O Garganta de Fogo

blog do escritor yuri vieira e convidados…

Categoria: extraordinárias Page 1 of 10

O Governo Britânico e os OVNIs

Não, não é um link para o site da revista Planeta ou quejandos. É o site do National Archives, o órgão oficial britânico responsável por guardar e preservar todos os documentos do governo. Eles agora abriram os arquivos oficiais sobre o avistamento de OVNIs nesses últimos anos.

Pronto. Isto é pelo meu pai, que adora o assunto, e pela Hilda Hilst, que também adorava.

Use as drogas certas, bicho.

Quer ser o centro das atenções ao decifrar um complicado teorema matemático entre um gole e outro de cerveja? Entender completamente as letras do Djavan? Não foi, entretanto, favorecido com uma estrutura genética apropriada para a inteligência? Não tema. Se os antidepressivos são uma farsa, as drogas cognitivas chegaram para ajudar a realizar o sonho de todo grande jogador de futebol. Chega de se alienar com mulheres, fama e dinheiro. De agora em diante, apenas matemática, computadores e Star Wars. Viva a vida intensamente.

Mas antes, um aviso: “Cérebro + drogas = ovos fritos! Nem sempre. Algumas pílulas podem incrementar sua performance cognitiva. Mas nós aqui do Garganta não somos médicos. Qualquer um que tome uma batelada de remédios baseado em nossos palpites só pode estar chapado”.

Aqui o link para a deliciosamente bem-humorada matéria da Wired.

Falando em milagres

Já que o Ronaldo resolveu falar sobre milagres – com seriedade, diga-se – deixo aqui minha contribuição nada séria.

Isso é que é milagre, né não?

Isso é que é milagre.

Na Natureza Selvagem

Livro

Sempre gostei dos livros e do estilo de escrita de Jon Krakauer. Foi em 1999, logo depois de traduzir seu “Sobre Homens e Montanhas” para a Companhia das Letras, que li “Na Natureza Selvagem”, seu relato sobre a história de Chris Mccandless, o jovem que abandonou sua família na Virgínia por uma vida na estrada e de aventuras ao estilo dos personagens de Jack London e inspirado por Thoreau e John Muir.

Ontem, fuçando nas minhas coisas, encontrei um artigo que à época escrevi para o jornal “O Popular”. Seu título é “Selvagem é o Concreto”. Tem um tom nostálgico e meio melodramático que dá uma certa vergonha. Infelizmente, só o tenho em papel, mas se tiver saco vou redigitá-lo para algumas reflexões. Pensar se ainda acredito no que dizia há quase dez anos – afinal, em outros campos, mudei radicalmente. Afinal, todo o mundo se encantou e ainda se encanta com as idéias de Thoreau e com uma certa visão romântica da vida liberta na estrada e junto à natureza.

Outro dia, meu amigo Nelson me ligou no meio da tarde. Saía da sessão de “Na Natureza Selvagem”, o filme de Sean Penn baseado na novela de Krakauer (trailer aqui). Quase fora atropelado na Paulista de tão atordoado. Dizia que saíra do cinema pensando em mim. Vá saber por quê.

Cartaz

O livro me causou forte impacto em 1999, e ontem, na expectativa da estréia do filme aqui no sertão, comecei a relê-lo e já não o consigo largar. As perguntas são sempre as mesmas e seguem essenciais, penso: o que realmente vale à pena? Vale trocar as montanhas pela segurança do cotidiano? Em tempo, eu não considero que tenha abandonado as montanhas, mas por ora tenho outras prioridades, antes de retornar a elas.

Chris largou tudo e foi viver no Alaska, depois de rodar metade dos Estados Unidos – a pé, de carona, de canoa. Morreu de inanição em meio ao inverno rigoroso.

O Rabino Kaduri e o nome do Messias

Fiquei de cara ao ler a tradução do artigo Rabbi Reveals Name of the Messiah, do jornal Israel Today, no blog Saindo da Matrix. (Aliás, o Acid, dono do blog, é uma boa antena para esses assuntos.) Não sei se as pessoas ainda se lembram do rabino Yitzhak Kaduri, o mesmo que se negou a receber a “cabalística” Madonna:

“Ma o quê? Nunca ouvi falar.”

“Ela é cantora, rabi.”

“É judia?”

“Não.”

“Então não recebo.”

O cara atravessou todo o século XX, tornou-se um dos rabinos mais respeitados de Israel e faleceu, em Fevereiro de 2006, aos 108 anos de idade. (Esse teve muito tempo pra usar a cabeça.) Seu funeral atraiu cerca de 300.000 pessoas, a maioria de judeus ortodoxos. Enfim. A questão é que o cara deixou uma carta, que só deveria ser aberta um ano após sua morte, o que foi feito, na qual se encontra uma frase cujas primeiras letras de cada palavra formam o nome do Messias: “Yeshua”, ou seja, “Jesus”.

A tradução do hebráico ao inglês – que obviamente multiplica o número de palavras – é a seguinte: “Concerning the letter abbreviation of the Messiah’s name, He will lift the people and prove that his word and law are valid. This I have signed in the month of mercy.” (No tocante à carta com a abreviação do nome do Messias, Ele erguerá o povo e provará que sua palavra e lei são válidas. Isto eu subscrevi no Mês de Elul.) Isto, para os judeus, deveria ser um verdadeiro escândalo, isto é, um novo dado passível de abalar sua fé. Ao menos num certo aspecto, bastante importante por sinal: “era verdade, o Messias já veio e não o reconhecemos!!” Mas, por incrível que pareça, a notícia não repercutiu o suficiente.

Fico imaginando a cabeça desse rabino que, por anos e anos, deve ter estudado os textos religiosos de trás pra frente, e de frente pra trás, um milhão de vezes, pesando todos os fatos, todos os documentos, analisando suas visões (ele tinha visões, principalmente ligadas ao Messias) e adiando sua conclusão final para… seu próprio final. Deve ter se sentido uma ovelha negra, um José de Arimatéia, que também era rabino e um dos únicos membros do sinédrio a defender a posição de que Jesus era sim o Messias. José de Arimatéia ficou chocado com a teimosia dos judeus de seu tempo e com o apego destes a certos conceitos arraigados, tal como o de um Messias que é ao mesmo tempo um líder político nacional, um guerreiro e um homem santo. Para eles, de pouco adiantou Jesus ter seguido o roteiro definido pelos antigos profetas. Mas… e os cristãos?

Bem, os cristãos não irão ficar lá tão entusiasmados assim. Afinal, o rabino afirma que o Messias já se encontra em Israel, em carne e osso, e que, assim que falecer o ex-primeiro ministro Ariel Sharon (ele está em coma há mais de um ano), aquele se dará a conhecer. Em suma, o cara assumiu que Jesus é mesmo O Cara, mas continua com a mania judáica de esperar um líder nacional em forma divina e, ao mesmo tempo, material. Bom, cá entre nós, se o cara é Deus, ora, ele pode aparecer do jeito que quiser, né. Contanto que não se chame Inri Cristo, tudo bem.

Para mais informações, World Net Daily.

A KGB e a subversão do Ocidente

Bom, agora a entrevista com o ex-agente soviético Yuri Bezmenov está completa. São nove vídeos com cerca de 9 minutos cada. Já que a turma da FSB (ex-KGB) detém o poder no Kremlin, ninguém poderá dizer que os temas tratados nesses vídeos são águas passadas. Principalmente porque o efeito de tudo o que ele declara ainda está nos atingindo, como a agitação circular da água ao se atirar uma pedra ao lago. Bezmenov explica detalhadamente como se dá a subversão gradual da percepção moral da realidade. É de arrepiar os cabelos.

Um dos momentos mais curiosos é quando ele diz que a KGB adorou o interesse dos jovens ocidentais – na esteira dos Beatles – pela meditação transcendental do Maharishi Mahesh Yogi. A KGB chegou a contactar o “sábio”. Para eles, nada melhor do que ver o ocidente voltado para o próprio umbigo – ainda que esse umbigo seja o “terceiro olho” – e alheio aos acontecimentos mundiais…

(A entrevista foi concedida ao comentador político G. Edward Griffin, em 1984. Os vídeos estão legendados.)

Primeira parte:

Segunda parte:

Ler mais

As abelhas e a fome mundial

Parece enredo de desenho animado: “Vamos acabar com o mundo, Pinky?” “Mas como, Cérebro?” “Vamos desenvolver um vírus que irá matar todas as abelhas do mundo! Ahahahaha!!” E o pior é que pode funcionar

Os EUA já perderam 80% de suas colméias. As abelhas morrem às toneladas – aliás, desaparecem, pois morrem longe de “casa”, abandonando as rainhas (estarão sendo abduzidas?) – e o melhor suspeito até agora é um vírus israelense. Coisa mais esquisita. Alguns estados norte-americanos já perderam 90% das abelhas. A França mais de 70%. Vamos ficar sem mel? Não, ficaremos sem produtos agrícolas, já que, segundo os botânicos, 75% dos vegetais que consumimos são polinizados por abelhas. E, pelos cálculos do Einstein, os seres humanos sobreviveriam apenas mais cinco anos sem essas venenosas.

Com essa, nem o Nostradamus contava.

Tudo o que é sólido…

Esse cara é bom.

KGB: missão cumprida

Segundo o ex-agente da KGB Yuri Bezmenov, apenas 15% do efetivo e dos gastos da KGB estavam relacionados com espionagem. Os demais 85% foram utilizados num massivo ataque às bases da inteligência ocidental, que efetuou o que ele chama de “subversão ideológica” (ou “guerra psicológica”), isto é, uma “completa alteração na percepção da realidade” por parte de suas vítimas. Infiltrada nas universidades, na imprensa, na produção artística e cultural norte-americanas (principalmente), a KGB conseguiu eliminar a capacidade de julgamento moral daquela sociedade, atingindo seu triunfo nos dias atuais (na verdade, a entrevista é de 1983), uma vez que a geração que estudava nos anos 60, a mais bombardeada pelos slogans e pela semeadura de reflexos condicionados, havia então chegado ao poder. A corrupção moral dessas pessoas tornou-se tão profunda que já não conseguem ser atingidas por fatos, não importando o número de provas autênticas que se lhes apresentem. Nem se esfregassem o nariz da Jane Fonda num campo de concentração soviético, ela iria acreditar na realidade daquilo. (Parece o povo de certo país dominado por bandidos petistas, pelo Foro de São Paulo, etc.) Ele diz que, para o indivíduo, esta corrupção das bases morais é um processo irreversível.

Contudo, o mais interessante é saber o que é que um novo regime, nascido dessas lindas idéias de “igualdade e justiça social”, faria com os propagadores das tais. E o pior é que a onda de corrupção moral atingiu os quatro cantos do mundo e, claro, a América do Sul, seja através da “revolução bolivariana”, seja através do Foro de São Paulo e do PT. Sem esquecer a Nova Ordem Mundial que segue caminhando a passos largos… E a KGB que hoje atende pelo nome de “máfia russa”…

Uma reportagem completa, de 29min, também está disponível no Google Video.




Via True Oustspeak e swimming against the red tide.

Nada ainda

Pois é, Jan Val Ellam, findou o mês de Abril e o Kara nada, nem um email a desmarcar a chegada anunciada. (Apenas torpedos espirituais.) De fato, ninguém sabe o ano, o mês, o dia, a hora, o…

Page 1 of 10

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén