O Garganta de Fogo

blog do escritor yuri vieira e convidados…

Categoria: Humor Page 3 of 24

A ciência avança

Esta notícia vem direto do blog do Pedro Doria. Ao que parece, alguns cientistas gays conseguiram isolar o gene da cristandade (positivamente associado ao sentimento religioso universal). As repercussões podem ser devastadores para os cristãos de todo o mundo. Confiram.

Use as drogas certas, bicho.

Quer ser o centro das atenções ao decifrar um complicado teorema matemático entre um gole e outro de cerveja? Entender completamente as letras do Djavan? Não foi, entretanto, favorecido com uma estrutura genética apropriada para a inteligência? Não tema. Se os antidepressivos são uma farsa, as drogas cognitivas chegaram para ajudar a realizar o sonho de todo grande jogador de futebol. Chega de se alienar com mulheres, fama e dinheiro. De agora em diante, apenas matemática, computadores e Star Wars. Viva a vida intensamente.

Mas antes, um aviso: “Cérebro + drogas = ovos fritos! Nem sempre. Algumas pílulas podem incrementar sua performance cognitiva. Mas nós aqui do Garganta não somos médicos. Qualquer um que tome uma batelada de remédios baseado em nossos palpites só pode estar chapado”.

Aqui o link para a deliciosamente bem-humorada matéria da Wired.

Falando em milagres

Já que o Ronaldo resolveu falar sobre milagres – com seriedade, diga-se – deixo aqui minha contribuição nada séria.

Isso é que é milagre, né não?

Isso é que é milagre.

Corrupção e ignorância

Parece um título da Jane Austen. Mas acho que se aplica a este vídeo aqui, o qual só não é mais engraçado porque já conhecia o drama real do coitado do apresentador.

Os cartões do Füher de Brasília

Este vídeo, que flagra Lula recebendo as notícias sobre o escândalo dos cartões corporativos, está tão engraçado quanto aquele sobre o Xbox

Beque no porão

?

calvin.JPG

Comunicação

A graça está no fim do texto. Do Locutório, por Simone Iwasso

Isso porque a empresa é de comunicação…

O repórter recorre à secretária: faz mais de um dia que meu celular do jornal não dá sinal. Tem como trocar o aparelho? Precisa ver com o setor lá de baixo que cuida dos equipamentos. Vejo isso pra você, ela responde. Vai, volta e dá o recado: a responsável falou que é pra você tirar o chip e a bateria e ligar de novo. Já fiz isso, argumenta. Aproveita que alguém ia para o mesmo local e pede para dar o recado à tal responsável. A pessoa vai, volta e solta: olha, ela disse que é pra tirar o chip e a bateria e ligar de novo. Já sem paciência, liga ele mesmo. Ela, meio crédula, fala então deve ser então algum problema com a operadora.

O dia passa e nada. Na outra tarde. Tenta de novo com a secretária. Tem de comprar outro então, diz. E quanto tempo isso demora? Ah, um mês mais ou menos, precisa fazer o pedido, esperar aprovação para depois fazer a compra. E o que eu faço enquanto isso? Posso pegar outro celular da editoria? Não, não pode. Por que não? Porque não pode. Irritado, vai procurar o editor no dia seguinte. Por fim, consegue usar outro que estava sobrando.

Ao colocar o chip e finalmente voltar a ter acesso à sua linha, checa mensagens e recados acumulados. Entre coisas pessoais e profissionais, retornos de entrevistas, aparece três mensagens de voz da responsável do setor lá de baixo. Na primeira, ela dá o retorno: estamos verificando com a operadora se o problema é do aparelho ou da linha. Na segunda, ela comunica que não há nada de errado com a linha e então deve ser do aparelho. Na terceira ligação, com voz ofendida pela falta de retorno, ela pede, por favor, para que ele retorne e assim eles vejam o que é possível fazer.

É surreal, mas aconteceu com um amigo.
Escrevi, com autorização, porque fazia parte da série crônicas prontas da vida real.

Ambiente de trabalho

imagem173.jpg

Estampa de camiseta de um redator

A libido é uma caçadora solitária

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén