Arquivo para a categoria " Arte"




08/02/2008

World Press Photo

rodrigo fiume, 5:36 pm
Filed under: fotografia

world_press_photo_2008_f_001.jpg

Imagem de soldado norte-americano exausto, dentro de uma trincheira no Afeganistão. Fotografia do britânico Tim Hetherington para a revista “Vanity Fair” venceu a categoria principal do World Press Photo 2008 , o maior prêmio de reportagem fotográfica do mundo. Mais imagens premiadas aqui.

04/02/2008

Metrô — 5

rodrigo fiume, 1:53 am
Filed under: fotografia

metro-pb-5.jpg

Estação Sumaré, São Paulo

28/01/2008

Metrô — 4

rodrigo fiume, 1:33 am
Filed under: fotografia

metro-pb-4.jpg

Estação Clínicas, São Paulo

27/01/2008

Feriado

rodrigo fiume, 2:09 am
Filed under: Cotidiano,fotografia

Sexta à tarde, aniversário de São Paulo; Vila Madalena

26/01/2008

ESPELHO, um curta-metragem

yuri vieira, 4:58 pm
Filed under: cinema,Podcast e videos

Não havia divulgado este vídeo aqui porque ainda quero fazer alguns retoques no áudio, mas, vá lá, já que está no You Tube, por que não colocá-lo n’O Garganta também?

(Bom, sugiro a leitura prévia do texto que incluí na página do You Tube referente ao próprio. Nele você entenderá por que o “efeito espelho” se anula na Internet, além de outros detalhes, incluindo a ficha técnica, participação em festivais, etc.)

Boa sessão.

25/01/2008

Pato Banton em Jerusalém

yuri vieira, 9:09 pm
Filed under: música,Podcast e videos,Religião

Este é um vídeo do músico Pato Banton na casa do ativista religioso Eliyahu McLean, que costuma reunir representantes das mais diversas crenças em Jerusalém. Dedico-o ao irmão Bruno Costa que insiste em fazer comentários bobinhos neste blog…

21/01/2008

Metrô — 3

rodrigo fiume, 1:31 am
Filed under: fotografia

metro-pb-3.jpg

Estação Sumaré, São Paulo

18/01/2008

A Culpa é do diretor, parte II

pedro novaes, 3:52 pm
Filed under: cinema,livros

Tenho insistido que o maior problema de nossa cinematografia digital, e sobretudo dos curtas que são feitos no Brasil, está na precariedade da direção de atores e no pouco caso com um trabalho mais embasado de preparação de elenco e construção de personagens.
A verdade é que a maioria toma a função do diretor cinematográfico como algo simples e que qualquer um com uma boa idéia pode exercer. Afinal, trata-se meramente de definir enquadramentos e movimentos de câmera, e de dar ordens aos atores, não é verdade?
A função do diretor é dificí­lima. É preciso ser acrobata e conseguir manter dezenas de pratos girando ao mesmo tempo, com a diferença de que, no circo, se um prato cai, só ele se quebra, enquanto, no cinema, se o mesmo ocorre, todo o conjunto naufraga.
Uma má fotografia pode até sobreviver a um filme com ótimas atuações, mas um filme com excelente fotografia e performances ruins é um desastre. Sem atuações críveis, nada se sustenta.
Mas nada me parece mais difí­cil e delicado do que a direção dos atores. Primeiro, porque a direção é quase um casamento, depende de confiança absoluta. O diretor coloca seu bem mais precioso nas mãos do ator – o seu filme – e o ator tem que se abrir e jogar de cabeça no território das emoções, crendo que o diretor saberá guiá-lo neste lamaçal, rumo aos sentimentos corretos para uma boa atuação.
Segundo, porque dirigir atores demanda principalmente intuição e disposição para o risco e o mico. Tem pouco de intelectual e muito de tentativa e erro, de processo, de experiência. Nada nos ensina a fazê-lo, a não ser tentar.
Eu ainda me sinto quase absolutamente desarmado neste território. Ainda não sei fazer pouco mais que pedir resultados – o pior tipo de direção -, mas vou tentando perder o medo.
Apesar de que só a prá¡tica ensina, um pouco de teoria pode apontar o rumo certo e também nos fornecer o impulso de buscar. Daí­, como prometido, a tradução da introdução do livro de Judith Weston “Directing Actors”, um excelente começo sobre este tema.

Baixe o arquivo aqui

14/01/2008

Metrô — 2

rodrigo fiume, 1:22 am
Filed under: fotografia

metro-pb-2.jpg

Estação Consolação, São Paulo

11/01/2008

Como você interpreta?

daniel christino, 2:09 am
Filed under: Educação,especulativas,livros

Por conta do doutorado tornei-me uma máquina de ler e escrever. Nada a ver, infelizmente, com o mundo cotidiano. Embora meu tema seja o jornalismo, sua interpretação acadêmica afasta-se bastante do que ocorre no dia-a-dia da redação, embora nunca deixe a distância tornar-se intransponível, ou meu trabalho servirá apenas para calçar mesa.

Dentre as leituras obrigatórias para minha tese está Paul Ricoeur. Num texto sobre a relação entre hermenêutica e ciências sociais há uma passagem muito legal; motivo deste post.

Portanto, de acordo com certo ponto de vista, a hermenêutica é compreendida como a reconstrução de um significado endereçado a um intérprete na forma de uma mensagem. Este tipo de hermenêutica é animada pela fé, por uma predisposição para ouvir, e é caracterizada pelo respeito ao símbolo como forma de revelação do sagrado. De acordo com outro ponto de vista, porém, a hermenêutica pode ser compreendida como a desmistificação de um sentido apresentado pelo interprete sob a forma de um disfarce. Esta forma de hermenêutica é animada pela suspeita, por um ceticismo em relação ao dado, e é caracterizada pela desconfiança em relação ao símbolo, entendido como uma dissimulação do real.

