O Garganta de Fogo

blog do escritor yuri vieira e convidados…

Categoria: Cotidiano Page 10 of 58

Algumas verdades inconvenientes

1) Sim, Hollywood ficou toda prosa com o filme do Al Gore. Contudo, ninguém me tira da cabeça que o cinema americano – com suas enormes explosões, incêndios e tiroteios – é responsável por pelo menos 50% do efeito estufa. O que quer dizer que, se não fosse o cinema deles, a Terra seria mais fresquinha. Sacou? Sem os filmes do Rambo, do governador Schwarzenegger e, sei lá, sem os filmes sobre a guerra do Vietnã, seria possível até mesmo nevar aqui no Centro Oeste. (Na fazenda da minha saudosa avó materna, geava. O tempo passou, a véia morreu e não geia mais.)

2) O Jornal Nacional mostra uma reportagem falando coisas terríveis sobre a poluição dos rios e a porcaria que são as tais garrafas plásticas e demais dejetos não-degradáveis encontrados em meio à natureza. (São mesmo, principalmente quando muito distantes da possibilidade de serem recolhidos e reciclados.) Em sua locução, a Fátima Bernardes faz a mesma cara de quando o Brasil perde um jogo na Copa, aquele olhar de amiga de defunto recém empacotado. Intervalo comercial: Coca-cola, guaranás x, y, e z. Todos em garrafas PET. Volta o jornal e aparece o William Bonner todo sorridente mostrando uma apreensão de toneladas e toneladas reluzentes de CDs e DVDs piratas sendo esmigalhadas por tratores ou seja lá o que for aquele monstro de ferro e aço. O pátio da polícia federal fica repleto de pequenas montanhas de lixo plástico e… alumínio? Não sei. Sei apenas que não falam nada a respeito do destino de tanto lixo. Por que não? Meu Deus! Por que nããão? À noite, a cabeça cheia de circunferências metálicas de brilhos iriados, os olhos teimam em arregalar-se. Tento dormir. Não consigo.

3) Prosseguindo minha pesquisa no Google, volto a encontrar vários sites se referindo ao aquecimento do próprio Sol. (Sim, basta digitar “solar warming“.) Isso me deixa preocupadíssimo, afinal ninguém parece dar atenção ao tema, o Al Gore não passa nem triscando nele, e o Sol impávido segue sua órbita ao redor do centro da Via Láctea, um colosso a ignorar nossos temores. Porra, penso, cadê a ONU? Alguém precisa multar o responsável pelo Sol, ameaçá-lo com uma comissão de astrônomos e, por que não?, de astrólogos. Caso o Sol prossiga com sua maldade, seria necessário enviar os capacetes azuis para tomá-lo de assalto, invadi-lo e fincar lá a bandeira das Nações Unidas. Hmmm. Sim, sim. É fato, os sacanas dos americanos certamente não cederão os foguetes da NASA. The bastards! Será preciso recorrer à Rússia, um povo muito mais racional…

4) Hugo Chávez acusa os futuros produtores de etanol de roubar terras necessárias à agricultura de alimentação, mas não se dá conta de que, segundo aquele pessoal da ONU que o convidou para xingar o Bush de diabo lá em Nova Iorque, o aquecimento global – responsável pela tal desertificação e pelo desarranjo climático destruidor das hortas das velhinhas camponesas de todo o mundo – é supostamente causado pela queima do petróleo que sustenta seu governo corrupto. Ou será que ele já tem a confirmação de que a culpa é apenas do Sol?

Negros e Orientais

Os orientais são minoria no Brasil. Estigmatizamos os orientais, dizendo que eles são CDF´s e têm pau pequeno, assim como estigmatizamos os negros, dizendo que eles só pensam em pagode, funk e futebol. Muitas mulheres brancas não querem se casar com orientais, assim como muitas não querem se casar com negros. Chamamos o oriental da turma de “japa” ou “china”, assim como chamamos o negro da turma de “negão” ou “neguinho”. Nunca vejo atores orientais em posição de patrão e vencedor. O oriental das novelas e dos filmes é sempre um técnico de computador.

E por acaso os orientais ficam reclamando disso? Por acaso eles pedem política de cotas e reformulação do vocabulário? Eles simplesmente estudam, conquistam vagas nas melhores universidades, trabalham, ganham dinheiro, conquistam bons empregos. Você já viu algum oriental dizendo que as escolas públicas deviam ensinar História do Império Chinês, ou a técnica do bonsai, porque são parte da cultura oriental?

Pois é…

Caldas…

caldas.jpg

Gostei do desenho…

Negócio da China 2

Já havia comentado neste blog a respeito de certa tática sui generis dos capitalistas chineses. Semana passada, tomei conhecimento de outra. Amigos recém chegados da França e da Espanha trouxeram a confirmação de algo que já tinha ouvido por alto aqui no Brasil. É o seguinte: um cidadão chinês vem ao nosso paiseco – ou à França ou à Espanha ou a sei lá qual buraco deste mundo – encontra um imóvel numa área adequada para instalar um comércio e, então, cheio de “boas” intenções, entra em contato com o governo de seu país. (Lembre-se: o capitalismo chinês é do pior tipo, um capitalismo de Estado. E, sendo a China comunista, nem é preciso esclarecer uma vez mais este ponto: ao contrário do socialismo, o capitalismo é menos um sistema que um instrumento. Ou ainda: é menos um sistema operacional que um mero sofware. Sacou a analogia?) Enfim, ele recebe do governo chinês a verba necessária para adquirir o imóvel e iniciar uma empresa. Em outras palavras: ele se torna apenas um pau mandado daquele governo. E sua contrapartida não é senão o compromisso de vender apenas produtos fabricados e importados da China…

Se as pessoas se chateavam tanto com o capitalismo americano e europeu – que ao menos trazia a indústria para cá, fornecendo-nos empregos e retirando tão somente parte dos lucros (merecido, vale dizer) – agora sim irão ver o que que é bom para a tosse. E pensar que Spengler previu tudo isso em seu livro “O homem e a técnica”, publicado em 1931…

O que move o movimento?

Vocês já matutaram sobre a expressão “movimento estudantil”? Pois é. A primeira coisa que me vem à cabeça é a seguinte pergunta: para onde? Já que se move, em qual direção vai? Nos últimos anos tem ido da esquerda para a esquerda, ou seja, não sai do lugar. Segunda coisa: se há movimento, então algo se move, logo, o que está se movendo? O estudante? Só se for para sair de casa e invadir reitorias ou, num passado não tão distante, jogar pedra em presidente. Enfim, será que ainda podemos atribuir a esta expressão algum sentido? Eu acho que sim.

Ler mais

Telefones clonados e Oriente Médio

Minha irmã, que por mais de cinco anos trabalhou para a Embratel e depois para a Brasil Telecom, me disse que a quase totalidade das ligações feitas por telefones clonados se dirige ao Oriente Médio, principalmente à Arábia Saudita, ao Iraque, à Líbia, aos Emirados Árabes e ao Líbano. “Havia listas e listas com essas ligações”, contou-me ela. Grande parte dessas clonagens são feitas por presidiários a partir de celulares e de suas “centrais telefônicas” piratas. Num belo dia, você abre sua conta telefônica e percebe que alguém fez uma ligação para um desses países que lhe custou a bagatela de R$1500, R$2000 ou R$3000… Peraí! Sobre o que essa gente tanto conversa? Petróleo? Maomé? Aviões?… As únicas ligações clonadas que tinham destino certo eram as realizadas para Lichtenstein, na Alemanha: um serviço de sexo por telefone. Bem, não creio ser essa a especialidade do Oriente Médio…

Orkut pra cachorro

tnd_logo.gif

A mulherzinha da Câmara

As mulheres são mesquinhas por natureza. Elas se ofendem facilmente, levam tudo para o lado pessoal. Não conseguem entender nada de um ponto de vista impessoal, estão a quilômetros de entender o que seja o universal. E como a lei tende à universalidade, por natureza, é inútil discutir leis com uma mulher. Mais inútil ainda é permitir que uma mulher seja legisladora. Isso é enganar o povo, e a elas mesmas.

Elas nasceram para avaliar uma questão, qualquer que seja, do ponto de vista de suas implicações particulares, nunca do ponto de vista de seu alcance universal.

Confiram:

No vídeo você vê claramente que a mulher está tendo uma crise de nervos. Alguém capaz de se ofender assim por causa de um mero juízo estético não passa de uma neurótica. E esse tipo de gente acha que tem maturidade para legislar.

A vida cotidiana na Venezuela

Para você saber o que realmente está acontecendo na Venezuela

Sí­lvia Pfeiffer, da Aeromí­dia

Fiquei umas duas ou três semanas envolvido com a pré-produção do meu curta-metragem, o que me afastou das notícias quentes de última hora, e acabei postergando a alimentação do meu perene estado de espanto. O Brasil não é – como diz o José Simão – o país da piada pronta, mas o país do senso moral inexistente. O que me assusta não são essas novas revelações, mas a total atonia da sociedade perante tudo o que vem rolando… morro abaixo. Talvez seja esta a técnica de esquiva utilizada por esse governo corruPTo: “aumente os impostos, deixe todos muito ocupados a nos bancar, trabalhando de sol a sol, e eles sequer terão tempo para se inteirar do que vem ocorrendo”.

As denúncias da empresária Sílvia Pfeiffer envolvem amigos do Lula (Valter Sâmara), a secretária do Lula (Mônica), os petistas de sempre (José Dirceu, Marcos Valério, Duda Mendonça, etc.), toda a diretoria da INFRAERO (Eleuza Therezinha Lopes, Eurico José Bernardo Loyo, Fernando Brendaglia, etc.), o ex-presidente da INFRAERO (Carlos Wilson), o Ministro da Agricultura (Reinhold Stephanes), o ex-prefeito de Curitiba (Cássio Taniguchi), empreiteiros, arquitetos, publicitários, deputados, etc., etc. Todos metidos num daqueles esquemas de corrupção, Caixa 2, desvio de divisas e obscenidades do gênero, que, segundo ela, ainda estão em funcionamento. Ô país podre, é de dar nojo. Fica cada vez mais fácil discernir que tipo de literatura esse paiseco precisa.

A matéria é da revista Isto É #1956 e a entrevista pode ser lida aqui. Se preferir, baixe o arquivo em doc.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén