderia muito bem ter sido criado por uns três ou quatro Jorges Luises Borges. Sim, porque somente uma sociedade secreta – como a descrita no conto Tlön, Uqbar, Orbis Tertius – poderia chegar a escrever semelhante texto. (Além, é claro, dos supostos mandatários de Deus.) Mas a grande diferença entre o conto e o livro é que, enquanto no conto borgeano há a exigência por parte do patrocinador de que o “Orbis Tertius” não seja cúmplice do “impostor Jesus Cristo”, no Livro de Urântia Jesus é exaltado de maneira nunca antes vista. Ali, Jesus é mostrado como o próprio Filho Criador do “Universo Local”, o que faz com que ele tenha soberania espiritual sobre milhares e milhares de planetas semelhantes à Terra (chamada pela “comissão reveladora” de Mundo da Cruz ou Urantia). Por outro lado, também somos informados de que, assim como Jesus, existem outros setecentos mil Filhos Criadores, todos governantes espirituais de um Universo Local!

O livro, com suas duas mil e cem páginas, está sudividido em quatro partes principais:

I – O Universo Central (também chamado de Universo Mestre ou Modelo, já que é nele que os Filhos Criadores se inspiram) e os Supra-Universos;
II – O Universo Local;
III – A História de Urântia;
IV – A vida e os ensinamentos de Jesus, (que, aliás, supostamente inclui TODOS os passos de sua fantástica vida humana).

O calhamaço passaria talvez por ser um livro base para criação de RPGs (Role Playing Game), afinal, descreve não somente todas as hierarquias celestes, mas também a organização e constituição de toda a Criação Divina, o que foi a Rebelião de Lúcifer, quem era o Príncipe Planetário, quem é o Monitor Misterioso que vive em nossas mentes, quem realmente foram Adão e Eva (os quais, quando aqui chegaram, já encontraram montes e montes de tribos e raças), como é a vida num planeta vizinho e, enfim, o principal: qual é o papel que nós, seres evolucionários do tempo-espaço, temos, caso queiramos, a desempenhar em todo esse incrível drama universal. Bom, nem preciso dizer que, se um dia esse livro se tornar tão difundido quanto o Orbis Tertius de Borges, certamente mudará, como este faz no conto, toda a face da Terra. E creio não estar exagerando. A soma de seu conteúdo extremamente sedutor e persuasivo com nosso sentimento de orfandade cósmica é pura dinamite…

Mais tarde tratarei das obscuras origens desse livro – ocorrida entre 1925 e 1935 – e colocarei, neste site, um texto no qual faço uma analogia entre ele e o conto Tlön, Uqbar, Orbis Tertius (1940) de J. L. Borges. Também tento mostrar como a leitura de Krishnamurti pode ser um excelente antídoto contra a fuga da Realidade que esse livro, ao contrário da intenção de seus autores, é capaz de ser – isto é, se não for lido integralmente. E é sempre bom dizer que o Livro de Urântia, sendo enorme como é e tão cheio de temas e “informações” polêmicas e cabeludas, precisará de mais mil comentários para dar uma mínima noção de seu conteúdo. A propósito: eu o estou lendo desde 1997…

Se quiser você poderá lê-lo na Internet, o que, em vista de seu tamanho, me parece bastante incômodo. Bom, leia pelo menos o índice completo em espanhol, em inglês ou em francês, e depois me diga: não é puro Realismo Fantástico?

P.S.: Saiu a versão em português.

[Ouvindo: Superbooster – The Infinity Project]

Pensar no problema

yuri vieira (SSi), 10:27 am
Filed under: especulativas,sites

Krishnamurti 1895 - 1986 Dizia Jiddu Krishnamurti: “pensar no problema é fugir do problema“. Esse polêmico – mas nada polemista – instrutor indiano costumava dizer que não podemos buscar a verdade simplesmente porque, se quiséssemos mesmo encontrá-la, deveríamos então conhecê-la desde o princípio, caso contrário, como a reconheceríamos se a encontrássemos? Ora, a verdade, diz ele, é – para nossas mentes espaço-temporais – sempre nova, dinâmica, viva, eterna não podendo ser reduzida à memória – que é como o pensamento realiza seus registros – operação que a tornaria portanto temporal, estática, morta. Afinal, o pensamento só é capaz de re-conhecer aquilo que ele já conhecia de antemão. Confuso? Abstrato? Nem tanto. Trata-se antes de um ceticismo metódico, o qual almeja a verdade sobre nós mesmos pelo afastamento do falso, já que é exatamente isto o que ele propõe. Para ele, a verdade é o que é, e não um de nossos desejos, condicionamentos ou projeções, os quais, aliás, não seriam senão imagens de algo já conhecido, temporal e, portanto, falso. Toda idéia, toda ideologia pode até funcionar se a intenção é criar uma máquina ou mecanismo similar (material ou não), mas jamais será benéfica se aplicada às relações humanas ou a de um indivíduo com sua própria consciência. Porque se uma máquina é um meio de se atingir um fim, as relações humanas, por sua vez, não são uma coisa à qual devemos aplicar ou identificar um meio qualquer, seja ele político ou econômico, para se atingir um pretenso fim. Nas relações humanas meio e fim são uma só coisa, uma unidade: se utilizarmos a guerra para chegar à paz, não teremos paz, apenas guerra. Nas relações humanas – ou “mediações humanas” – o meio (do lat. mediu) é não apenas a própria relação mas seu único fim. Krishnamurti afirma reiteradamente: procuremos perceber o ilusório como ilusório e assim, desfeitos todos os véus, a verdade é quem nos encontrará. Pois a vida é um desafio de momento a momento, e a mente precisa estar atenta para reagir de acordo com cada um desses momentos. A verdade nos espera no atemporal.

P.S.: E por falar em baixar os véus, saiu o número 1 do Mídia Sem Máscara.

04/08/2002

O fantasma de Dante Alighieri

yuri vieira (SSi), 2:05 am
Filed under: escritores,extraordinárias,livros

Dante AlighieriO texto abaixo foi extraído de um dos livros de cabeceira da minha infância: “O Grande Livro do Maravilhoso e do Fantástico” (Seleções do Reader’s Digest).

“Quando, em 1321, Dante Alighieri morreu, não foi possível encontrar partes do manuscrito da sua obra-prima, A Divina Comédia. Durante meses, os seus filhos, Jacopo e Piero, revistaram a casa e todos os papéis do pai.

“Tinham desistido da busca quando Jacopo sonhou que vira o seu pai vestido de branco e inundado de uma luz etérea. Perguntou à visão se o poema fora completado. Dante acenou afirmativamente e mostrou a Jacopo um local secreto no seu antigo quarto.

Tendo como testemunha um advogado amigo de Dante, Jacopo dirigiu-se ao local indicado no sonho. Por detrás de um pequeno cortinado fixado na parede encontraram um postigo.

“No interior do esconderijo havia alguns papéis cobertos de bolor. Retiraram-nos cuidadosamente, limparam-nos com uma escova e conseguiram ler as palavras de Dante. Assim se completou A Divina Comédia. Se não fosse uma visão fantasmagórica surgida num sonho, um dos maiores poemas do mundo teria provavelmente permanecido incompleto.”

P.S.: Leia A Divina Comédia, aqui.

[Ouvindo: Endorphin – Satie 1]



Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








68 queries. 0.877 seconds. | Alguns direitos reservados.