Arquivo para January, 2004




28/01/2004

e-ditador

yuri vieira (SSi), 3:34 pm
Filed under: amigos,Mídia,Umbigo

Um editor faz falta não apenas para nos dar trabalho, mas também para filtrar nossos textos. Se alguém me impedisse de divulgar nesse blog certos artigos, eu não precisaria ter de ler todo dia mil e um emails que abrem buracos em meu corpo emocional. Claro, muitos elogios também, mas como a gente prefere estes, aqueles são sempre mais dolorosos. Um dia aprenderei a ser meu próprio e-ditador. (Aliás, cá entre nós, e-ditador foi o apelido que meu amigo Sálvio Juliano, professor da UFG, me deu quando fui editor de um jornaleco no curso de jornalismo. Chamava-se Naraka Loka.)

11/01/2004

Mulher nova, bonita e carinhosa…

yuri vieira (SSi), 12:56 am
Filed under: música

É tentação e perdição. Ou prenúncio do Paraíso. Aliás, curto muito essa canção do Zé Ramalho e do Otacílio Batista. Cantada na voz de Amelinha, em tom trovadoresco, nos causa a sensação de habitantes de uma das vilas “guimarães róseas” dos gerais, a ouvir de uma mensageira o relato de distantes e importantes ocorrências. Sem falar que o título-refrão, em contraste com o conteúdo da letra, é de um senso de humor absurdo. Leia e depois vá atraz do som.

Mulher Nova, Bonita e Carinhosa Faz o Homem Gemer Sem Sentir Dor

(Zé Ramalho e Otacílio Batista)

Numa luta de gregos e troianos
Por Helena, a mulher de Menelau
Conta a história de um cavalo de pau
Terminava uma guerra de dez anos
Menelau, o maior dos espartanos
Venceu Páris, o grande sedutor
Humilhando a família de Heitor
Em defesa da honra caprichosa
(Continua…)

09/01/2004

Escrever sinceramente

yuri vieira (SSi), 11:21 pm
Filed under: escritores,literatura

“O efeito de qualquer escrito no espírito do público pode medir-se matematicamente pela profundeza de seu pensamento. Que tiramos de sua leitura? Se nos leva até fazer-nos pensar, se nos faz despertar ante a voz da eloquência, então seu efeito será amplo, lento, permanente sobre o espírito dos homens; mas se não nos instrui, morrerá tão depressa quanto as moscas. A maneira de falar e de escrever que nunca passa de moda é a de falar e escrever sinceramente. Se a argumentação não tem força suficiente para influir em minha própria conduta é duvidoso que influa sobre a dos outros. Mas olhemos a máxima de Sidney: ‘Olha em teu coração e escreve’.”

Ralph Waldo Emerson

Os pentelhos

yuri vieira (SSi), 11:04 pm
Filed under: Cotidiano,Política

Diz-se que, na União Soviética, os operários só tinham uma maneira de burlar as proibições de fazer greve: sabotando a produção. Quando estavam insatisfeitos, colavam a sola do sapato ao contrário, costuravam o zíper da calça pelo lado de fora e assim por diante. Tudo depois era rejeitado por ser inadequado ao consumo. Aqui no Brasil ainda não somos comunistas, mas os caras já começaram a aderir a esse procedimento. Hoje fui comprar cuecas e, fora de brincadeira, no pacote hermeticamente fechado havia um enorme e inconfundível pentelho. Adorei a cara da vendedora quando lhe mostrei o produto.

Yogananda e João Gilberto

yuri vieira (SSi), 10:49 pm
Filed under: extraordinárias,interiores

Esta noite tive um sonho muito nítido. Estava num grupo que esperava a visita de Paramahansa Yogananda. Estávamos todos sentados num enorme tapete, num pátio ao ar livre. Yogananda chegou com sua irmã e um outro acompanhante que não sei quem era. Conversou com cada um de nós individualmente. Lembro de algumas coisas que ele me disse, mas não irei afirmar que acredito ter sido uma experiência real. (Extrafisicamente falando, é claro.) Ando muito relapso para merecer tais atenções. Depois, sonhei que estava no apartamento do João Gilberto! Claro, pura piração onírica. Passamos por três portas cheias de trancas e travas, uma coisa totalmente paranóica. Lá dentro rolava uma feijoada e tinha uma mulher pê da vida porque alguém estava soltando rojões dentro de casa…

Renda mínima

yuri vieira (SSi), 12:15 am
Filed under: Política

Essa lei parece uma coisa muito linda, mas eu só quero ver de onde é que o governo vai tirar dinheiro para dar a essa gente toda. “Renda mínima”, “fome zero”, “viagens mil”. Qualquer dia o povo vai pagar essa onda toda com “paciência nula”. Só não sei quando isso irá rolar: se em dois ou em dez anos. Afinal, o povo ainda tá se achando no poder.

08/01/2004

Um só coração

yuri vieira (SSi), 11:13 pm
Filed under: Arte,livros,Mídia

Ana Paula Arósio continua linda e tão cheia de talento quanto o Tarcísio Meira, mas eita nome de mini-série mais brega, meu! Deveria é se chamar “Celebridades do Passado Paulista”, já que apresenta mil e uma figurinhas, tipo Oswald de Andrade (e demais membros da gangue de 22), Santos Dumont (coloque uma foto ao lado do vídeo: o ator é pura reencarnação do dito cujo!), Assis Chateaubriand, etc. e tal. O enredo, contudo, é mais uma variação sobre o mesmo tema: amor romântico, tiranos sádicos e injustiçados sociais. Em tempo: a idéia de colocar uma governanta alemã iniciando um jovem nos mistérios da sexualidade e da hipocrisia humana foi extraída do romance “Amar, Verbo Intransitivo“, com a diferença de que no livro de Mário de Andrade essa “missão” só é sugerida ao final. A TV não nasceu mesmo para sutilezas.

Punk forever

yuri vieira (SSi), 2:48 am
Filed under: amigos,música,Umbigo

Em Dezembro recebi uma mensagem do Redson, vocalista da mítica banda punk Cólera, na estrada desde 1979. Nos anos 80, cheguei a assistir a uns dois shows dos caras. (Aliás, precisei freqüentar muita rave para parar de pogar.) É até surreal me corresponder com o figura hoje em dia. Ir para um show punk era como sair para escalar um vulcão em erupção, principalmente se se tinha 14 ou 15 anos de idade. Como se diz hoje, no bom sentido, siniiiiiistro. E pensar que o cara curte algumas coisas que escrevo… Bom, hoje em dia não sou anarquista senão intelectualmente. Na minha consciência só mando eu. (Embora o Daniel Christino tenha razão quando diz que eu às vezes absorvo as idéias de quem prova dominar com excelência a língua portuguesa. Resquícios de esteticismo. É a vida literata.) Enfim, punk forever.

Torre do Dr. Zero

yuri vieira (SSi), 2:04 am
Filed under: baladas,música,Umbigo

Me disseram que não tem mais a Torre lá na Vila Madalena. Será mesmo? Ficava a dois quarteirões de onde morei e ia sempre com minha (agora ex) namorada, a mesma que também namorou com o Raul Seixas. (Adoro falar isso.) Foi diante da entrada da Torre que passei uma boa hora discutindo sobre miséria com o Otto (ele mesmo). Também foi na porta do banheiro que quase entalei com o João Gordo. Minha ex-namorada era chegada num esquema celebridades, fazer o que. Mais uma época que ficou pra trás.




Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








64 queries. 1.305 seconds. | Alguns direitos reservados.