15/11/2007

Hoje não

ronaldo brito roque, 5:05 pm
Filed under: Cotidiano,literatura

Hoje ele não quer chupar peitos — nem os mais redondos e firmes. Não quer ver uma mulher de quatro, não quer ouvir gemidos suaves (quase verdadeiros), nem se debruçar sobre um corpo macio depois da descarga cansativa e aliviante. Ele não quer ir ao banheiro se livrar da camisinha, nem ficar abraçado na cama, imerso no cheiro misto de suor e látex. Não quer vê-la se vestindo, nem puxá-la de volta, alegando uma incapacidade qualquer para deixá-la. Ele não quer reiniciar as carícias, e se orgulhar de poder excitá-la novamente.

Quando ela telefonar, ele não vai atender — seja ela quem for! Ele quer a paz de uma cama vazia, o silêncio de um livro antigo, o inapelável cheiro de roupa suja de um quarto de solteiro. Pensamentos vagos vão lhe ocorrer, talvez até lembranças de uma infância descalça e triste, que ele já nem sabe se teve realmente. Um suave arrependimento vai lhe perturbar por algum tempo, depois ele vai expurgá-lo num sonho levemente torturante, como uma música clássica. Aos poucos ele vai se reconciliar com seu corpo, seus quilos a mais, seus cabelos que já começam a escacear sobre a testa.

Mas ela não vai entender. Vai se sentir rejeitada, ultrajada na sua obscura dignidade de fêmea. Vai relembrar um velho namorado, que a amava muito mais, e não a deixava sozinha nos fins de semana. Vai tentar acreditar que quer ligar para esse ex-namorado e marcar um encontro naquele restaurante afastado, perto de um motel. Depois vai pensar que toda a farsa não terá sentido se não for, de alguma forma, descoberta por ele. Então vai ficar algumas horas tentando criar um plano para que tudo — o encontro clandestino, a tarde no motel — chegue ao conhecimento dele e o faça arrepender-se como um mártir desesperado. Mas em pouco tempo ela vai lembrar que não é boa em planejamento, e vai desistir da idéia. Deitada, em frente à televisão, vai sentir seu desejo se diluir como o sal se dilui em água. E os dois vão dormir, cada qual em sua cama, o sono morno de uma noite de outubro.

No outro fim de semana, aí sim, eles vão transar e gozar como rãs patéticas. E esse domingo de ausência será tão insignificante que não restará sequer na lembrança. Sem fotos, sem testemunhas, sem conseqüências, será um nada dentro do vazio, uma gota de chuva caindo num lago, uma sombra encontrando a paz definitiva da escuridão. Até que um dia o corpo dele vai relembrar o desejo de uma cama vazia. Agora casado, ele irá procurar um hotel modesto no centro da cidade. Ela vai relembrar um antigo namorado, vai acreditar que quer dar um telefonema. E tudo se repetirá, com a monotonia infalível dos domingos.

Posts relacionados

Mais posts:

« « Pôr-da-Terra| Grafite — 12 » »




2 Comments

  1. Thiago escreveu:

    Gostei. Vou ler mais coisas dele …

    Comentário de 15-11-2007 @ 8:00 pm

  2. Marcelo Lopes escreveu:

    Tb gostei muito. Em alguns momentos, me lembrou o Alan Lightman de “Sonhos de Einstein”, especialmente o último parágrafo.

    Comentário de 16-11-2007 @ 10:33 pm

Sorry, the comment form is closed at this time.




Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








81 queries. 1,720 seconds. | Alguns direitos reservados.