Arquivo para janeiro, 2006




18/01/2006

Lugares-Memória III Memory Places III

pedro novaes, 4:24 pm
Filed under: exteriores,interiores,Viagens

Rio Encantado, Goiás, Brasil

Esse é meu grande esconderijo. Paraíso de mil aventuras na infância, onde eu buscava traços das estranhas terras descritas por Tolkien. É o lugar onde desenvolvi os sentimentos que me unem a isso que chamamos de “natureza” – um misto de embevecimento e saudade de algo que não posso precisar; algumas vezes paz profunda, outras, um forte medo de algo que parece prestes a me engolir.

O Encantado é água verde sobre rocha num imenso jardim japonês de Cerrado. Um canto escondido perto de onde o Araguaia ruge furioso em seu cânion.

Encantado River, Goiás, Brazil

This is my hideout. A paradise of a thousand childhood adventures, where I sought hints of the strange lands described by Tolkien. The place where I developed the feeling that bonds me to what we call “nature” – a mixture of astonishment and of missing something I cannot precise; sometimes a deep inner peace, others, a strong fear for something that seems about to swallow me.
Encantado River is green water over rock inside a huge Japanese garden in the Brazilian savannah. A hidden corner near where the Araguaia River furiously roars through its canyons.

Somaterapia

yuri vieira, 2:49 pm
Filed under: Cotidiano,memória,sites

Eu estava justamente escrevendo sobre minha experiência com a famigerada somaterapia – assim que terminar, colocarei o texto aqui – quando recebi uma mensagem do Adriano Facioli através do Livro de Visitas deste site. Fui então conhecer o site dele – Inquilinos do Além – e dei de cara com essa ótima crônica, Vivências e vexames, sobre a mesmíssima falcatrua terapêutica. A quantidade de pessoas que irá se identificar com ele não há de ser pequena. Quanto à minha própria experiência, vale dizer que ocorreu em 1993, em Ouro Preto, durante um daqueles Festivais de Inverno. Participei então da maior oficina já realizada pelo próprio Roberto Freire: cerca de 120 pessoas seminuas ao mesmo tempo, um verdadeiro surubão light. Aguardem…

Somos sérios ou suicidas?

yuri vieira, 2:00 pm
Filed under: Política

Trechos dum artigo de Thomas Sowell, traduzido por Antônio Emílio Angueth de Araújo, para o MSM:

Se você está velejando no Rio Niagara, há sinais que marcam o ponto a partir do qual ou você sai por uma das margens ou então corre o risco de ser tragado pela cachoeira. Com o Irã se movimentando em direção ao desenvolvimento de armas nucleares, estamos nos aproximando, perigosamente, do ponto crítico, sem volta, no cenário mundial.

(…)

O próprio governo iraniano está nos dando a mais clara evidência do que um Irã nuclearizado significará, com suas fanáticas e iradas declarações sobre varrer Israel da face da Terra. Não tenhais dúvida por quem o sino toca. Ele toca por vós.
(Continua…)

Motivos de conversão religiosa

ronaldo brito roque, 1:35 am
Filed under: especulativas,Religião

Só uma minoria muito reduzida se converte a uma religião — ou ao ateísmo — por achar que ela detém a hipótese mais verdadeira sobre a criação do universo, a natureza de Deus, do homem ou do que quer que seja. A imensa maioria se converte, não porque busque a verdade e a encontre numa determinada religião, mas simplesmente porque espera obter um benefício com a conversão.

Na juventude o homem (o homem e a mulher, obviamente) deseja o sexo sem o peso dos compromissos conjugais, deseja desobedecer aos pais, para fazer suas próprias descobertas, deseja experimentar o álcool e as drogas, porque todo mundo diz que é legal. Então surge uma conversão ao ateísmo ou a alguma espécie de religião pessoal, na qual beber e fazer sexo sem compromisso não sejam pecados. Nem sequer passa pela cabeça do jovem a idéia de examinar filosoficamente as religiões em busca da mais verdadeira. O ateísmo é escolhido porque lhe permite satisfazer seus desejos e não por motivos filosóficos. (Continua…)

17/01/2006

Perto do Coração Selvagem

pedro novaes, 2:27 pm
Filed under: Cotidiano

Eu gosto muito de “Perto do Coração Selvagem”, não apenas o maravilhoso romance de estréia de Clarice Lispector, mas o blog de mesmo nome do Lamenha, cujo estilo, a um só tempo leve e angustiado, lembra muito o dela. Vez em quando, eles conversam.

Não é do Juca Chaves

yuri vieira, 10:37 am
Filed under: Humor,música

Graças ao meu pai, ouço Juca Chaves desde criança. O que só aumenta minha vergonha diante da gafe que cometi para com ele. Recebi uma mp3 por email meses atrás – Cagar é bom -, dei muita risada da paródia ao João Gilberto e, sentindo que a voz poderia não ser do Juca, fiz uma rápida pesquisa na internet. O site Letras.mus.br, do portal Terra, me confirmou, pois, a “autenticidade”: a música era mesmo do Juca Chaves. Escrevi-lhe solicitando autorização para colocar aqui o mp3. E, hoje, cinco meses mais tarde, ele finalmente me responde – super delicado e atencioso – dizendo que a gravação não é dele, que não faz paródias, senão sátiras, e que não usa termos “assim tão chulos” em suas canções. Puts, eu podia dormir sem essa… É como elogiar um escritor que se admira há anos, diante dele, pelo romance dum outro. Pesquisando mais acuradamente, encontro ainda duas versões do autor: no site Mundo Bizarro, “Jactânsio Bazófio” afirma que a paródia é de Rogério Skylab. Mas, finalmente, descubro que é, sim, do Laert Sarrumor, do Língua de Trapo. Será que agora alguém me dará permissão para divulgá-la? (Ai, quanta frescura da minha parte!)

  • Ah, quer saber?, ouça e dê risadas!

(Qualquer problema aí, Laert, fale comigo e eu retiro a música do site, ok? Agora deixa eu voltar às Confissões de Santo Agostinho…)

P.S.: Recebi este email do Laert Sarrumor: (Continua…)

Coceira Stalinista

pedro novaes, 7:31 am
Filed under: Cotidiano

Nem acho que a imprensa é santa, nem que a arapongagem generalizada deva seguir impune, mas é difícil acreditar nas boas intenções da turma da estrelinha neste campo. O projeto de lei do Governo regulamentando escutas telefônicas abre brecha para a punição de jornalistas pela divulgação, nos meios de comunicação, de gravações feitas através de grampos, sejam eles autorizados pela justiça ou não. Do Josias de Souza.

16/01/2006

Angústia de Guerra

pedro novaes, 7:48 pm
Filed under: Cotidiano

Acabo de ler Os Cus de Judas, obra que escolhi para me introduzir no universo denso de António Lobo Antunes. Para quem ainda não o conhece, trata-se de premiadíssimo autor português de mais de 15 romances. Nascido em 1942, psiquiatra de formação, Lobo Antunes foi muito fortemente marcado por sua experiência como médico do exército português durante a Guerra Colonial em Angola, relatada de maneira visceral nesta obra de 1979 que o tornou internacionalmente conhecido.

Para mim, o paralelo estilístico mais próximo na literatura brasileira é o de Raduan Nassar, cujos Lavoura Arcaica e Um Copo de Cólera me parecem igualmente livros tão escritos com o estômago quanto este, impressionante na dureza de suas metáforas e imagens improváveis e inesperadas. No sentimento, lembra Julio Cortázar, sua mistura de angústia, cinismo e revolta contra a contenção e mansidão humanas, diante do infinito e da surda corrente, sempre prestes a explodir, subjacente a cada sorriso conformado.
(Continua…)

Lugares-Memória II Memory Places II

pedro novaes, 4:15 pm
Filed under: exteriores,interiores,Viagens

Já é madrugada, mas vários casais passeiam com bebês nesta praça. A fonte borrifa sua água sobre nós, e eu fecho os olhos, desfrutando o contraste de sensações depois do dia de escorchante calor neste oásis no deserto. Longas conversas depois de duas garrafas de vinho à mesa de um café sob as árvores da calçada. Amanhã, partimos para a montanha mais alta das Américas.

As ruas densamente arborizadas, os cafés nas calçadas, a sombra dos Andes a poucos passos e sua personalidade latina fazem de Mendoza uma das cinco cidades mais legais deste continente.

It is late in the evening, but several couples stroll around carrying their babies. The fountain sprinkles its cold water on us. I shut my eyes, enjoying the contrast between this sensation and the scorching heat during the day at this oasis in the desert. Long talks after two bottles of wine at a sidewalk café under the trees. Tomorrow, we depart to the highest mountain on the American continent.

The shaded streets, sidewalk cafés, the shadow of the Andes, just a few steps around, and its Latin personality inscribe Mendoza among the five coolest cities of Latin America.

Voto nulo

yuri vieira, 3:30 pm
Filed under: Política

Trecho da entrevista concedida por Ubiratan Iorio, presidente executivo do CIEEP (Centro Interdisciplinar de Ética e Economia Personalista), ao MSM:

MSM: Ano que vem teremos eleições. Há algum presidenciável em quem o senhor recomendaria publicamente o voto?

Iorio: Vou declarar algo que poderá chocar a muitos. Creio que a maior manifestação de democracia que um liberal brasileiro pode dar, já que todos os presidenciáveis são de esquerda, é anular o seu voto, uma vez que o mesmo é obrigatório.

MSM: Mas pregar a anulação do voto não é uma pregação contra a democracia?
(Continua…)

Sawamu, o demolidor

yuri vieira, 1:25 pm
Filed under: Avisos,memória,Podcast e videos

Sawamu, o demolidorOutro dia, encontrei a música de abertura do animê Sawamu, o demolidor, que passou no início dos anos 80 aqui no Brasil. Quem morou em São Paulo nesta época, ou em alguma outra cidade que transmitia a TV Record, certamente se lembrará. Tratava-se da história do karateca Sawamu que, após ser surrado por um lutador de boxe tailandês, decide aprender essa nova modalidade. Eu curtia muito o desenho, tanto quanto um outro que marcou toda uma geração: A Princesa e o Cavaleiro.

(Veja a letra abaixo.)
(Continua…)

A foto roubada

elv peka fluss, 1:23 pm
Filed under: Cotidiano,fotografia

Já faz uns 20 anos. Eu ainda morava no Rio. Mas fui a São Paulo e acabei conhecendo uma garota paulistana linda. Tempos depois eu a encontrei de novo, no Rio. Não me lembro o que ela fazia lá. Papo vem, papo vai, ela me disse que nunca tinha ido ao Corcovado. Pois então eu a levaria…

Aproveitei para levar minha câmera. Queria tirar umas fotos lá do alto, se o tempo estivesse bom. E estava. Maravilhoso. Mas não é que a garota grilou? Isso, uma simples Olympus. E foi grilar só lá em cima, quando a tirei da mochila. Eu sei, eu também não entendi. Por que uma câmera poderia estragar um passeio como aquele?

Emburrou. Ficou até mais bonita. E mais maluca. Me fez prometer que eu não a fotografaria. Promessa feita…
(Continua…)

A Brave New World 2

sunami chun, 1:21 pm
Filed under: escritores,especulativas,Games

Meu primeiro texto foi inserido aqui pelo Yuri na sexta de madrugada e no fim de semana como não tive tempo pra acessar a página também não obtive a oportunidade de me apresentar e agradecer, o que aproveito pra fazer agora. Enfim, saudações a todos que aqui escrevem e lêem e espero compartilhar idéias e aprendizados com todos.

Essa continuação de meu primeiro texto é uma compilação de emails que troquei com meus amigos do curso de Ciências Sociais da USP – onde estudamos juntos e onde conheci o Yuri – e acho que explica um pouco melhor de onde tirei essas idéias, já que responde a algumas dúvidas e críticas quanto ao game ser uma ferramenta de transformação, em especial aos MMRPG´s (Massively Multiplayer Role Playing Game). Estou há anos estudando este tema por conta de meu trabalho, mas uma de minhas paixões também é a ficção científica e me baseei muito no Livro “A Cidade e as estrelas“, de Arthur C. Clark, que acredito ter influenciado o roteiro de Matrix mais do que qualquer outra fonte, porém também creio que a tecnologia seja apenas uma ferramenta poderosa, um meio, e não uma solução. Neste livro a tecnologia que contém todo o conhecimento do universo é usada para dar aos homens diversos tipos de experiências de vida através das “sagas”, mas Alvin, o protagonista, eleito como “Neo”, deixa de livre-arbítrio “Diaspar” em busca de conhecimento verdadeiro. Aproveito para postar também uma poesia de Carlos Drummond chamado “O homem; as viagens“, a qual apresenta como único destino do homem o retorno para dentro de si, e talvez neste caso a tecnologia apresse ou retarde essa busca. De qualquer maneira ela está aí…
(Continua…)

15/01/2006

Tecnologia e literatura

yuri vieira, 11:34 pm
Filed under: escritores,literatura,tecnologia

Eis uma declaração do escritor Kurt Vonnegut, citado por Pierre Assouline, no blog La république des livres, que certamente agradará ao Paulo Paiva, um fã declarado de ficção científica:

“Un roman qui exclut la technologie déforme la vie aussi affreusement que les Victoriens la dénaturaient en excluant le sexe.”
____
“Um romance que exclui a tecnologia deforma a vida tão terrivelmente quanto os vitorianos a adulteravam ao excluir o sexo.”

Radio.Blog.Club

yuri vieira, 3:47 pm
Filed under: música,sites

No Radio.Blog.Club é possível encontrar e ouvir, em streaming, diversas músicas. Caso se cadastre no site, você também poderá criar sua própria lista de músicas favoritas, evitando assim ter de voltar a buscá-las a cada nova visita. E ainda: há um programa disponível para download, que pode ser instalado em seu próprio site, criando ali um player linkado diretamente ao Radio.Blog.Club.

Lua cheia na Vila

rodrigo fiume, 1:25 am
Filed under: Cotidiano,fotografia

14jan6, 20h46



Página 3 de 6« First...234...Last »

Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








64 queries. 0,599 seconds. | Alguns direitos reservados.