Arquivo por autor




18/01/2008

A Culpa é do diretor, parte II

pedro novaes, 3:52 pm
Filed under: cinema,livros

Tenho insistido que o maior problema de nossa cinematografia digital, e sobretudo dos curtas que são feitos no Brasil, está na precariedade da direção de atores e no pouco caso com um trabalho mais embasado de preparação de elenco e construção de personagens.
A verdade é que a maioria toma a função do diretor cinematográfico como algo simples e que qualquer um com uma boa idéia pode exercer. Afinal, trata-se meramente de definir enquadramentos e movimentos de câmera, e de dar ordens aos atores, não é verdade?
A função do diretor é dificí­lima. É preciso ser acrobata e conseguir manter dezenas de pratos girando ao mesmo tempo, com a diferença de que, no circo, se um prato cai, só ele se quebra, enquanto, no cinema, se o mesmo ocorre, todo o conjunto naufraga.
Uma má fotografia pode até sobreviver a um filme com ótimas atuações, mas um filme com excelente fotografia e performances ruins é um desastre. Sem atuações críveis, nada se sustenta.
Mas nada me parece mais difí­cil e delicado do que a direção dos atores. Primeiro, porque a direção é quase um casamento, depende de confiança absoluta. O diretor coloca seu bem mais precioso nas mãos do ator – o seu filme – e o ator tem que se abrir e jogar de cabeça no território das emoções, crendo que o diretor saberá guiá-lo neste lamaçal, rumo aos sentimentos corretos para uma boa atuação.
Segundo, porque dirigir atores demanda principalmente intuição e disposição para o risco e o mico. Tem pouco de intelectual e muito de tentativa e erro, de processo, de experiência. Nada nos ensina a fazê-lo, a não ser tentar.
Eu ainda me sinto quase absolutamente desarmado neste território. Ainda não sei fazer pouco mais que pedir resultados – o pior tipo de direção -, mas vou tentando perder o medo.
Apesar de que só a prá¡tica ensina, um pouco de teoria pode apontar o rumo certo e também nos fornecer o impulso de buscar. Daí­, como prometido, a tradução da introdução do livro de Judith Weston “Directing Actors”, um excelente começo sobre este tema.

Baixe o arquivo aqui

07/01/2008

Dois docs políticos

pedro novaes, 7:00 pm
Filed under: cinema,Política

A amiga Carolina Paraguassu, diretora e produtora, finaliza seu doc Resistência.doc, sobre a trajetória política do governador goiano Mauro Borges. O trailer pode ser conferido aí acima e o material promete.

Além dele, o polêmico Guerrilha do Araguaia – As Faces Ocultas da História, dirigido pelo Eduardo Castro, terá sua versão televisiva exibida no próximo dia 27, às 21 horas, na TV Cultura, para todo o país. Veja também o trailer na tela acima.

Mova a câmera!

pedro novaes, 7:00 am
Filed under: cinema

Movimentos inesperados e surpreendentes de câmera, sobretudo planos sequência bem feitos, são um dos componentes fundamentais da magia do cinema. Aliás, aqui um belíssimo texto sobre grandes planos sequência com links para alguns deles no You Tube. Na tela acima, um excerto de Soy Cuba, de Mikael Kalatozov, uma pérola da produção comunista, com alguns dos mais espetaculares planos sequência já realizados (a história deste filme é retratada em “O Mamute Siberiano”, do brasileiro Vicente Ferraz).

Muitos de nós, jovem cineastas, entretanto, talvez influenciados por uma certa valorização do experimentalismo que confunde inovação estética com pobreza técnica e operação de câmera porca, parecemos achar que enquadramentos bizarros e câmeras tremidas a ponto de causar enjôo no espectador são coisas desejáveis em nossos filmes.

Talvez isso se deva também ao fato de acharmos que movimentos de câmera elaborados demandam necessariamente gruas, dollies e steadicams de milhares de reais. Na verdade, com criatividade e alguma habilidade manual, é possível improvisar movimentos de câmera que agregam enorme valor a nossos filmes, ou ainda construir equipamentos que fazem praticamente o mesmo que suas contrapartes caras.

Um exemplo disso é o Steadycam de 14 dólares, que qualquer um que saiba o endereço de uma ferragista pode construir em casa. O essencial é compreender o princípio de funcionamento de um steady, nada mais do que simplesmente fornecer um contrapeso à câmera, evitando que ela rotacione em seu eixo horizontal (em movimento indesejado de tilt). Vejam, por exemplo, este filme demonstrativo e comprovem a eficácia da traquitana.

Steady

Outra peça genial é o livro “Killer Camera Rigs that You Can Build”, que detalha projetos relativamente simples de gruas, braços e suportes para gravações em carros, entre outras peças, que revolucionarão seus filmes. Veja também que beleza os filmetes demonstrativos.

06/01/2008

Quando queremos desaparecer?

pedro novaes, 12:38 pm
Filed under: Ciência,meio ambiente

Artigo do Professor José Eli da Veiga na Folha de hoje.

Ambientalismo, entre crença e ciência

JOSÉ ELI DA VEIGA

“SALVAR O planeta” é uma expressão tão falsa quanto presunçosa. Pois nada que a espécie humana possa fazer afetará o planeta na escala geológica de tempo, de milhões de anos.
Diferentemente do que pretende esse slogan, não é a Terra que está sendo posta em perigo por drásticos impactos ambientais contemporâneos, como aquecimento global, erosão da biodiversidade ou escassez e degradação dos recursos hídricos.
O que está na berlinda é a possibilidade de a espécie humana evitar que o processo de sua própria extinção seja acelerado pela depleção de boa parte dos ecossistemas que constituem a biosfera. Essa fina e delicada camada que envolve o planeta.
Na mesma toada, também é falso e presunçoso o discurso que apresenta a conservação da natureza como forma de “superar as ameaças à vida no nosso planeta”. A continuidade da maior parte das formas de vida -das bactérias às baratas, passando pelas amebas- nem de longe está ameaçada pela capacidade destruidora adquirida pela espécie humana. (Continua…)

05/01/2008

Scorsese, Hitchcock, Stones

pedro novaes, 7:34 pm
Filed under: cinema,música

MS

Simplesmente genial o filme-homenagem a Hitchcock e peça de propaganda do espumante Freixenet feito por Martin Scorsese: “The Key to Reserva”. Ele pode ser conferido aqui. É um exemplo de sacada genial de publicidade e efetivamente um belíssimo e divertido curta-metragem. Uma pequena aula de cinema.

Agora, ficamos ansiosamente aguardando a estréia de seu doc “Rolling Stones – Shine a Light”, sobre a grande banda, com estréia mundial marcada para 4 de abril.

UPDATE: Atenção, no filme da Freixenet, em 01m08s, para a foto de Glauber Rocha no momento em que Scorsese abre a caixa com o roteiro. Muito bem observado pelo Daniel. A mesma foto pode ser vista aqui.

04/01/2008

Saudade dos Mineiros

pedro novaes, 6:00 am
Filed under: escritores,literatura

4 Mineiros

Na foto acima, já incluída em outro post de dois anos atrás, troco idéia com os quatro mineiros – Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Otto Lara Resende e meu padrinho, Hélio Pellegrino – na Praça da Liberdade em Belo Horizonte.

Completaram-se, no último dia 28, 15 anos da morte do Otto.

Este Brasil tão bagunçado sente muita falta destas quatro figuras brilhantes e generosas.

A propósito, reproduzo abaixo artigo do meu pai publicado ontem em O Popular.

A falta que o Otto faz

Washington Novaes

Passou desapercebido da comunicação, na última semana de dezembro, o 15º aniversário da morte do escritor e jornalista Otto Lara Resende, vítima de uma inacreditável infecção hospitalar no pós-operatório de uma cirurgia banal na coluna. Pena que tenha sido assim. Deixou-se de trazer à memória dos mais antigos e ao conhecimento dos mais novos algo da carreira de uma figura que faz falta – seja como escritor (O Braço Direito, Tabuleiro de Damas, Bom Dia para Nascer, Lado Humano, Boca do Inferno, O Retrato na Gaveta, As Pompas do Mundo, a Testemunha Silenciosa, entre outros), como jornalista, como conversador brilhante.

Otto transformou-se em figura mitológica na imprensa do Rio de Janeiro logo que para lá se transferiu, quase à mesma época em que seus inseparáveis amigos Hélio Pellegrino, Fernando Sabino e Paulo Mendes Campos, que já haviam assombrado Belo Horizonte com seu talento e suas estripulias. Corriam de boca em boca as histórias e façanhas do Otto, como a capacidade de escrever editoriais para o Diário de Notícias, onde trabalhava de manhã, e respondê-los no dia seguinte em O Globo, onde trabalhava à tarde, e que tinha posições políticas diferentes. Essa capacidade ficou ainda mais evidente quando, na Rede Globo, escreveu a carta com o pedido de demissão do diretor-geral, Walter Clark, e a resposta do proprietário, Roberto Marinho, num episódio muito difícil. (Continua…)

03/01/2008

O Paquistão e a iminência das guerras quentes

pedro novaes, 8:00 pm
Filed under: Política

Artigo de Newton Carlos na Folha de hoje traça quadro sombrio da segurança internacional, tendo como nó central o Paquistão pós-assassinato de Bhuto.

A segurança internacional em ruínas

NEWTON CARLOS
ESPECIAL PARA A FOLHA

Os jogos de guerra sobre “riscos paquistaneses” reuniram em Washington um pequeno grupo de especialistas militares e de inteligência, integrantes de uma nova modalidade, a dos atentos à proliferação dos engenhos de destruição maciça e de possíveis descontroles.
Entre os cenários e opções traçados figurou inclusive uma operação de alto risco, a de isolamento dos “bunkers” onde estão as armas nucleares do Paquistão. As áreas em volta seriam seladas de modo inviolável, com “dezenas de milhares” de minas jogadas de aviões e municiadas contra tanques e pessoas.
Um dos luminares dessa nova comunidade, o professor Scott Sagan, da Universidade de Stanford, acha que a melhor maneira de garantir a segurança do arsenal nuclear paquistanês é comportar-se de modo cooperativo com as Forças Armadas do país da Ásia Central, colado ao Afeganistão.
Mas existe o perigo de quebra tanto das instituições políticas quanto militares e não passou despercebido o fato de que a ajuda bilionária dada pelos EUA ao Paquistão se voltou sobretudo para o conflito com a Índia em torno da posse da Caxemira. A Índia, de seu lado, já testa mísseis de interceptação de mísseis, se inscrevendo num clube até agora restrito a EUA, Rússia, Israel e China, O que acontece ultrapassa as fronteiras do Paquistão.
Estamos diante da ruína da arquitetura de segurança mundial, que deveria, pelo contrário, firmar-se com o fim da Guerra Fria. O Paquistão deu curso à proliferação e se tornou segmento de alto risco dessa ruína pelo fato de que podem desintegrar-se as elites política e militar que até agora controlaram um pais que é ninho de islâmicos radicais.
A rachadura inicial aconteceu em 2002, quando os EUA se retiraram do tratado sobre mísseis antimísseis, pedra angular de amplo sistema de segurança e cláusula capaz de conter o “first strike”, a sedução de ser o primeiro a atirar.
Sistemas antimísseis podem absorver ataques e possibilitar contra-ataques e com isso desencorajar “first strikes”. O governo Bush não só eliminou esse elemento de dissuasão como lançou a doutrina dos ataques preventivos e decidiu botar antimísseis na Europa central.
A 12 de dezembro, entrou em vigor a retirada da Rússia do Tratado de Forças Convencionais na Europa, que limita a quantidade de armas pesadas num raio que vai do Atlântico às montanhas Urais. É peça central da arquitetura internacional de desarmamento. A saída da Rússia pode resultar numa corrida às armas na Europa.
O Paquistão nuclear, com riscos de descontrole, se insere num contexto maior de insegurança.

O jornalista NEWTON CARLOS é analista de questões internacionais

Capitalismo 3.0

pedro novaes, 6:00 pm
Filed under: Economia,literatura,livros,meio ambiente

Barnes

Resenha do José Eli da Veiga, publicada em O Valor desta quinta, do livro Capitalism 3.0, de Peter Barnes.

A necessidade de criar uma ‘versão 3.0’
Por José Eli da Veiga, para o Valor, de São Paulo
03/01/2008

“Capitalism 3.0 – A Guide to Reclaiming the Commons” – Peter Barnes
Berrett-Koehler Publishers, Inc., R$ 48,77. Com versão eletrônica gratuita em http://www.onthecommons.org

É raro que um livro abra com duas sentenças tão reveladoras de sua mensagem: “Sou um empresário. Creio que a sociedade deve premiar toda e qualquer ação lucrativa que tenha êxito”. Mas são afirmativas que jamais haveriam rendido texto tão estimulante se não tivessem entrado em colisão frontal com outra profunda convicção do autor: “Sei que atividades lucrativas têm insanos efeitos colaterais: poluição, lixo, desigualdade, ansiedade, e pesadíssima confusão sobre o propósito da vida.”

Para complicar, o conhecimento histórico também já o havia convencido que governos – por mais representativos que possam ser – se já não cuidam direito dos interesses dos cidadãos, muito menos podem ser capazes de proteger os interesses de gerações futuras. Principalmente porque tendem a dar muito mais importância aos interesses das corporações privadas. Um problema que na democracia capitalista é sistêmico, segundo Peter Barnes, autor do livro “Capitalism 3.0 – A Guide to Reclaiming the Commons”. (Continua…)

A culpa é do diretor

pedro novaes, 5:00 am
Filed under: cinema

Weston

Para mim parece muito claro que a maior deficiência do cinema nacional está na preparação e direção de atores. E más performances são 95% culpa de maus diretores e apenas 5% culpa dos atores. Bons diretores, dadas certas condições, extraem papéis memoráveis de pessoas que nunca atuaram (vide, entre outros, os filmes do argentino Carlos Sorín, como “O Cachorro” e “Histórias Mínimas”, além da exceção nacional a confirmar a regra: “Cidade de Deus”).
A afirmação feita acima é tão mais válida quanto menor o orçamento do filme e inquestionável quando falamos de curta-metragens brasileiros. Felizmente, na produção de longas, esta deficiência tem sido minorada a passos largos com a valorização de profissionais de preparação de elenco. Pessoas como Sérgio Penna, Fátima Toledo e Chris Duvenport têm sido fundamentais na produção de atuações memoráveis em filmes como “Bicho de Sete Cabeças”, “Tropa de Elite” e no próprio “Cidade de Deus”. Até o Manual da Vida Brasileira dia desses dedicou matéria ao tema.
Fato é que, se as produções de baixo orçamento ainda penam para ganhar pleno domínio de técnicas básicas como fotografia, o que dizer da direção de atores, campo em larga medida ainda tido como esotérico num meio bastante dominado por diretores de origem mais técnica.
A maioria de nós jovens diretores ainda crê que basta dar uma ordem para que o ator produza uma performance. E, se a coisa não funciona, culpa do ator, que não nos escuta ou, pior, “que não sabe atuar pra câmera porque sua formação é de teatro”. Essa é uma bobagem que escuto com grande frequência.
É evidente que há diferenças grandes na mise-en-scene teatral e na do cinema, mas o ofício do ator continua o mesmo, isto é, se emocionar diante do público para contar uma história. A diferença entre uma arte e outra cabe ao diretor entender muito mais que ao ator.
Felizmente, há farta literatura sobre o tema, a começar pelos trabalhos seminais obrigatórios de Constantin Stanislavski.
Em língua inglesa, um dos melhores livros publicados sobre o tema é “Directing Actors”, de Judith Weston. Obrigatório. Vai para nossa “Biblioteca do Cineasta Digital”.
Estou traduzindo um dos melhores trechos do livro, em que a autora descreve, de maneira muito elucidativa, tudo aquilo que um diretor não deve fazer no trabalho com os atores. Em breve, devo postá-lo por aqui e no Olho de Vidro.

02/01/2008

Também quero ser quilombola!

pedro novaes, 5:57 pm
Filed under: meio ambiente,Política

Junto com votos de um feliz 2008 a todos os leitores e amigos, sugiro fortemente a leitura do artigo “Nossos Bantustões”, escrito por Fábio Olmos, em O Eco, de longe o melhor sítio de notícias sobre meio ambiente na Internet.
O texto desce merecidamente o cacete na reforma agrária clandestina que o governo Lula vem promovendo desde a mudança na regulamentação dos procedimentos de reconhecimento de remanescentes de quilombos no país. Como muitos devem saber, agora basta que uma comunidade se autodeclare “quilombola” para ter direito a território próprio. Não precisa ser gênio para imaginar os prejuízos e desrespeitos que vêm ocorrendo a áreas de proteção ambiental e aos direitos de proprietários.
Em tempo, eu não necessariamente concordo com os pontos de vista dele especificamente sobre o tema da relação entre populações locais e conservação da natureza. Meu documentário “Quando a Ecologia Chegou” trata do tema. Mas isso é outra discussão.
Esta história dos quilombos, como coloca o Fábio, seria mais uma enorme piada na comédia nacional, não fosse trágica de dois pontos de vista: o da conservação da natureza e o do acirramento do racismo e do etnicismo, promovido pelas políticas deste tal ministério da igualdade racial que acredita que racismo de negro com branco vale.
Sobre Reforma Agrária e meio ambiente, sugiro ainda a leitura do meu post “O Dia em que a democracia derrotou o MST”, contando os absurdos cometidos pelo MST no Litoral Norte do Paraná.
Para quem gostar do texto do Fábio, o Paulo já publicou aqui um outro artigo dele sobre as polêmicas e recém-leiloadas hidrelétricas do Rio Madeira.

29/12/2007

Top 10 Filmes Estrangeiros

pedro novaes, 5:00 am
Filed under: cinema

Scoop

Estes são os 10 melhores filmes estrangeiros a que assisti no cinema em 2007:

1 – Scoop – O Grande Furo, de Woddy Allen (EUA/Inglaterra);
2 – Notas sobre um Escândalo, de Richard Eyre (Inglaterra);
3 – Sonhos com Xangai, de Wang Xiaoshuai (China);
4 – Um Amor além do Muro, de Dominik Graf (Alemanha);
5 – Babel, de Alejandro González Iñarritu (EUA/México);
6 – Planeta Terror, de Robert Rodriguez (EUA);
7 – Pecados Íntimos, de Todd Field (EUA);
8 – Medos Privados em Lugares Públicos, de Alain Resnais (França)
9 – Ventos da Liberdade, de Ken Loach (Irlanda)
10 – A Vida Secreta das Palavras, de Isabel Coixet (Espanha)

28/12/2007

Low 3 Filmes Brasileiros

pedro novaes, 8:23 am
Filed under: cinema

Os três filmes brasileiros realmente ruins lançados em 2007. Há vários outros que não são muito bons, mas que também não merecem fazer parte de uma lista de “piores”. Estes três, entretanto, são hors-concours:

1 – Encontro com Milton Santos ou o Mundo Global Visto do Lado de Cá (veja o meu post aí abaixo sobre o Dr. Milton Santos);
2 – Os 12 Trabalhos;
3 – Proibido Proibir.

27/12/2007

Top 10 Filmes Brasileiros

pedro novaes, 4:27 pm
Filed under: cinema

Taí a lista mais importante do ano: meu ranking pessoal dos 10 melhores filmes brasileiros lançados este ano. Evidentemente que só se incluem os que eu vi, mas se eu eu não vi, não deve prestar.

1 – A Via Láctea, de Lina Chamie;
2 – Jogo de Cena, de Eduardo Coutinho;
3 – Mutum, de Sandra Kogut;
4 – Tropa de Elite, de José Padilha;
5 – Person, de Marina Person;
6 – Antonia, de Tata Amaral;
7 – Cão sem Dono, de Beto Brant;
8 – Maria Bethânia – Pedrinha de Aruanda, de Andrucha Waddington;
9 – Aboio, de Marilia Rocha;
10 – Santiago, de João Moreira Salles.

22/12/2007

Sentimentos Primitivos

pedro novaes, 3:05 pm
Filed under: Cotidiano

vivo

morto

Muito já se disse e escreveu por aí sobre a qualidade dos serviços prestados pelas operadoras telefônicas. Neste momento, estou há 30 minutos ao telefone com o SAC da Vivo tentando cancelar um serviço que não solicitei, e tudo o que posso invocar é a célebre frase do ex-deputado Roberto Jefferson (referindo-se então ao capo de tutti capi José Dirceu): “Colocam-me em contato com os meus sentimentos mais primitivos.”

PS: Acabei o post e continuo ao telefone com a atendente da Vivo. Ou seja, o sistema da WordPress é bem mais eficiente que o da maior operadora de celulares do Brasil!

21/12/2007

De volta à infância

pedro novaes, 5:00 am
Filed under: cinema

Depois do jantar, eu e a patroa fomos testar nossos recém-adquiridos conhecimentos no campo da maquiagem cênica. Pra primeira tentativa, até que não ficou ruim. O principal problema é que a base não é do tom da minha pele. Segundo, as pontas do corte têm que ficar mais agudas e menos arredondadas, e, por fim, a cor do sangue deve ser um pouco mais viva. De relance, até dá pra enganar.

A receita dos cortes está aqui.

Perdeu a cabeça!
Ahhh!
Bloood!

20/12/2007

O Poder da Atração do Fiofó

pedro novaes, 6:19 pm
Filed under: escritores,literatura,livros

Sexo Anal

Olhaí, eu falo e ocêis não m’iscuta.

Se depois eu fizer um filme desse livro e ficar famoso, não vão dizer que eu não avisei. Saiu a edição de bolso do Sexo Anal pela Os Viralata. São só 50 exemplares. Garanta o seu porque daqui a uns anos vai valer ouro. Além de tudo, um excelente presente pro Natal em família.



Página 2 de 21123...1020...Last »

Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








61 queries. 0,621 seconds. | Alguns direitos reservados.