O Garganta de Fogo

blog do escritor yuri vieira e convidados…

Jobim e Mongaguá

Tom Jobim morreu num 8 de dezembro. Foi em 1994. John Lennon também, mas 14 anos antes. Do Lennon, não me lembro; tinha 9 anos. A morte de Jobim foi um episódio bem estranho.

Eu havia acabado de chegar ao jornal quando me deram a notícia. Foi uma surpresa para todos. A redação do Estadão passou o dia bem mais silenciosa do que normalmente. Eu tinha começado a trabalhar no jornal havia um mês, achei que, sei lá, aquilo poderia ser algo normal. Mas nunca mais aconteceu. Nunca mais vi a redação em luto daquele jeito. Todos estavam tristes, cabisbaixos.

Mas o pior foi a manchete do jornal no dia seguinte, a única diferente de todos os grandes do País: “Jatene será o ministro da Saúde”. Perfeita sintonia, não?

Estranha foi a homenagem de São Paulo ao compositor. Tudo bem que ele não tinha lá uma grande proximidade com a cidade… Mas precisava ser aquela passagem subterrânea na Avenida Tiradentes?

Acho que mais lamentável mesmo foi a minha história sobre Mongaguá. No fim de 1993, Jobim iria fazer um show gratuito no Parque do Ibirapuera num domingo. Eu ainda estava descobrindo São Paulo e rolou um churrasco em Mongaguá. Alguém conhece Mongaguá? Vou morrer sem ter visto Jobim.

Anteriores

Bonita, mas fodona

Próximo

Tática de Avestruz

2 Comments

  1. Jacó

    Eu ainda me lembro desse show no Ibirapuera, todo mundo bem comportado escutando o Jobim…muito boa lembrança.

  2. Sergio Simonetti

    Vc já ouviu falar na pedra do Arpoador? Pois eu vi Tom Jobim lá ao vivo. Um momento mágico! Agora… Monguagá?? oquiéisso?

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén