Arquivo para November, 2005




13/11/2005

Discutindo… Deus!

yuri vieira, 12:07 am
Filed under: especulativas,interiores,Religião

No blog do Janer Cristaldo andou rolando um desses debates inúteis entre ateus, agnósticos e crentes, dos quais já estou mais que cansado, tendo participado de inúmeros justamente nas três posições citadas, aliás, migrando duma a outra nessa mesma ordem aí descrita. Vale dizer: me sinto melhor hoje… Bem, a questão é que o Olavo acabou aparecendo na discussão com um texto excelente: Discussões vãs. Não deixe de ler.

12/11/2005

Cabrera Infante e Fidel Castro

yuri vieira, 2:25 pm
Filed under: escritores,Política

O Alex Cojorian me enviou o link dessa entrevista com o escritor cubano Guillermo Cabrera Infante, na qual há um comentário que justifica os três milhões de dólares que Lula ganhou de Fidel:

GMN: Entre suas admirações, alguém lhe decepcionou quando visto pessoalmente ?

Cabrera Infante: “Uma das pessoas com quem tive uma enorme decepção depois de vê-lo pela televisão e pelos jornais foi Fidel Castro. Tivemos contato íntimo. Em abril de 59, fomos a Washington, Nova Iorque, Montreal e ao Brasil, antes de seguirmos para Montevideu e Buenos Aires. A intimidade de estar num avião para apenas vinte pessoas em companhia de Fidel Castro durante tantos dias me convenceu de que aquele indivíduo era um horror. Era um avião de hélice. Em direção ao Rio, o avião baixou para que víssemos a floresta amazônica. O piloto disse : “Comandante, estamos voando sobre a floresta!”. Eu estava sentado no banco logo atrás de Fidel Castro. O que foi que aconteceu? Fidel ficou olhando a floresta não sei por quanto tempo. De repente, disse : “Que grande país!”. Eu pensava que era admiração pelo Brasil. Mas ele disse: “Aqui é que deveríamos ter feito a nossa Revolução!”. Neste momento, entendi que Cuba era pequena para ele. Fidel se achava um lider tão grande que necessitava de um continente, não de uma ilha…”

GMN: Se, num acaso digno de uma das páginas de Garcia Marquez, o senhor se encontrasse com Fidel Castro hoje, num saguão de aeroporto, o que é que o senhor diria a ele ?

Cabrera Infante: “Eu só diria uma frase : ‘Você não acha que já chega?'”.

(Fonte: http://www.geneton.com.br)

A língua

yuri vieira, 6:03 am
Filed under: escritores,Humor

Como já disse dias atrás, tenho me debruçado, aqui em São Paulo, sobre a obra de dois grandes escritores: Rubem Braga e Monteiro Lobato. Este leio quando na casa do Dante e da Joana, aquele quando no apê do Rodrigo Fiume. Tanto como Lobato, Rubem Braga também tem altos causos, alguns muito engraçados. Veja este, intitulado A língua:

“Conta-me Cláudio Mello e Souza. Estando em um café de Lisboa a conversar com dois amigos brasileiros, foram eles interrompidos pelo garçom, que perguntou, intrigado: – Que raio de língua é essa que estão aí a falar, que eu percebo tudo?”

11/11/2005

Monteiro Lobato contra os impostos

yuri vieira, 5:22 am
Filed under: escritores,Podcast e videos,Política

Ouça agora, em meu podcast, uma crônica do escritor Monteiro LobatoNovo Gulliver – na qual ele discorre, de modo atualíssimo, sobre o sanguessuga que é o Estado brasileiro…

  • Ouça agora!
  • Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Jogo dos 3 erros

yuri vieira, 3:10 am
Filed under: Games,Humor

A Carol tem razão. É difícil encontrar os erros nesse jogo clássico. A única saída é aumentar o volume e aguardar as dicas sonoras, que podem vir do vento, do motor do barco, etc. Realmente interessante.

Governo Brasileiro (cuspe!)

yuri vieira, 12:44 am
Filed under: escritores,Política

Depois de ter sido preso pelo “crime de sinceridade” – escreveu uma carta esperançosa ao Getúlio Vargas cheia de conselhos e reclamações contra o Conselho Nacional de Petróleo -, Monteiro Lobato finalmente perdeu as esperanças para com o futuro do Brasil sob tão terrível governo. Já nos anos 1920 falava dos “trinta governos militares” que sobrevinham um após o outro desde 1889 e do perene estado de sítio que o Brasil vivia. Falava dos impostos absurdos que sangravam a indústria, o comércio, sua editora e matava o produto brasileiro que se via assim impedido de competir com os produtos estrangeiros. (Um livro português era mais barato que um livro em branco feito no Brasil.) Ficou horrorizado quando o Poço Lobato, na Bahia, primeiro jorro de petróleo em terras brasileiras, foi fechado pelo governo – o qual aliás havia declarado que naquela região não havia hidrocarbonetos – e, em seguida, enfeitado com um obelisco e os dizeres: “O Primeiro Campo Onde Jorrou Petróleo no Brasil – Organização do Conselho Nacional do Petróleo no Governo do Dr. Getúlio Vargas”. Ao acusar o roubo estatal, foi preso. Mais tarde, descobriu que a Standard Oil Company, dos Rockefeller, já mapeara todas as áreas petrolíferas do país, isso desde o início do século, e por isso comprava políticos para manter o monopólio. Enquanto nos EUA eram abertos poços de petróleo particulares numa taxa de 20.000 ao ano – desde meados do século XIX – no Brasil, o primeiro poço era então tomado pelo governo, e os demais impedidos de funcionar por contradições legais: enquanto uma lei do famigerado Conselho proibia estrangeiros de participar como acionistas das companhias petrolíferas nacionais, um artigo da constituição proibia os diretores de empresa de excluir sócios devido à sua nacionalidade… Logo, a burocracia travou a livre iniciativa. (Não é à toa que o corolário de todo esse processo, a Petrobrás, seja aquilo que é – uma financiadora de politiqueiros malandros.)

Em 1932, quando os paulistas tentaram se livrar da opressão do governo federal, a cidade de São Paulo foi bombardeada por tropas legalistas. Segundo Lobato, morreram mais civis e foram destruídas mais casas em São Paulo, durante esse bombardeio, do que em Paris, na Primeira Guerra, que recebeu canhonaços alemães. Dizia o telegrama presidencial: “S.Paulo desrespeitou o princípio da minha autoridade; que S.Paulo deixe de existir”. Não fosse o milionário Macedo Soares – hoje nome do trecho que une a Marginal Tietê à Marginal Pinheiros – e os paulistas teriam perecido de fome, frio e sede. Soares bancou tudo, comida, água, cobertores, roupas, abrigos para os feridos e desalojados.

No artigo Os tratados com a Bolívia, Lobato finalmente desabafa e joga a toalha:

Chega. Não quero nunca mais tocar neste assunto de petróleo. Amargurou-me doze anos de vida, levou-me à cadeia – mas isso não foi o peor. O peor foi a incoercível sensação de repugnância que desde então passei a sentir sempre que leio ou ouço a expressão Governo Brasileiro

Mona

yuri vieira, 12:00 am
Filed under: Avisos,Cotidiano,Umbigo

Hoje foi um daqueles dias em que acordei botando fogo pelas ventas, com ódio amargo contra toda a humanidade, o que evidentemente inclui a mim mesmo, já que também eu faço parte dessa malta fedida. Na cama, quando me deparei comigo, só de raiva, quase me mordi. Cara chato que não larga do meu pé interior… Pois é, assim fui passando o dia. E olha que nem estou na minha casa, mas na de amigos. Eu e o Jorge Recóndito, o desgraçado, meu Mister Hyde particular. Logo de cara, já fui implicando – por dentro, por dentro, discreto, sem fazer propaganda – com a babá desses meus amigos, que não pára de falar, o volume no máximo, sempre a distrair o nenê, que se chama Luca, mas que ela evangelicamente trata por Lucas. Às vezes vem me dar recados do dia anterior, mas cada informação que me passa todo o quarteirão registra. Só fala em caixa alta: SEU YURI, ONTEM, QUANDO O SENHOR NÃO TAVA AQUI, LIGOU UM AMIGO SEU… Talvez o bebê goste disso. Eu não. Hoje respondi pequenininho, uma carranca horrorosa: tá, tá… Talvez a tenha assustado. Em sua santa ingenuidade de babá infantilizada, talvez não imaginasse que um cara TÃO LEGAL, TÃO GENTE BOA, TÃO GENTLEMAN (puts, ela jamais diria isto), enfim, TÃO BACANA fosse capaz de semelhante esgar, de tão feia careta. (Continua…)

10/11/2005

Apelativos…

yuri vieira, 11:34 pm
Filed under: amigos,sites

Meus amigos Paulo Paiva, Rodrigo Fiume e Daniel Christino andaram comparando o número de visitas que meu site tem por dia com o deles e começaram a apelar em termos de publicidade. Veja só como o Daniel, o Paulo e o Rodrigo estão divulgando seus blogs…

Lobato se despede

yuri vieira, 1:36 am
Filed under: escritores,especulativas

“Adeus, Rangel! Nossa viagem a dois está chegando perto do fim. Continuaremos no Além? Tenho planos logo que lá chegar, de contratar o Chico Xavier para psicógrafo particular, só meu – e a 1ª comunicação vai ser dirigida a você. Quero remover todas as tuas dúvidas.
Do Lobato.”

Este é o último parágrafo da última carta escrita por Monteiro Lobato – duas semanas antes de morrer – a seu amigo Godofredo Rangel, com quem se correspondeu por mais de quarenta anos. Tais cartas se encontram nos dois tomos de A Barca de Gleyre. Segundo li por aí, Lobato “realmente” se comunicou com Rangel através de Chico Xavier. Infelizmente a morte fez com que se esquecesse da palavra código que haviam combinado…

Homem X Árvore

yuri vieira, 1:17 am
Filed under: Games,tecnologia

Não, não se trata de ecologismos. Os nerds inventaram um jogo onde seu oponente é controlado por uma planta qualquer conectada ao PC. Que nerda!

07/11/2005

Mais Monteiro Lobato

yuri vieira, 10:16 pm
Filed under: escritores,literatura,livros

Nos últimos dois meses já li “Miscelânea”, “America”, “Na antevéspera”, “Onda verde”, “Mundo da Lua”, “Prefácios e entrevistas”, “Problema vital”, “A barca de Gleyre” e “Idéias de Jeca Tatu”, todos do Monteiro Lobato, uma verdadeira overdose de leitura, livro sobre livro, algo que costumo fazer sempre que me apaixono pelas palavras dum escritor. E já fazia tempo que não me apaixonava literariamente. Todos esses títulos fazem parte da “obra para adultos” do José Renato – ele passou a assinar José Bento apenas para usar a bengala do avô, cujo castão trazia as iniciais JBML. E estou chocado: o cara é certamente o maior escritor da primeira metade do século XX e só falam nele como se fosse “apenas” o pai da Emília. O cara foi um gênio incansável, um visionário, e metia o bedelho em tudo: política, economia, indústria, ciência, comércio, filosofia, artes, literatura, etc. e isso não apenas pela palavra como também pela ação, tendo lançado a primeira grande editora do país, procurado petróleo e estimulado a mineração de ferro, a construção de estradas e o saneamento. Perto dele, a obra do Mário de Andrade é uma sujeirinha sob a unha do dedão do pé da cultura local. E olha que a li quase toda, a obra do Mário, isto é, seus dois únicos romances: Macunaíma e Amar, verbo intransitivo. (Continua…)

Avestruz Master

yuri vieira, 9:24 pm
Filed under: Cotidiano

Pois é, bem que o tal investidor de Wall Street, que conheci na Chapada dos Veadeiros, tinha razão: era pirâmide…

Go home? Yes! Yes!!

yuri vieira, 8:59 pm
Filed under: cinema

Nessa última semana assisti a dois filmes de guerra desses que nos deixam em pânico junto com os soldados: Black Hawk Down, do Ridley Scott, e… sim, American Soldiers, de Sidney J. Furie. É óbvio que o Ridley Scott deixa o Mister Furie no chinelo, mas não é este o ponto que me chamou a atenção. O primeiro filme trata de uma missão na Somália durante a qual cai um – e depois mais um – helicóptero americano. O segundo mostra um grupo rastreador de minas terrestres no Iraque, durante esta última guerra. (É foda ser americano. A confa lá nem acabou ainda e os caras já escreveram o roteiro, aprovaram e rodaram o filme. Power!! Power!!) Pois é, nos filmes que costumava assistir com meu pai quando criança – Os canhões de Navarone, A raposa do mar, A Batalha britânica, O Expresso de Von Ryan, etc. – testemunhávamos heróicos soldados levando a cabo, cheios de honra e valor, suas complicadas e perigosas missões. Às vezes o objetivo era um só – fugir – como em Fugindo do inferno, mas isso não porque estavam loucos para voltar pra casa (coisa de frescos), senão porque queriam voltar a combater o inimigo. Mas veio a guerra do Vietnã e… todo mundo já sabe o resto. O Horror! O Horror! Hoje, nos filmes, principalmente nos dois desta semana, a única missão que parece valer à pena, para os soldados, é obedecer aos brados anti-americanos de Go home! Go home! e… sair correndo pra casa. (Ninguém mais quer saber do Alerta ao Ocidente do Soljenítsin, aquele livro onde ele descreve vítimas de totalitarismo esperando em vão a chegada da salvadora cavalaria americana.) Os filmes de Ridley Scott e de Sidney J. Furie só começam depois que suas respectivas missões falham e os soldados, metidos na maior das enrascadas, precisam escapar de seus inimigos: missão lado B – go home!

“Americans, go home!!” e lá vai tiro.

“We’re trying!! we’re trying!!”, respondem os gringos – e sebo nas canelas.

A idéia é boa porque, além de criar uma situação na qual aflora o caráter de cada personagem, qualquer um poderá se identificar com aqueles homens desesperados, até mesmo um membro da Al Qaeda ou um guerrilheiro somali. Sim, porque no final das contas, na tela, a humanidade do inimigo desaparece e só vemos verdadeiros ogros (orcs, se preferir) tentando liquidar com os pobres sujeitos (gente como a gente), os quais obviamente – são americanos – matam muito mais. Para um membro da Al Qaeda, por exemplo, não há humanidade num norte-americano, logo… podem identificar-se também com os soldados norte-americanos do filme! E, cara, que meda, que nóia. A morte – ou pior, a imensa dor de perder um braço, uma perna, um olho – à espreita a cada segundo. Às vezes tenho a sensação de que o campo de batalha é um dos únicos lugares reais deste planeta. Infelizmente. Porque ali as pessoas desabrocham. Como no Amor…

04/11/2005

Interpenetração literária

yuri vieira, 5:23 am
Filed under: escritores,literatura,Política

No artigo Amigos do Brasil (Na Antevespera, pág. 164), escreveu Monteiro Lobato (com sua grafia própria, sem acentos “inúteis” e etc.):

“A interpenetração literaria é o que há de mais proficuo na aproximação dos povos. Só ela suprime as muralhas que a estupidez dos governos ergue. Só ela demonstra que somos todos irmãos no mundo, com as mesmas visceras, os mesmos defeitos, os mesmos ideais. Se a França tornou-se amada entre nós a ponto de bombardear Damasco e esmagar Abd-el-Krim sem que isso nos arrepie as fibras de indignação, deve-o aos senhores Perrault, La Fontaine, Hugo, Maupassant, Taine, Anatole e quantos mais nos trouxeram para aqui esta sensação da irmandade do homem. Se a Alemanha não se gosou de identicas simpatias é que viamos os atos de violencia dos seus homens de governo e não havia dentro de nós, para atenuar-lhes a repercussão, o coxim de veludo da literatura alemã, bem absorvida como temos a francesa. (…) Os morcegos passam e os livros ficam.”

03/11/2005

Um erro

yuri vieira, 5:11 am
Filed under: Ciência,escritores,Religião

Num artigo intitulado Krishnamurti, escreveu Monteiro Lobato:

“Erro pensar que é a ciência que mata uma religião. Só pode com ela, outra religião.”
(in Na Antevespera, pág. 199.)

Dias intranqüilos em Clichy

yuri vieira, 4:31 am
Filed under: Cotidiano,escritores,Viagens

Henry Miller, que viveu alguns de seus melhores anos em Clichy (Dias tranqüilos em Clichy), jamais imaginaria que seu amado bairro viveria uma semana tão intranqüila quanto a presente. Segundo o Le Figaro, no correr desta semana ao menos 228 carros foram queimados na região de Seine Saint-Denis, onde se encontra Clichy. Tudo começou com a morte de dois jovens que fugiam da polícia. A região se levantou e já está há uma semana em meio à quebradeira. Nessas horas fico imaginando: para onde se mudariam hoje Hemingway, Joyce, Scott Fitzgerald, Gertrude Stein, Dos Passos, Henry Miller e demais coléguas, sem falar dos artistas plásticos e outros? Para onde? Embora essa gente tenha se guiado pela estética e pelo hedonismo – Paris era e é uma beleza – o que realmente os movimentou foi o bolso: no período entre-guerras a França era baratíssima e ali era possível sobreviver com um décimo do necessário para se manter, por exemplo, em Nova York. E todos sabem que escritores e artistas são uns duros…
Onde fica a Paris de hoje? Onde é possível passar meus próprios dias tranqüilos? Em Clichy é que não é. E muito menos na Vila Madalena



Page 2 of 3123

Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








66 queries. 0.694 seconds. | Alguns direitos reservados.