13/11/2007

O fim da dúvida

elv peka fluss, 6:52 am
Filed under: Avisos,Humor

No mês passado, eu sanei uma velha dúvida. E foi na prática mesmo, sem nada de teoria.

Fui ao Rio fazer um frila e, numa quarta-feira de manhã, peguei a ponte aérea de volta a São Paulo. Para poder chegar à minha poltrona, a 5a, na janela, pedi licença à passageira da 5b, a do meio, que prontamente se levantou para que eu pudesse passar. De cara, eu a reconheci, apesar de seus imensos óculos de sol.

Numa discreta blusa branca e preta, a senhora retirou um grosso livro (em inglês) de sua bolsa (Prada, deu pra ver bem) e passou a viagem lendo. Confesso que ela me deixou um pouco tenso. E se eu cometesse alguma gafe? Sei lá…

Resolvi, assim, ficar “na minha” o máximo que conseguisse. Ou seja, mal abri a boca. Acho que o “máximo” que fiz foi pedir-lhe a revista da Gol que estava no “porta-coisas” à sua frente. “Posso?”, perguntei-lhe. “Claro”, respondeu-me.

Nem aceitei a barrinha de cereal; pedi apenas água com gelo. Ela só aceitou o suco de manga. “Light”, frisou.

Daí que, chegando a São Paulo, me distraí olhando pela janela a imensidão de concreto e asfalto. Foi quando a minha antiga dúvida se resolveu.

Como não notei que o comissário me dirigia a palavra, pedido o copo já vazio, a senhora me chamou a atenção. Não disse uma palavra, na verdade. Apenas tocou meu ombro — e com certa força, não foi ligeiramente — usando dois dedos, o indicador e o do meio.

Agora já posso dizer à Débora, minha filha, que tá liberado o cutucão. Se a Gloria Kalil cutuca, nós também podemos cutucar, não?

Posts relacionados

Mais posts:

« « Salles, no NYT| A boa safra do cinema nacional » »




No Comments

No comments yet.

Sorry, the comment form is closed at this time.




Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








82 queries. 0.597 seconds. | Alguns direitos reservados.