- O Garganta de Fogo - http://blog.karaloka.net -

Just Business II

O post do Rodrigo [1] me lembrou imediatamente uma cena de “O Brother, Where Art Thou?(2000) [2]“, dos ótimos Irmãos Cohen! Misturando o Mississipi da Grande Depressão com a Odisséia, o roteiro [3]faz uma salada deliciosa que agrada até àqueles que detestam quando o protagonista começa a cantar sua fala (não é o caso do nosso vitaminado eDitador! “Cantando na Chuva [4]“, Yuri? Que surpresa, heim?!) …

A cena, que tem tudo a ver com o chinês da vez [1], acontece quando os protagonistas encontram um músico negro parado numa encruzilhada… Brilhante! Vai ver foi a mesma coisa que pensou o nosso oriental! E quem foi mesmo que disse que a vida imita a arte?

“DELMAR
How ya doin’, Tommy. I haven’t seen a house in miles. What’re you doin’ out in the middle of nowhere?

Tommy is matter-of-fact:

TOMMY
I had to be at that crossroads las’ midnight to sell mah soul to the devil.

EVERETT
Well ain’t it a small world, spiritually speakin’! Pete and Delmar just been baptized and saved! I guess I’m the only one here who remains unaffiliated!

DELMAR
This ain’t no laughin’ matter, Everett.

EVERETT
What’d the devil give you for your soul, Tommy?

TOMMY
He taught me to play this guitar real good.

Delmar is horrified:

DELMAR
Oh, son! For that you traded your everlastin’ soul?!
Tommy shrugs.

TOMMY
I wudden usin’ it.”

Posts relacionados

Comments Disabled (Open | Close)

Comments Disabled To "Just Business II"

#1 Comment By Bruno Costa On 07/04/2006 @ 12:01 pm

Pois então, Rosinha, o músico na encruzilhada é o famigeradíssimo Robert Johnson (1911-1938). Yeah, “the” bluesman, you can bet your soul, mammy. Não ouvia outra coisa aos 13 e também pensei em vender minha alma ao tinhoso, mas refletindo um pouco, vi que seria mais prudente aprender uns três acordes antes de fechar o negócio. Na minha modesta opinião, pois praticamente não conheço o gênero, “They’re red hot” é o primeiro rock da história. É duca, ouçam e pirem por si mesmos, incrédulos. Infelizmente, não bebia o suficiente aos 13 para analisar friamente esse gênio, esse monstro sagrado, literalmente, do blues. Achei a aparição, o ator e a referência ao Bob ridículas, no entanto. Fiquei puto de verdade, a maneira como ele pinta o cara é patética. Acreditem: não seria nada engraçado topar com ele numa encruzilhada, e não se esqueçam, não é LENDA, o sujeito fez o pacto com o Sem-nome pra valer.