As implicações desta distinção são muito interessantes. Denota não apenas uma diferença de método, mas de maneiras próprias – e até mesmo opostas – de encarar a atividade intelectual e a própria existência. Alguns de nós somos mais propensos a desconfiar, enquanto outros ouvem com maior “caridade”. Obviamente alternamos entre um e outro pólo dependendo do assunto. Não vejo como interpretar proposições políticas senão do segundo modo. Entretanto, não se pode, ao meu ver, entender arte senão do primeiro modo. Em todo caso, ao assumirmos qualquer das posições parecemos já ter escolhido a maneira como nos dispomos em relação ao assunto ou ao autor. Eu, do meu lado, costumo me fiar mais do que desconfiar. E vocês?

08/01/2008

Isaac Bashevis Singer

yuri vieira, 5:44 pm
Filed under: escritores,literatura,livros,Podcast e videos,Religião

Li meu segundo livro desse ganhador do Nobel de 1978, a coletânea de contos “Um amigo de Kafka”. Simplesmente nota dez! Isaac Bashevis Singer é uma prova de que talento, humor, imaginação e religiosidade podem se fundir num mesmo autor e mexer fundo com nossa cabeça. A genialidade desse cara, sublinhada por uma tensão dialética entre fé e despudor, deixaria o judeu “esclarecido” Woody Allen morrendo de inveja. Veja o que ele diz, em poucas palavras, durante seu discurso ao receber o Nobel, sobre o porquê de insistir em escrever numa língua quase morta, o iídiche.

07/01/2008

Dois docs políticos

pedro novaes, 7:00 pm
Filed under: cinema,Política

A amiga Carolina Paraguassu, diretora e produtora, finaliza seu doc Resistência.doc, sobre a trajetória política do governador goiano Mauro Borges. O trailer pode ser conferido aí acima e o material promete.

Além dele, o polêmico Guerrilha do Araguaia – As Faces Ocultas da História, dirigido pelo Eduardo Castro, terá sua versão televisiva exibida no próximo dia 27, às 21 horas, na TV Cultura, para todo o país. Veja também o trailer na tela acima.

Mova a câmera!

pedro novaes, 7:00 am
Filed under: cinema

Movimentos inesperados e surpreendentes de câmera, sobretudo planos sequência bem feitos, são um dos componentes fundamentais da magia do cinema. Aliás, aqui um belíssimo texto sobre grandes planos sequência com links para alguns deles no You Tube. Na tela acima, um excerto de Soy Cuba, de Mikael Kalatozov, uma pérola da produção comunista, com alguns dos mais espetaculares planos sequência já realizados (a história deste filme é retratada em “O Mamute Siberiano”, do brasileiro Vicente Ferraz).

Muitos de nós, jovem cineastas, entretanto, talvez influenciados por uma certa valorização do experimentalismo que confunde inovação estética com pobreza técnica e operação de câmera porca, parecemos achar que enquadramentos bizarros e câmeras tremidas a ponto de causar enjôo no espectador são coisas desejáveis em nossos filmes.

Talvez isso se deva também ao fato de acharmos que movimentos de câmera elaborados demandam necessariamente gruas, dollies e steadicams de milhares de reais. Na verdade, com criatividade e alguma habilidade manual, é possível improvisar movimentos de câmera que agregam enorme valor a nossos filmes, ou ainda construir equipamentos que fazem praticamente o mesmo que suas contrapartes caras.

Um exemplo disso é o Steadycam de 14 dólares, que qualquer um que saiba o endereço de uma ferragista pode construir em casa. O essencial é compreender o princípio de funcionamento de um steady, nada mais do que simplesmente fornecer um contrapeso à câmera, evitando que ela rotacione em seu eixo horizontal (em movimento indesejado de tilt). Vejam, por exemplo, este filme demonstrativo e comprovem a eficácia da traquitana.

Steady

Outra peça genial é o livro “Killer Camera Rigs that You Can Build”, que detalha projetos relativamente simples de gruas, braços e suportes para gravações em carros, entre outras peças, que revolucionarão seus filmes. Veja também que beleza os filmetes demonstrativos.

Metrô

rodrigo fiume, 1:19 am
Filed under: fotografia

metro-pb.jpg

Estação Consolação, São Paulo

06/01/2008

Salvador

rodrigo fiume, 3:56 pm
Filed under: fotografia

bonfim.jpg

Salvador, no fim de ano. Clique na foto

05/01/2008

Scorsese, Hitchcock, Stones

pedro novaes, 7:34 pm
Filed under: cinema,música

MS

Simplesmente genial o filme-homenagem a Hitchcock e peça de propaganda do espumante Freixenet feito por Martin Scorsese: “The Key to Reserva”. Ele pode ser conferido aqui. É um exemplo de sacada genial de publicidade e efetivamente um belíssimo e divertido curta-metragem. Uma pequena aula de cinema.

Agora, ficamos ansiosamente aguardando a estréia de seu doc “Rolling Stones – Shine a Light”, sobre a grande banda, com estréia mundial marcada para 4 de abril.

UPDATE: Atenção, no filme da Freixenet, em 01m08s, para a foto de Glauber Rocha no momento em que Scorsese abre a caixa com o roteiro. Muito bem observado pelo Daniel. A mesma foto pode ser vista aqui.



Page 10 of 71« First...91011...2030...Last »

Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








71 queries. 1.019 seconds. | Alguns direitos reservados.