11/01/2006

A Cópula, de Manuel Bandeira

yuri vieira, 3:56 pm
Filed under: escritores,literatura

Carol, uma amiga do Rio, me enviou “este surpreendente soneto de Bandeira, com nítida influência de Bocage, que faz parte da coleção de Obras Raras da Biblioteca da Universidade de Brasília. Foi publicado pela primeira vez na revista Bric a Brac, Brasília, 1986″.

A CÓPULA

Depois de lhe beijar meticulosamente
O cu, que é uma pimenta, a boceta, que é um doce,
O moço exibe à moça a bagagem que trouxe:
Culhões e membro, um membro enorme e turgescente.

Ela toma-o na boca e morde-o, incontinenti
Não pode ele conter-se e, de um jacto, esporrou-se.
Não desarmou porém. Antes, mais rijo, alterou-se
E fodeu-a. Ela geme, ela peida, ela sente

Que vai morrer: “Eu morro! ai não queres que eu morra?!”
Grita para o rapaz, que aceso como um Diabo,
Arde em cio e tesão na amorosa gangorra.

E titilando-a nos mamilos e no rabo
(que depois irá ter sua ração de porra),
Lhe enfia cona adentro o mangalho até o cabo.

(Manuel Bandeira, 1962.)

Mais posts:

« « O Pai Universal| Memory Places » »




No Comments

No comments yet.

Sorry, the comment form is closed at this time.




Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








65 queries. 1.594 seconds. | Alguns direitos reservados.