31/08/2006

Respondendo ao Ronaldo

Na verdade, não busco nada no Livro de Urântia. Ele apareceu na minha vida completamente ao acaso – uma amiga me emprestou um exemplar em 1997, lá na UnB, dizendo que eu certamente o acharia interessante – e o li inteiro, pela primeira vez, achando que não lia senão um desses livros que descrevem o mundo de um jogo de RPG. O problema é que o tal “mundo” esboçado por ele é, na minha humilde opinião, o mais vasto e profundo que nossa imaginação pode alcançar. Não é um livro perfeito – não é uma revelação direta de Deus – e tenho minhas críticas a muito do que está ali escrito. Mas o tempo me mostrou que, se a vida é um jogo, ela é um jogo de RPG (Role Playing Game), um jogo no qual desenvolvemos e aperfeiçoamos nossa personalidade, sendo esta um dom de Deus – exatamente o que diz o livro. E, a vida (e não o livro), me confirmou que esse RPG também tem um Mestre, a saber, o Arcanjo Miguel, que esteve entre nós como Jesus. Eu sei que tudo pode parecer muito louco ali. Mas não creio que o universo seja bobo e sem Graça como querem os céticos sistemáticos. A Hilda Hilst, o Bruno Tolentino e o Olavo de Carvalho me ensinaram pessoalmente que a fé não apenas não atrapalha a inteligência e a criatividade como, muito pelo contrário, as estimula e fortalece. Eu sei que não necessito d’O Livro de Urântia para chegar a tal conclusão. Eles não precisaram dele. Mas o planeta Terra precisa.

Chegamos a um ponto da História humana em que uma grande mudança se faz não apenas necessária, mas inevitável. E toda Cultura – que é como Oswald Spengler chama uma Civilização em seu estado de nascimento e desenvolvimento – nasce duma intuição espiritual nova e mais abrangente, duma visão cósmica mais universal, fecunda e cheia de sentido. Jesus fez isso no tocante ao indivíduo, que é o principal, mas a narrativa completa de sua vida e de sua obra – assim como a descrição dos seres, da estrutura e das regras que regem as demais “moradas”- irá, digamos assim, por “ressonância” e influxo idealista, orientar a organização desse nosso variegado e caótico mundo. Pela primeira vez na história conhecida, nosso “mundo conhecido” se confunde com todo o planeta. Os remanescentes das Culturas outrora pujantes – Ocidente Cristão, Islã, Oriente hinduísta, budista, etc. – não se sentem à vontade uns com os outros e temem ser sobrepujados e engolidos pelos demais. Apesar de o Livro de Urântia estar mais próximo daquilo que entendemos por cristianismo, ele vem não apenas confirmar tudo o que este tem de positivo e verdadeiro, mas também purificá-lo de seus erros e malentendidos, o que, por isso mesmo, o fará ir ainda mais longe. Ele não revoga a Bíblia, os Evangelhos e demais livros sagrados. Não. Ele os alarga, esclarece e amplia. Também apresenta muitas questões polêmicas passíveis de gerar conflitos, isto é, se lidas isoladamente do restante da obra. Mas creio que, dum modo geral, os efeitos do livro hão de ser positivos e duradouros a longo prazo. Da mesma forma que o Império Romano não conseguiu se livrar do “imperativo cristão” – e que o Oriente Próximo não conseguiu evitar o Islã – tampouco o planeta Terra conseguirá evitar tornar-se… Urântia, o nome pelo qual é conhecido em nosso Sistema de Mundos Habitados. Eu estou cagando e andando para o que meus amigos, familiares e sei lá mais quem possam achar dessa minha posição. Eu apenas não consigo deixar de imaginar um outro futuro melhor do que esse e, como dizia a Clarice Lispector, imaginar é adivinhar a realidade. Que culpa eu tenho se algumas coisas nascem mesmo póstumas e impossíveis de serem provadas agora? Quem escreveu esse livro sabia disso e nem se deu ao trabalho de assiná-lo. Foi apenas um transmissor? Criou todos aqueles “heterônimos” fantásticos que assinam os capítulos? Eu não sei. Tal imprecisão autoral não impediu que o Pentateuco fundasse uma nação (Cultura) avançadíssima ou que o tribal Islã alimentasse e ressuscitasse a então complexa e decadente Pérsia. Meu maior temor em relação ao Livro era que ele fosse mais um gnosticismo. Mas quanto mais o estudo, mais me convenço de que não é. Mas, bem, essa é uma outra história.

Enfim, a revelação é uma forma de conhecimento possível e legítima da qual o homem é digno. (Vide “O Homem Perante o Infinito”, de Mário Ferreira dos Santos.) As pessoas se acham vermes rastejantes abandonadas pelos Céus? Eu não. Deixei isso para trás. Agora sou capaz da fé. Aliás, quando algo ocorre na Europa, não há como nós, aqui na América do Sul, termos acesso a tais fatos senão através do que nos é revelado pelos meios de comunicação. Eles nos transmitem as notícias ou novas. Como confiamos nelas? São verdadeiras? São falsas? Em que medida? Um cético sistemático absoluto certamente não acreditaria sequer que o Saddan Hussein está preso, afinal, são tomé que é, não o tocou com os dedos através das grades duma prisão iraquiana. Muita gente mais paranóica que eu acha que o próprio Bush atacou o WTC. É preciso confiar nas fontes, não é? E as novas nem sempre são “boas novas”, que é, aliás, a exata tradução de evangelho: a “boa notícia”. Depois de mil e um livros sagrados escritos por inspiração, algum maioral lá de cima decidiu usar um repórter anônimo, afinal, parece que só Maomé é profeta. Os islâmicos não precisam se chatear com o Livro de Urântia. Nenhum profeta reivindicou sua autoria. São apenas notícias que nos chegaram dos confins do Cosmos. Eu não tenho medo de apostar nisso. Vc tem?

Posts relacionados

Mais posts:

« « Lulla e Collor| Em defesa da Google e do Orkut » »




4 Comments

  1. Vinícius escreveu:

    -Bravo!

    (Silêncio em nossa mente)

    -Palmas. Muitas palmas.

    Yuri, só não faça como os recém (cegos) convertidos que tem um “boom” em Cristo, e resolve abandonar tudo e todos. Temo que podes, de fato, se tornar um xiita do todo-poderoso e nos deixar orfãos. Permaneça entre nós, ó grande alma!!

    Comentário de 1-9-2006 @ 2:02 pm

  2. Ronaldo Brito Roque escreveu:

    Yuri,

    só hoje vi esse texto. A minha pergunta sobre “o que vc busca nesse livro” não era uma crítica. Eu acredito que uma investigação séria só se torna possível quando vc sabe o que está procurando. Eu, por exemplo, tinha duas perguntas fundamentais na vida: (1) “Qual a origem das doenças e como curá-las?” e (2) “Como conquistar uma mulher linda?” Quando me debrucei sobre as obras de Swedenborg, não foi para compreender o universo inteiro, foi para responder essas duas perguntas. Consegui respondê-las num nível satisfatório. Já faz séculos que não fico doente (exceto de insônia) e consegui a namorada que eu – e muitos homens, acredito – pedi a Deus. Então, a pergunta que eu te mandei, sobre a sua busca, não era uma crítica aos seus inúmeros comentários sobre o Livro de Urantia. Era uma sugestão para que vc organizasse melhor suas investigações.

    Acredito que o conhecimento existe para tornar a vida melhor. Se vc me oferecer um livro que contém os segredos do universo, mas não me ensina como ter uma vida saudável e feliz, vou pedir licença para recusá-lo.

    Minhas dúvidas agora são sobre os sonhos. Eles contêm algo de essencial para a nossa felicidade? É possível aproveitá-los para alguma utilidade? Essa é minha nova investigação. Se vc tiver alguma dica, pode mandar.

    Abraço,
    Rbr

    Comentário de 29-9-2006 @ 2:25 pm

  3. Marciel escreveu:

    Nunca ouvi falar sobre este livro. Por um acaso vi seu título em uma pesquisa em uma site de busca, o google, quando pesquisava sobre alienígenas. Fiquei super curioso, então pesquisei na hora no mesmo site. Achei alguns site que me deu uma certa noção (acho!) sobre o livro. Foi ai que descobri este site.Li um dos comentários.Super interansante! Mas eu queria me aprofundar no assunto. Queria saber melhor sobre o conteúdo do livro, para então, caso me entessace, procurar o livro e lê-lo. Mas não comprarei um livro que não tenho a mínima noção do que tem em seu conteúdo, por isso quero que alguem, pode ser qualquer um,que entenda, ou até mesmo tenha lido o livro, me mande um e-mail, me dizendo algo sobre o livro e como consegui-lo. Meu e-mail é

    marciel-figueiredo@bol.com.br
    Por favor alguem me responda o quanto antes possível, pois estou curioso. Obrigado!

    Comentário de 18-10-2006 @ 11:33 am

  4. David escreveu:

    Também lí o livro de Urantia. Sabe o que mais me atraiu nesse livro? É que, parece muitas vezes mais verossímil e completo que a bíblia, especialmente o velho e sanguinário Velho Testamento, mas fui descobrindo que não passava de mais uma outra cópia muito bem recheada de férteis imaginações. Sabe o que mais me magoou? É que na mente desse esse autor, parece somos seres tão inferiores, com relação aos outros dos outros mundos e fica a impressão de que não temos direito de saber nada por completo e mais uma vez ficamos no mesmo estágio das interpretações religiosas, reféns de oportunistas.
    Atenciosamente,
    David.

    Comentário de 18-11-2006 @ 7:04 pm

Sorry, the comment form is closed at this time.




Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








84 queries. 0.638 seconds. | Alguns direitos reservados.