- O Garganta de Fogo - http://blog.karaloka.net -

Copulando com o Mao

Um pouco atrasada, mas essencial. Mais um bonito exemplo de cópula entre capital e comunismo.

Depois do Yahoo entregar o nome de um jornalista dissidente ao governo de Beijing e da Microsoft tirar do ar um blog a pedido dos mesmos camaradas, agora é a vez do Google concordar com a censura chinesa para lançar o endereço google.cn e aumentar seu acesso ao que, em breve, deve se tornar o maior mercado da Internet. A CNN [1] noticia (assista ao vídeo disponível e veja a diferença entre os resultados de busca no google.com e no google.cn).

Posts relacionados

Comments Disabled (Open | Close)

Comments Disabled To "Copulando com o Mao"

#1 Comment By yuri vieira On 29/01/2006 @ 11:55 pm

“(…) Ora, o ponto em comum entre ‘ideologia liberal-capitalista’ e marxismo é o viés economicista. O primeiro parte de um recorte fenomênico abstrato – a conduta econômica racional – e o adota, arbitrariamente, como modelo explicativo e norma corretiva de toda a vida social. O segundo não faz senão ‘colocar de cabeça para baixo’ esse modelo, atribuindo a conduta econômica racional já não ao ‘homo economicus’ individual e sim ao Estado socialista, que é ainda mais abstrato, hipotético e artificial do que ele.

“Daí a simbiose doentia de ideologia liberal e de socialismo onde quer que as autênticas bases culturais do capitalismo falhem. Mas estas bases falham cada vez mais num mundo onde a religião recua e o poder político se expande.

“Por isto o capitalismo se descaracteriza a olhos vistos, ficando cada vez mais parecido com o socialismo, ao mesmo tempo que o socialismo, fracassado enquanto fórmula econômica, ganha uma sobrevida postiça na forma de mitologia cultural do capitalismo e Ersatz de ética religiosa. Por isso, também, será impossível irmos ‘além do capitalismo’, mesmo em sonhos, enquanto nossa imaginação estiver presa a essa mitologia.(…)”

Leia mais, [2].

#2 Comment By pedro novaes On 30/01/2006 @ 8:19 am

Esse texto do Olavo é a melhor síntese sobre a questão que já li. Depois eu falo que nós todos falamos a mesma coisa e vocês não acreditam em mim.