O Garganta de Fogo

blog do escritor yuri vieira e convidados…

Mês: agosto 2008 Page 1 of 4

A alma e a dança

Erixímaco

– Observei há tempo isto: tudo o que penetra no homem se comporta logo em seguida como apraz aos destinos. Dir-se-ia que o istmo da garganta é o umbral de necessidades caprichosas e do mistério organizado. Ali, cessa a vontade, e o império certo do conhecimento. Eis porque renunciei, no exercício de minha arte, a todas essas drogas inconstantes que o comum dos médicos impõe à diversidade de seus doentes; e atenho-me estritamente ao uso de remédios evidentes, conjugados um contra o outro segundo sua natureza.

Sócrates

– Que remédios?

Erixímaco

– Há oito: o quente, o frio; a abstinência e seu contrário; o ar e a água; o repouso e o movimento. É tudo.

Sócrates

– Mas para a alma só há dois, Erixímaco.

Fedro

– Quais então?

Sócrates

– A verdade e a mentira.

Fedro

– Como assim?

Sócrates

– Não se comportam entre eles como a vigília e o sono? Não procuras o despertar e a nitidez da luz, quando um mau sonho te atormenta? Não nos ressuscita o sol em pessoa, e não nos fortifica a presença de corpos sólidos? – Mas, em contrapartida, não é o sono e aos sonhos que pedimos que dissolvam as aflições e que suspendam as dores que nos agrilhoam no mundo do dia? E, assim, fugimos de um para o outro, invocando o dia no meio da noite; implorando, ao contrário, as trevas enquanto temos luz; ansiosos de saber, felizes demais por ignorar, procuramos, no que é, um remédio ao que não é; e no que não é, um alívio para o que é. Ora o real, ora a ilusão nos recolhe; e a alma, em definitivo, não tem outros meios exceto o verdadeiro, que é sua arma – e a mentira, sua armadura.

Paul Valéry

Otto Lara Resende entrevista Nelson Rodrigues

Primeira parte:

Segunda parte:

Ler mais

O Rolex e o Celular

Digamos, por motivos de pura ironia, que seu nome era Christian, uma vez que se mostrou tão irritado — em outra conversa velha de um ano, que agora não vem ao caso — ao tratar das “desprezíveis” raízes cristãs (the christian roots) do Ocidente. Christian, um diretor de cinema brasileiro, basicamente de curtas-metragens, me foi apresentando como sendo curador de um relevante festival de cinema do Rio de Janeiro. “Não se preocupe”, me disse, “pelo que ouvi falar a respeito do seu filme, com certeza irei gostar muito”. Eu não estava preocupado, mas quis saber o que ele ouvira. “Ué, bróder, me disseram que o filme era uma porrada no estômago. Fiquei curioso. Se eu curtir, ele poderá ser selecionado pro meu festival.” Estávamos na festa de encerramento de mais uma edição da Goiânia Mostra Curtas, taças de vinho à mão, enquanto, ao nosso lado, uma fila se formava para o bufê que já começara a ser servido. Era noite e o pátio da Secretaria de Cultura estava abarrotado de cineastas, atores, políticos, empresários e culturetes em geral, todos muito satisfeitos em participar de um evento do gênero. Era como se uma atmosfera cosmopolitana tivesse subitamente descido sobre a cidade. Nada como testemunhar que o cinema goiano, em particular, e o brasileiro, em geral, parecia ter finalmente tomado impulso — muito embora não se soubesse exatamente em qual direção…

O rega-bofes patrocinado involuntariamente pelo contribuinte seguia seu curso, enquanto eu, Christian e o também cineasta João Novaes prosseguíamos rindo e conversando sobre temas diversos. A certa altura, lembrando-me da polêmica recente a respeito do sucesso do longa “Tropa de Elite”, decidi indagar:

“E aí, Christian, você gostou do Tropa de Elite? Seria interessante saber de um cineasta carioca se o filme afinal é fiel ou não à realidade.”

O cara mudou de cor instantaneamente, ficou branco, em seguida vermelho, então franziu o cenho e começou a disparar mil petardos contra o filme. Falava na velocidade de uma metralhadora, uma dessas que os traficantes costumam usar nos morros. Mais baixo que eu, Christian às vezes me olhava por cima dos óculos, o que tornava suas sobrancelhas mais ameaçadoramente expressivas. Dizia que o “Tropa” era o filme mais mentiroso e ridículo de todos os tempos, uma enganação com DNA hollywoodiano à qual apenas a massa estúpida poderia dar algum crédito.

“Acho que então faço parte da ‘massa estúpida'”, comentei, “porque achei o filme excelente.”

Ler mais

Lablogatório

Moçada, reativei meu blog particular com ênfase em ciência. Sempre gostei do tema e pretendo escrever mais sobre isso. Também estou contribuindo esporadicamente para o portal Lablogatórios, dos cientistas e acadêmicos Carlos Hotta e Átila Iamarino, na aba Tubo de Ensaio. A iniciativa é pioneira na divulgação científica na Internet e a interação entre os blogueiros promete ser intensa e profícua. Não deixo, contudo, de postar aqui no Garganta.

A mesma praça, o mesmo banco…

Inicia-se, na Colômbia, uma discussão idêntica a que se deu no Brasil em 2004. São os mesmos argumentos, o mesmo tipo de estatatísticas e as mesmas leis propostas. Tudo, claro, com padrão Onu de qualidade.

Sin embargo, existe un alto porcentaje de armamento que circula en el mercado negro y con el que se comete el 85 por ciento de los homicidios y atracos en Colombia. Solo en Bogotá, el 62 por ciento de los homicidios son cometidos con armas.

El representante Nicolás Uribe, de la U, señaló ayer que el desarme legal no es hoy la prioridad, “porque las armas con las que se cometen los delitos en Bogotá son, en un 94 por ciento, ilegales”.

Según Jorge Restrepo, director del Centro de Recursos para Análisis de Conflictos, no hay un arma segura, cualquiera sea el motivo de su uso.

(…)

“Colombia tiene un problema serio por violencia con armas de fuego -señala Restrepo- y las que estaban amparadas legalmente y a las que la Superintendencia de Vigilancia les canceló la licencia, no se sabe en verdad dónde fueron a parar”.

En el 2007 se registraron 17.508 homicidios en el país, de los cuales el 80 por ciento se cometió con un arma de fuego.

Hasta el 2006, el estimado de armas legales e ilegales en Colombia oscilaba entre 2,3 y 3,9 millones de armas. Para el 2007 se calculó un aproximado de 710 mil armas con permiso de porte o tenencia.

51 por ciento de los hurtos a personas en Bogotá se comete utilizando un arma de fuego, según cifras divulgadas por la Alcaldía Mayor.

Obamistas do Brasil, uni-vos!

Seis candidatos inscritos como ‘Obama’ disputarán elecciones brasileñas

De los candidatos que aprovechan la fama del senador estadounidense, uno aspira a la alcaldía de Belford Roxo, en el estado de Río de Janeiro y el resto se postuló al Concejo de otros municipios.

Los aspirantes a las elecciones municipales de octubre próximo en Brasil se inscribieron con el nombre de ‘Obama’, en una clara referencia al candidato del Partido Demócrata a la presidencia de Estados Unidos Barack Obama, según datos del tribunal electoral citados por el diario O Globo.

El candidato a alcalde Claudio Henrique dos Anjos, de 39 años, se inscribió en las listas electorales como “Barack Obama de Belford Roxo” debido a que, negro como el senador estadounidense, también pretende ser pionero como gobernante.

“Quiere entrar en la historia como el primer negro a gobernar el municipio de Belford Roxo, así como Barack Obama quiere entrar a la historia como el primer presidente negro de Estados Unidos”, asegura Dos Anjos en declaraciones a O Globo.

Vinicius de Moraes e Tom Jobim bêbados

Camus vai ao futebol

Solzinho bom

Submediocridade acadêmica

Um lado especialmente deplorável do fenômeno é que, como a busca da segurança psíquica é às vezes mais forte do que os dois motivos políticos acima citados, o esprit de corps da submediocridade acadêmica se estende, por automatismo, até aos membros não esquerdistas (ou não muito esquerdistas) da comunidade. Não podendo aderir ativamente à política dominante, eles partem para a adesão passiva, refreando toda conduta verbal que dê sinal de direitismo, omitindo qualquer citação a autores tidos por inconvenientes ou, nos momentos extremos, assinando um ou outro manifesto de esquerda, naturalmente pelos motivos mais apolíticos que lhes ocorram no momento.

Page 1 of 4

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén