12/08/2004

Os chatos dos irmãos Caruso

yuri vieira, 12:26 am
Filed under: HQs,Humor,Política

Estou chocado: não existe nenhum site chamado “Eu odeio os irmãos Caruso”!!! Será possível que ninguém ainda percebeu que esses caras não têm a mínima graça? Meu Deus, há anos já que dou uma chance ao Paulo Caruso — sou gente boa — e tento encontrar pelo menos um sorriso em suas charges da revista Isto É, mas é impossível, o resultado chega a ser deprimente.

Às vezes penso que, se eu fosse um deputado do PDT, do PT (ou sei lá o quê), talvez eu até conseguisse um esgar dublê de sorriso. Mas não adianta, mesmo que você se interesse por política não achará graça alguma. Os caras desenham muito bem, fazem ótimas caricaturas, mas são incapazes de roteirizar por si mesmos. (Bom, verdade seja dita: o Chico é menos ruim que o Paulo.) E afinal, quem? Mas quem mesmo já conseguiu rir daquelas animações pentelhas durante o Jornal Nacional?? Parece até coisa do Andy Kaufman, que fazia piadas para que apenas ele mesmo desse risadas, mas não é: o Paulo é tão bobo (ou ishperto, vai saber) que acredita ser, para os outros, realmente engraçado!

E o pior de tudo: ele e o irmão ainda cantam (com uma voz cavernosa tão terrível quanto a minha), tocam piano e se acham compositores! Caraca, é realmente incrível. Em 2002 ou 2001, sei lá, assisti a uma apresentação desses dois lá no Teatro Nacional de Brasília. (Aliás, não fosse esse “show” e eu nem me daria ao trabalho de escrever este texto, afinal, chargista ruim é um elemento da natureza, há em todos os cantos.) Enfim, havia um estrangeiro com quem conversei que, mesmo falando um ótimo português, não entendia por que aquilo era engraçado para os demais. Do Monty Phyton qualquer um no mundo inteiro pode rir, mas desses dois? O show deles é puro engajamento político, pura catequese revolucionária, uma coisa chatérrima, e se você não souber as últimas fofocas daquele deputado do qual nunca ouviu falar… onde encontrará motivo para rir? Quando o artista é bom, por mais elementos políticos que ele venha a injetar em suas obras, elas acabarão por sobreviver a estas ideologias e convicções, o que, claro, não é o caso deles. E o “show” dos caras, em Brasília, não passava de um monte de frases feitas e comentários que só um militante da UNE poderia achar graça. (É evidente que muita gente — sim, muita gente, a maioria da minha querida UnB — ria, mas com aquele tipo de riso inteligentinho e cínico, saca?, o mesmo com que aquele apresentador rechonchudo e de óculos do Jornal Nacional finge achar graça das animações. Eu e minha querida Míriam Virna, com quem fui ao tal “show”, ficamos de cara com a deformação causada pela política no senso de humor das pessoas.)

Mas, enfim, o problema dos Caruso é que, no fundo no fundo, eles são é uns operários do desenho que, por rebeldia ideológica, não aceitam um patrão que pudesse lhes dar um par de boas idéias para realizar. Vezenquando podem até acertar — a evolução é para todos — mas o que esses figuras deveriam mesmo fazer é ir trabalhar para o Maurício de Souza…

[Ouvindo: Night in Tunisia – Miles Davis]

_____

Esclarecimento:

Entendam bem: não sou nem um palerma e muito menos tenho preguiça de pesquisar, de ler. Eu respeito o traço dos Caruso, já disse, eles desenham muito bem. Mas mesmo entendendo as piadas logo de cara, ou após me informar sobre as últimas fofocas políticas, continuo achando os caras sem graça. É uma questão de narrativa e, por que não dizer?, de estética. Não conseguem fazer cócegas no meu entendimento. E se o objetivo de uma charge é apenas fazer pensar, ao invés de fazer rir, tanto pior, porque ao final só me vem um pensamento: por que essa charge está na seção de humor da revista? E, aliás, só achei que mereciam um “Eu odeio…” depois de assistir ao vivo ao show da dupla. É de lascar, pura propaganda lulística, revolucionária não no sentido da revolução armada, claro, mas no da eterna mania de achar que o Estado pode transformar nossa vida pra melhor, ou seja, uma balela. Se não fosse por isso, tudo bem, realmente tem gente mil vezes pior do que eles por aí. Mas é que eu sempre pensei que um chargista deveria ser o mais imparcial possível. Quando um político faz uma besteira, merece dois tratamentos dos Caruso: se for, por exemplo, o Lula, é tratado com um carinho servil; se for algum idiota não petista, aí sim, o cara é mesmo idiota. E, enfim, esse “eu odeio…” não pretende ser um atentado pessoal, já que a conotação raivosa do termo “odiar” fica diluída no já famoso “eu odeio qualquer coisa” presente em vários sites da Internet. É apenas uma crítica. Vai saber, os caras devem ser gente boa pessoalmente, o que não quer dizer que sejam tão bons na charge quanto o Angeli, o Glauco, o Laerte, o Henfil, o Millôr, etc., que são engraçados sem precisar de temas exclusivamente políticos, que são engraçados além de nos fazer pensar. (Principalmente o Henfil, é claro, que já me fez dar vexame na Biblioteca da UnB e da UFG, deixando-me roxo de tanto rir.) Na verdade, meu erro foi dar uma abordagem de crítica de arte àquilo que não é arte de forma alguma. Por isso pego pesado. (Sem falar que eu havia tomado uns dois cafés e assistido, no Jornal Nacional, a uma certa animação que muito me desanimou…)
____

P.S.: Escrevi o esclarecimento acima após receber uma mensagem, bastante educada e sentida, da esposa de um dos irmãos Caruso. Desculpe se fui duro, J., mas o sentimento despertado em você por minha crítica é mais ou menos aquele que uma charge deveria causar à elite política que nos comanda. Com uma única diferença: fazendo rir aos demais.

Posts relacionados

Mais posts:

« « Reinaldo Azevedo| Novo domínio » »




Nenhum comentário

No comments yet.

Sorry, the comment form is closed at this time.




Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








79 queries. 0,531 seconds. | Alguns direitos reservados.