O Garganta de Fogo

blog do escritor yuri vieira e convidados…

Categoria: internet Page 1 of 34

Wayne Wang no You Tube

Semanas atrás, conversando com um cineasta local, comentei sobre a idéia de lançar o curta-metragem De Partida — dirigido por mim e pelo Pedro Novaes — apenas pelo You Tube. Enviaríamos o link para Deus e o mundo e depois marcaríamos um encontro numa choperia. O figura deu um sorrisinho e disse que isso era pura preguiça da minha parte, que valia a pena sim organizar um lançamento nos moldes tradicionais, que esse negócio de lançar filmes pelo You Tube era uma heresia estética e tal. (Sei, como se as projeções digitais das nossas salas tivessem alguma qualidade…) Mais tarde, conversando com o Pedro, decidimos que o lançamento ocorreria mesmo durante a projeção na VIII Goiânia Mostra Curtas, o que se deu no início deste mês de Outubro. Não que não quiséssemo lançá-lo pelo You Tube, mas porque o curta ficou pronto justamente a tempo de participar da seleção do festival. Enfim… hoje, leio na revista Isto É Dinheiro (N.578):

Lançamento no You Tube

O diretor de cinema Wayne Wang, autor de Cortina de Fumaça e de O Clube da Felicidade e da Sorte, encontrou uma solução para lançar seu novo longa-metragem sem gastar dinheiro. Ele disponibilizou seu filme The Princess of Nebraska para ser visto gratuitamente no portal You Tube. [O filme está bloqueado no Brasil, mas vc pode vê-lo através de um proxy.] Com um orçamento apertado, o chinês percebeu que teria dificuldades para estrear nas salas de cinema e decidiu atingir o público pela internet. A mesma estratégia tem sido usada pelo polêmico diretor Michael Moore*, autor do documentário Tiros em Columbine.

Lançar um longa-metragem no You Tube é mais ou menos como lançar um romance integralmente no formato ebook: apenas alguns poucos irão fruí-lo por inteiro, mas a maioria se sentirá seduzida e correrá atrás da versão mais “amigável” da obra. Fazer pouco caso de uma tecnologia como a que temos hoje à nossa mão é pura frescura de puristas sem o menor sentido da realidade.

* O Michael Moore pode ser desonesto, mas é muito esperto em termos de marketing…

A chi altri non piace il mio film? *

Nosso curta-metragem ESPELHO foi escolhido como melhor curta-metragem da semana — na segunda semana de Julho deste ano — pelo site italiano Mooovie, o qual tem o objetivo de reunir em site, livro e DVD la prima selezione di film di qualità. A resenha:

Vi sarà capitato sicuramente nella vita di imbattervi in un film sperimentale incomprensibile e noioso. In questo simpatico cortometraggio brasiliano il pubblico del cinema viene messo a confronto con la propria immagine riflessa. Quando la sperimentazione non è gradita, la provocazione accende solo una discussione sterile e alquanto pericolosa… con finale a sorpresa. Dedicato ai decadenti che si atteggiano ad intellettuali.

A propósito, levando em conta tanto a versão legendada quanto a não-legendada, o curta ESPELHO já foi assistido 11.002 vezes no You Tube. Também está disponível no Metacafe e no MySpace.

* “A chi altri non piace il mio film?” = “Alguém mais não gostou do meu filme?” (Fala do personagem interpretado pelo Pedro Novaes.)

Antes e depois da internet

Via Pudim de Beterraba.

Rebelião no Spore!

Dica do 100nexos.

Lablogatório

Moçada, reativei meu blog particular com ênfase em ciência. Sempre gostei do tema e pretendo escrever mais sobre isso. Também estou contribuindo esporadicamente para o portal Lablogatórios, dos cientistas e acadêmicos Carlos Hotta e Átila Iamarino, na aba Tubo de Ensaio. A iniciativa é pioneira na divulgação científica na Internet e a interação entre os blogueiros promete ser intensa e profícua. Não deixo, contudo, de postar aqui no Garganta.

PicsViewr

Uma amiga da Folha, Daniela Arrais, me deu uma dica legal sobre uma forma diferente de visualizar fotos do Flickr. O site PicsViewr tem oito formatos diferentes de slideshows. Os de Polaroides e de Flash são bem legais.

Pena que não vale também para o Picasa

FotoGlobo

Dias atrás, acho que mais ou menos um mês e meio, o Globo Online iniciou um blog voltado para fotografia. Chama-se FotoGlobo.

Traz as experiências dos profissionais do jornal carioca, certamente um dos principais do país. Também são publicados textos sobre exposições, concursos e dicas sobre modos específicos de fotografia —a gastronômica, por exemplo.

Mas talvez o mais importante para os leitores — e tenho certeza de que o mais divertido — são das fotos deles próprios, isto é, leitores, publicadas no blog. Pode-se mandar qualquer coisa, desde fotos “viajandonas” ou da festa de aniversário da família.

Nem tudo é publicado, naturalmente, pois a internet e a fotografia digital praticamente extingüiram limites para produção (e, por experiência própria, garanto que leitor folgado não falta neste mundo; tinha uma que me ligava praticamente toda noite querendo os números sorteados nas loterias…).

Mas muito do que os leitores enviam aos repórteres-fotográficos do Globo é postado no blog.

O divertido é que os caras avaliam mesmo as fotos, sejam lá quais forem. Examinam enquadramento, composição, cores, foco, profundidade de campo, etc. E detonam. Principalmente um cara chamado Marcelo Carnaval. Ele é bem engraçado.

Quando a foto é boa eles também elogiam ou sugerem algo que poderia tê-la tornado melhor, como um corte diferente.

Se você quiser testar, mande um desafio para o Carnaval. Escolha uma foto e mande para os caras.

Times Archive

O jornal inglês The Times abriu seu arquivo gratuitamente na internet. Pode-se pesquisar reportagens de 1785 a 1985. Pois é, são 200 anos mesmo.

Pesquisei sobre Santos-Dumont e apareceram reportagens de 1901, 1902, 1904… Com “Machado de Assis” veio um texto de 1927.

Busquei ainda “Richard Francis Burton”, o explorador que rodou meio mundo no século 19, Brasil incluso, e surgiram textos desde 1890 (na verdade, ano de sua morte; tenho certeza de que encontraria algo mais antigo, mas a busca travou).

O primeiro texto com “Robespierre” é de 1791.

É preciso fazer um cadastro para acessar as reportagens e a ativação disso pode demorar um pouco.

A Internet rastreada

Foi aprovada ontem no Senado Federal proposta substitutiva ao projeto de Lei da Câmara que trata dos crimes praticados na Internet. É o famigerado texto do senador Eduardo Azeredo. A blogosfera entrou em alerta. Os argumentos levantados em diversos sites podem ser resumidos a dois principais, ilustrados aqui pelo Pedro Dória e pelo Carlos Castilho. Segundo o Doria,

A lei cria o provedor que delata. Se uma gravadora, por exemplo, rastreia que um usuário ligado ao Speedy em São Paulo ou ao Vírtua em Maceió está usando a rede Bit Torrent, de troca de arquivos, ela pode ir à Justiça pedir a identidade do sujeito. Telefónica (do Speedy) ou Net (do Vírtua) são obrigados a dizer quem foi. Não importa que, muitas vezes, os arquivos trocados sejam legais. O fato é que todo provedor de acesso se verá obrigado a manter por três anos uma listagem de quem fez o quê e que lugares visitou na web. É como se os Correios mantivessem uma lista de todos os usuários de seu serviço e que indicasse com quem cada um se correspondeu neste período de anos. É coisa de Estado policial e uma franca violação da liberdade.

Outro problema da lei é a proibição de que se ‘obtenha dado ou informação disponível em rede de computadores, dispositivo de comunicação ou sistema informatizado, sem autorização do legítimo titular, quando exigida.’ Vai uma pena de 2 a 4 anos, mais multa. O objetivo, evidentemente, é proibir pirataria. Mas imagine-se a loucura de ter a necessidade de provar que está autorizado a carregar qualquer informação colhida na rede.

A rede é, essencialmente, uma máquina de cópias. Carregou esta página do Weblog? Há uma cópia dela em seu HD. Um CD comprado só permite seu uso em CD players. A não ser que Herbert Viana ou outro dos Paralams o autorize expressamente, nada de passar para o iPod. O Google está digitalizando milhares de livros fora de catálogo. Muitos deles têm o detentor do copyright desconhecido. Se o dono aparecer, eles tiram da lista. Em caso contrário, fica público. No Brasil, se o substituto do senador Azeredo for aprovado, esta que será a maior biblioteca pública do mundo será ilegal. Esse artigo é tão mal escrito que, no fim das contas proíbe o uso da Internet.

O Castilho acrescenta o pertinente argumento de que é uma lei antiga para uma coisa nova. O descompasso pode torná-la obsoleta.

Para criar um conjunto de condutas e valores capazes de coibir a delinqüência virtual (tipo pedofilia, roubo, difamação, chantagem, terrorismo etc) é necessário primeiro procurar entender a natureza do processo no qual estão inseridas a internet e a Web. Impor um modelo repressor idêntico ao usado para canais de comunicação como radio, televisão e cinema, é uma absurda perda de tempo e de energias, porque até os neófitos da rede sabem que será um fracasso.

A internet não é apenas um conjunto de computadores interligados entre si. Ela já é uma expressão do novo sistema de produção econômica e cultural gerado a partir de inovações tecnológicas como a computação e a digitalização, que por sua vez são o resultado de pressões dos agentes econômicos por processos mais rápidos e automatizdos, capazes de atender à demanda de uma população em crescimento acelerado.

O mundo moderno tornou-se complexo demais para que continuemos a usar sistemas e valores surgidos junto com a da revolução industrial. No contexto atual, a troca e conseqüente recombinação de informações, sejam elas em texto, áudio ou imagens precisa ser a mais ampla possível para que os conhecimentos sejam produzidos no ritmo exigido pela economia e pela sociedade contemporânea.

Não se trata, portanto, de ser contra a tentativa de normatizar o uso da Internet e previnir crimes como pedofilia. O problema é que esta propsta não consegue fazer o que promete e ainda atrapalha o que está funcionando. Quem quiser pode assinar a petição aqui.

Sobre as Farc

Um texto muito bom sobre as Farc no blog do Pedro Dória. Vale a pena.

Page 1 of 34

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén