Arquivo para a categoria "literatura"




08/07/2005

Casa do Sol

yuri vieira (SSi), 6:18 pm
Filed under: amigos,escritores,fotografia

Quem quiser conhecer a chácara da Hilda Hilst – vista pelos satélites que alimentam o Google Earth – vá até esta página e baixe o arquivo anexo ao thread. Claro, após executar o referido programa.

06/07/2005

Machado rejeitado

yuri vieira (SSi), 5:14 am
Filed under: escritores,especulativas,literatura

Segundo o Pedro Novaes, há cerca de dois anos a Folha de São Paulo (salvo engano) enviou, para publicação em coletâneas, um conto não muito conhecido do Machado de Assis, mas sob um nome falso, a diversas editoras. Foi recusado em todas. (Será que acharam o texto ruim? Ou será que o acharam muito… machadiano?)

28/06/2005

Zaratustra

yuri vieira (SSi), 1:17 am
Filed under: escritores,interiores,literatura,livros

Terminei de reler um livro para todos e para ninguém: Assim falava Zaratustra, de Friedrich Nietzsche. Desta vez, foi a tradução de Mário Ferreira dos Santos, com notas explicativas da simbólica nitzscheana. Eu diria que a leitura do Mário Ferreira é das mais luminosas – ele é fã do Nietzsche – mas sob uma ótica totalmente distinta das que costumamos ver por aí. A maioria vê o copo ou meio vazio ou toma o vazio pelo cheio. Mário Ferreira consegue ver com exatidão o copo cheio e aponta com real sabedoria onde o próprio Nietzsche demonstra confusão de conceitos: “Como Nietzsche pouco conhecia a Teologia escolástica, tinha do Deus dos cristãos uma visão falsa. A culpa não era dele, mas sim do seu século, ignorante da filosofia medieval (do que não isentamos o nosso), e que tinha da religião uma visão exotérica, que em parte a culpa cabe à mentalidade de sacristia de muitos crentes e muitos padres, que cooperam, desta forma, para que se faça do Deus cristão uma verdadeira caricatura, fácil, depois, para combater. Nietzsche desprezava os estudos escolásticos, como o fazem hoje muitos, que pensam haver ultrapassado a filosofia medieval e, no entanto, patinam nos velhos erros já refutados”. Mário Ferreira também escreveu, a respeito de Nietzsche, outro livro: “O Homem que Nasceu Póstumo“, que ainda não li. E não pensem que ele se limita a corrigir o pensador prussiano. Não. Ele o esclarece e purifica. “O meu amor à obra desse grande poeta e a minha lealdade para com o seu pensamento não me permitiram que procedesse de outro modo.”

23/06/2005

O Penitente

yuri vieira (SSi), 6:43 pm
Filed under: escritores,livros,Religião

Outro livro excelente, que li semana passada, foi O Penitente, de Isaac Bashevis Singer, Prêmio Nobel de 1978. Toda a trajetória de seu protagonista-narrador, com suas devidas críticas ao mundanismo e ao secularismo, fazem coro com os pensamentos de qualquer pessoa deste planeta que tenha a alma sã. Muito embora, assim como o próprio autor o confessa na introdução, eu tampouco concorde com a solução abraçada por ele, narrador. Alguém deveria lhe dizer: não odeie o mundo, não fuja dele, já foi feito o upgrade da Revelação…

Lovecraft

yuri vieira (SSi), 6:16 pm
Filed under: Games,literatura,livros

O livro O caso de Charles Dexter Ward, de H.P.Lovecraft, é de uma fina ironia narrativa. Para os adeptos do gênero horror, um prato cheio. Pensei que não iria curti-lo – já que hoje em dia vejo as coisas sobrenaturais de modo distinto – mas a forma com que o narrador de Lovecraft põe mil e um dados suspeitos diante de nossos olhos, deixando a nosso encargo as conclusões, chega a ser hilariante. Muito bom. Vale dizer que a história daria também um excelente video-game.

Hannah Arendt

yuri vieira (SSi), 5:33 pm
Filed under: escritores,livros,Política,Religião

Tenho um amigo – professor de filosofia e chefe do departamento de jornalismo de uma universidade – que sempre cita Hanna Arendt em nossas conversas sobre política. Cheguei a pensar, maldosamente, é claro, que ele não pensava com a própria cabeça, mas com a dela. Eu jamais poderia lhe dizer tal coisa, pois ele teria um leque de autores para me acusar de haver roubado o cérebro: Allan Watts, D.T.Suzuki, Spengler, Nietzsche, Goethe, Dostoiévski, Henry Miller, Pauwels e Bergier, Olavo de Carvalho, Fernando Pessoa, Hilda Hilst, etc. Poderia até me chamar de urantiano. Mas a questão é que, ao ler A Condição Humana, de Hannah Arendt, vou observando o que me chama a atenção e, de quebra, o que – pelas conversas que tivemos – parece ter chamado a atenção dele. (Mas isso é algo a ser discutido pessoalmente.) Por enquanto ressalto o que atraiu meu interesse:

“Sempre que a relevância do discurso entra em jogo, a questão torna-se política por definição, pois é o discurso que faz do homem um ser político.” (O que prova que, em nossas discussões, quando falávamos de política, cada qual entendia algo completamente distinto. Daí a necessidade de definir os conceitos previamente.)

“A condição humana não é o mesmo que a natureza humana, e a soma total das atividades e capacidades que correspondem à condição humana não contitui algo que se assemelhe à natureza humana.”

“(…) literatura de ficção científica, tão destituída de respeitabilidade (e à qual, infelizmente, ninguém deu até agora a atenção que merece como veículo dos sentimentos e desejos das massas.” (O que confirma a boa idéia que estou tentando levar adiante num livro que venho escrevendo.)

“(…) se temos uma natureza ou essência, então certamente só um deus pode conhecê-la e defini-la; e a condição prévia é que ele possa falar de um ‘quem’ como se fosse um ‘quê’.” (Daí eu concluo também que, se não adianta especular sobre o que é Deus, necessário é aceitá-Lo – como um quem – e lidarmos com Ele.)

“A mudança mais radical da condição humana que podemos imaginar seria uma emigração dos homens da Terra para algum outro planeta.” (Disso também já estou tratando…)

“A inversão hierárquica na era moderna tem em comum com a tradicional hierarquia a premissa de que a mesma preocupação humana central deve prevalecer em todas as atividades dos homens, posto que, sem um único princípio global, nenhuma ordem pode ser estabelecida. Tal premissa não é necessária nem axiomática; e o uso que dou à expressão vita activa pressupõe que a preocupação subjacente a todas as atividades não é a mesma preocupação central da vita contemplativa, como não lhe é superior nem inferior.” (Concordo. Mas devo dizer também que o único princípio global que nos une é aquele que chega por revelação – daí não ser axiomático – a saber, nossa filiação divina e conseqüente fraternidade humana, já que a fraternidade, sem paternidade, é impensável. Tampouco há paternidade impessoal e paz duradoura sem fraternidade. Logo…)

“A queda do Império Romano demonstrou claramente que nenhuma obra de mãos mortais pode ser imortal, e foi acompanhada pela promoção do evangelho cristão, que pregava uma vida individual eterna, à posição de religião exclusiva da humanidade ocidental. Juntas, ambas tornavam fútil e desnecessária qualquer busca de imortalidade terrena; e conseguiram tão bem transformar a vita activa e o bios politikos em servos da contemplação que nem mesmo a ascendência do secular na era moderna e a concomitante inversão da hierarquia tradicional entre ação e contemplação foram suficientes para fazer sair do oblívio a procura da imortalidade que, originalmente, fora a fonte e o centro da vita activa.” (Bem, a própria Hanna Arendt admite: Jesus não negava a ação e foi Paulo quem colocou a salvação como centro da doutrina. Aliás, o cristianismo não é a religião que Jesus, enquanto homem, seguia e ensinava. É o que dela restou. Quanto à dicotomia imortalidade/eternidade, Ernest Becker discorreu muito bem a respeito. Escrevi um artigo sobre o tema.)

17/06/2005

Prozac e Kierkegaard

yuri vieira (SSi), 7:19 pm
Filed under: Ciência,escritores

Enquanto vou lidando com minha depressão pós-perda-do-HD, eis um artigo dos mais interessantes: The Neurotic Artist: Romanticizing Depression. O autor, um psiquiatra norte-americano, expõe suas especulações que podem ser assim resumidas: e se Kierkegaard e Nietzsche tivessem tomado Prozac? O que teria rolado? Perderiam a criatividade, a clareza moral, a inspiração? A depressão é unha e carne com a personalidade criadora? É um aspecto indissociável do temperamento artístico? Por que não se critica também o tratamento de tuberculose, sífilis ou epilepsia enquanto inibidor de uma suposta criatividade associada a todas essas doenças? Confira.

Meu notebook

yuri vieira (SSi), 5:04 pm
Filed under: escritores,literatura,Mídia

Outro dia, li uma entrevista da Lygia Fagundes Telles, na qual ela confessava ter abandonado o computador, uma vez que este “comera o conto” que estava escrevendo. Ri comigo mesmo, “ah, essa geração dos anos 50…”. Para castigar minha empáfia, eu – que feito os construtores da Torre de Babel andei me vangloriando do meu conhecimento técnico – acabei por perder, esta semana, todo o disco rígido onde estavam diversos contos e três livros em andamento. Claro que, com a ajuda de e$peciali$ta$, irei recuperar ao menos meus arquivos de becape. Assim, engolindo em seco e assumindo uma certa humildade, resolvi deixar de lado meu Desktop e passarei a escrever o tal romance em meu novo Notebook. Veja a foto:
Meu notebook
Há algo de romântico em escrever assim. (Aliás, quase todo meu primeiro livro foi escrito num caderno espiral.) As mil e uma garatujas e rabiscos dão uma certa nostalgia e a sensação de que o caderno, digo, o netebook irá parar ao menos no museu dos meus futuros descendentes. “Olha só, coitado do biso, pensava que era escritor…”

16/06/2005

Marilene Felinto 2

yuri vieira (SSi), 10:16 pm
Filed under: escritores,Política

A velhinha de Taubaté existe, mas ainda não é velhinha e tampouco se mudou pra Taubaté: chama-se Marilene Felinto. A figura é tão obtusa que deve ser a única a realmente acreditar na suposta grandeza do governo Lula e do PT. Os demais fãs da estrela vermelha não crêem, apenas mentem para si mesmos, para os outros ou ambos. Aliás, conheci a Marilene Felinto quando ela acreditou que faria – segundo ouvimos lá na Casa do Sol – a “entrevista do século” com a Hilda Hilst. A Hilda, porém, como conhecia a fama da figura, encheu a sala de gente – eu inclusive – e deixou sua nobreza natural ali contrastando com a alma plebéia dessa futura velhinha de Taubaté. Não rolou entrevista do século coisíssima nenhuma. Como poderia? A Hilda não é pra qualquer bico…

Romance?

yuri vieira (SSi), 9:52 pm
Filed under: internet,literatura

Um certo Renato Pompeu está escrevendo um suposto romance eletrônico chamado O Poder Virtual. Leia algumas das entradas do blog – é isso o que o tal romance na verdade é – e me diga: onde está a literatura? Trata-se, na verdade, de um blog como outro qualquer (como este inclusive) a discorrer sobre sites e informações pescadas online. Só porque há o pretexto fictício de que é um louco internado quem navega na Internet rotula-se o tal weblog de romance. Muito engraçado. Imprima o que ali está em forma de brochura e veja se a leitura se sustenta. Duvido. Eu não sou um bom escritor, mas… puts, otário é a vovozinha.

14/06/2005

Alguns bons textos

yuri vieira (SSi), 11:28 am
Filed under: literatura,Religião

Não deixe de visitar o site de Eduardo Cândido com sua ótima seleção de textos literários, filosóficos e religiosos.

10/06/2005

Price Comparator

yuri vieira (SSi), 11:35 am
Filed under: livros,software

Parece coisa das Organizações Tabajara, mas a verdade é que realmente existe um Books Price Comparator 3.0. Com ele você pode verificar em quais livrarias online aquele livro desejado está mais barato. Ótimo para intelectuais nerds…

04/06/2005

Sugestão de livros

yuri vieira (SSi), 2:08 am
Filed under: este blog,livros

Agora você já pode acessar a seção “Sugestão de livros” deste site. Tencionei indicar apenas os livros que já li, mas decidi incluir também os que estou lendo e os que me foram sugeridos por pessoas cuja inteligência admiro, afinal, há um comissão em jogo aqui e o site precisa se auto-sustentar. (Os links remetem ao Submarino e à Livraria Cultura.) Os livros que já li contêm 5 estrelas no campo “avaliação”, independentemente da qualidade do livro, uma vez que há um problema desconhecido no sistema de classificação, sendo impossível dar quatro ou três estrelas. Tampouco encontrei nas livrarias online todos os livros que busquei, mas os que estão relacionados já são um bom começo. Incluirei textos de teatro assim que possível. (Shakespeare não pode faltar!) Em tempo: os livros não estão em ordem de preferência. Caso adquira algum livro, obrigado pelo apoio!!

20/05/2005

Crítico literário

yuri vieira (SSi), 2:54 pm
Filed under: literatura,Umbigo

O Sr. Jorge Recóndito é o único crítico literário a quem realmente dou ouvidos. Infelizmente, porque ele sempre me trava. Escrevo dois capítulos de um livro num dia, na manhã seguinte ele aparece, dá uma lida e decreta: “Tá uma merda!” E eu encosto o trabalho, começo outro. Aí, vem ele e “tá uma porcaria”. Dois meses depois, releio tudo e penso: “Pô, que filho-da-puta o Sr. Jorge Recóndito!! Eu tava indo super bem sim…” Por favor, Sr. Recóndito, largue do meu pé e vá brincar lá fora com seu amiguinho Mr. Hyde. Saco…

19/05/2005

Prêmio Camões

yuri vieira (SSi), 5:22 pm
Filed under: amigos,escritores,literatura

Como não sou um bom leitor de jornais, só fiquei sabendo que a Lygia Fagundes Telles ganhou o Prêmio Camões através do J.Toledo. E a Lygia merecia, não só por sua obra, mas por sua pessoa. E, claro, como quase todo escritor, por suas nece$$idades. São 100 mil Euros para aplacar, ao menos, seus problemas materiais. Do resto ela sabe tratar muito bem. Sim, Toledo, brindemos a ela!

17/05/2005

Ofélia e Narbal

yuri vieira (SSi), 2:01 am
Filed under: literatura,livros

Quando li Coração de Onça – eu devia ter uns treze ou quatorze anos – eu acreditava que “e Narbal Fontes” fosse o sobrenome da tal Ofélia. Anos depois, li um artigo (no próprio livro, talvez) dizendo que Narbal era o marido de Ofélia e que ambos escreviam a quatro mãos, em capítulos alternados. Isso me deixou impressionado, sobretudo pela coerência da narrativa e pela invariância do estilo. Coração… é um bom livro de aventuras que, não sei por que cargas d’água, ainda não foi adaptado para cinema. Aliás, ele é todo cinematográfico: um rapaz sofre uma desilusão amorosa, entra para uma Bandeira, adquire bócio, é ferido num ataque de índios, perde-se nos sertões do Brasil, vai parar em Potosi, no Peru, onde fica rico com as minas de prata. É a mesma história de Camões: por almejar riquezas visando atrair o amor de uma mulher, o cara se mete em mil e uma roubadas. (Fim da semelhança com Camões.) Ao retornar à sua cidade natal, vinte anos depois, encontra a mulher que ama casada e com filhos. Mas porém contudo todavia, ela tem uma filha linda – muito parecida a si própria quando jovem – com quem ele se envolve. Parece uma novela de TV. Tudo para ser um sucesso. Mas ninguém ainda se tocou… Só que não era bem isso o que eu queria dizer. Minha intenção era apenas falar que deve ser um êxtase escrever um livro a quatro mãos com a mulher amada. Bem, se a afinidade for total, claro. Vai saber se eles não saiam no tapa a cada página…



Page 20 of 31« First...10...192021...30...Last »

Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








69 queries. 0.747 seconds. | Alguns direitos reservados.