O Garganta de Fogo

blog do escritor yuri vieira e convidados…

Categoria: Cotidiano Page 36 of 58

Dinossauros!

Você tem uma câmera digital? E um toca-mp3? Sabia que eles poderão ser extintos?

Ler mais

Liberdade?

Ele tem flertado com a mediocridade. Passeios no shopping, sexozinho nos fins de semana, e sono, muito sono. Logo estará vendo televisão. Tudo por causa de — vocês sabem — uma dessas mulheres de ancas largas e gestos delicados. Ela já sabe os nomes que vai dar aos filhos. Ele ainda quer escrever um livro. Mas alguma coisa no seu corpo, algo além da queda de cabelos, vai conciliando o futuro com uma gravata e uma carteira assinada. Os sonhos que restam vão morrendo a cada orgasmo. Aos poucos ele vai descobrindo que nunca quis ser livre. Queria apenas alguém com quem dividir a cela. As mesmas paredes que antes o oprimiam formam agora um refúgio contra a desordem cansativa do mundo. E desde que a doce morena permaneça ali dentro, desde que ela o envolva nos seus braços quentes e macios, desde que ela sorria brancura e morda prazer, aquele espaço exíguo não será mais uma prisão, mas simplesmente o seu lar. Para que ser livre, se a busca terminou? Uma mulher para dividir a cama, uma janela para olhar as estrelas, uma madrugada para escrever versos medíocres, eis a súbita descoberta: tudo isso é muito melhor que a liberdade.

De lupo et cane

Acalorada discussão tomou conta do fim-do-mundo nessas últimas semanas! “Você é contra ou a favor do microchip compulsório em todos os cachorros da Nova Zelândia?”, é a pergunta do momento!

Além das despesas enormes com comida, vacinas e veterinários, os donos de cachorros ainda desembolsam cerca de NZ$ 50,00 (uns 67 reais) anuais com a licença para seus “melhores amigos” (o sentido da expressão é quase literal por aqui!).

O problema começou depois que uma menina de sete anos foi violentamente atacada em 2003 e o Governo instituiu o uso compulsório de microchip para monitorar todos os cães da Nova Zelândia. Assim, todos os animais registrados a partir de julho deste ano deverão ser microchipados (desculpem-me, mas não resisti ao termo novo!), a um custo extra de NZ$45,00 (60 reais). Mas, tirando as sérias restrições observadas pelos representantes dos direitos dos animais, qual o problema disso?

Ler mais

Morreu Stanislaw Lem

Morreu o escritor Stanislaw Lem, autor de Solaris, adaptado para o cinema primeiro por Andrei Tarkovski e mais tarde por Steven Soderbergh. (Passei a bola pro Paulo, que leu Solaris, mas como ele não escreveu nada…)

Bird Flu

A neblina e a chuvinha fria atrapalha chegar até a caixa do correio. Droga, jornal, carta, tudo molhado! E não veio nada do Brasil…Raios duplos!

Já com um café na mão, chama minha atenção um envelope verde com letras púrpura gritando “Getting ready for a flu pandemic”!! Já ia jogar na pilha de spam quando vi o timbre do Ministério da Saúde. Hum, melhor abrir!

Dentro do envelope, uma adesivo de geladeira com telefones úteis, um folheto explicativo muito colorido e uma carta polida, discreta, mas muito direta do Diretor de Saúde Pública.

No panfleto, explicações sobre o que é uma “influenza pandemic”; porque o vírus H5N1 pode representar perigo para os humanos; como fazer seu “plano de emergência”! Coisa engraçada isso! Não, não é risível a preparação para uma catástrofe, me intrigou a forma quase “familiar” com que tratam os desastres por aqui. Ah, e tudo em muitas cores e desenhinhos!

Ler mais

Tina Bell Vance


Nada mais a fazer num domingo de inverno no fim-do-mundo que vagar pela internet. Foi assim que descobri a Tina Bell Vance, uma americana meio funesta, mas terrivelmente criativa! As suas fotos e imagens digitalizadas são de uma tristeza tão “atraente”! Observo atentamente uma a uma – coisa difícil para alguém tão dispersa como eu, ainda mais quando olha para uma tela de computador!

Tudo bem! Num dia quente e ensolarado do Planalto Central do Brasil talvez não ofereçam tanto “perigo” aos olhos, mas hoje, aqui, essas figuras fazem todo sentido…

Sobre abortos, almoços e escolhas

Nunca tive em meu ventre nada mais importante que meu almoço.

Pouco tempo atrás, no Estadão, a editoria em que eu trabalhava publicava os temas relacionados ao aborto. Sem exceção, toda reportagem era seguida de cartas e e-mails. O leitor padrão do jornal não é exatamente liberal em relação a comportamentos. Ou seja, as cartas normalmente criticavam a cobertura ou apenas o fato de se dar espaço ao tema.

A editoria era composta por maioria de mulheres. Grandes mulheres, ótimas profissionais. Mas, mesmo na busca utópica pelo debate igualitário (e a maioria o procurava), a cobertura tendia para certo lado, inconscientemente ou não — não sou tão ingênuo; já tive de podar asinhas de repórteres.

O fato é que essa história do almoço me incomodava. Melhor: me incomoda. O que diabos eu sei?

Ler mais

O Estado ágil ou Esses cornos do inferno

Em janeiro, fiz um trabalho para o Governo. Não, uma macumba não. Escrevi um texto de 180 páginas para um processo de discussão. Evidentemente, como seria de se esperar, ainda não vi um centavo do merecido pagamento e sei que mais alguns meses se passarão antes que eu receba qualquer coisa. Sem contar a possibilidade real de não receber nada, em se tratando de ano eleitoral e de muitas mudanças nos cargos de comando que acontecerão doravante. Há alguma probabilidade de que um neo-poderoso olhe com escárnio para os valores e o propósito e engavete meu processo. Mais ainda, para receber preciso provindeciar nada menos que 15 documentos, entre eles seis certidões diferentes, o que me tem consumido boa fatia de tempo há algumas semanas. Tudo isso para, no final, o Palocci ainda ficar com um quinto do que ganhei.

Ler mais

anencéfalos & índios nazistas

Nãonãonão… Vamos esclarecer as coisas… Lá vem você com a alma e o nazismo… Eu já disse: ser a favor ou contra o aborto é uma coisa, a favor ou contra a legalização é outra! A questâo nâo é um ponto de vista pessoal sobre o aborto em si mas de ter a liberdade de escolher! Essa controvérsia se o camarão tem alma ou não deveria surgir no meio de uma discussâo sobre a legislaçâo… cadê a divisâo entre estado e igreja? Quero a liberdade de ser ateu, de acreditar que nem eu,nem o camarâo, nem o respeitàvel pùblico, ninguém tem alma!

A questão é de saúde pública! Vamos continuar tapando o sol com peneira, apoiando a utilização de agulhas de tricô pra livrar as mães recalcitrantes dos fetos indesejados ou vamos estabelecer uma estrutura médico-legal pra tratar o problema? Afinal, o aborto não vai parar de existir porque a gente proíbe ele, ou porque a gente decide que feto tem alma. Temos que encarar essa questâo sériamente e de uma vez por todas!

Ler mais

Eu curto trance

Já que o Paulo assumiu que é liberal democrata e o Pedro que é flamenguista, eu também assumo: sou raver, eu curto mesmo é trance, psytrance, goatrance et cetera et al. Podem perguntar ao Bruno Tolentino, que também morou lá na Hilda Hilst. Ele ficava louco com os meus CDs. Aliás, fui à minha primeira rave em 1996, em Maresias-SP, quando então conheci e fiz amizade com o DJ Rica Amaral (organizador da XXXperience, na época ainda um odontólogo que implantava diamantes nos dentes das menininhas), sou bróder do DJ Swarup de Brasília, cruzei mil vezes com o sitarista Alberto Marsicano, com o Edgard Scandurra (aliás, já dormimos um ao lado do outro – ele com a namorada dele, eu com a minha, claro – numa casa de praia mutcho loca), sem falar nos meus bróders Dante, que fotografou ene raves, André e Lisa Ismael, da Rave On. De lá pra cá já fui a montes de raves, talvez umas quarenta (umas 30 só entre 96 e 98), o que é pouco se vc distribuir a diferença pelos últimos sete anos. (Na verdade, faz uns dois anos que não vou a uma festa dessas, neguinho perdeu o rumo da brincadeira, a coisa literalmente vulgarizou. Boas raves são essas para 200, 300, no máximo 800 pessoas. Boas eram as raves “secretas”, apenas para os iniciados. Mas ainda voltarei.) Enfim, se para meditar eu ouço Bach, Maller, Sainte-Colombe, Villa-Lobos, Ravi Shankar e Miles, eu só consigo escrever mesmo é com trance, esse som que abre um túnel a partir do terceiro olho, estendendo todo um caminho a ser percorrido em direção ao infinito. Pronto, confessei!

Como amostra, eis uma mixagem que fiz no Audacity de duas músicas que costumo ouvir ao escrever (se não estiver escrevendo, dance, isto não é música de se ouvir parado):

    [audio:http://audio.karaloka.net/audio/para_escrever.mp3]

Sobre raves leia ainda este post.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén