Arquivo para February, 2008




28/02/2008

Domingo em Varanasi

rodrigo fiume, 2:43 pm
Filed under: Cotidiano,Viagens

26/02/2008

Corrupção e ignorância

yuri vieira, 2:17 pm
Filed under: Humor,Podcast e videos,Política

Parece um título da Jane Austen. Mas acho que se aplica a este vídeo aqui, o qual só não é mais engraçado porque já conhecia o drama real do coitado do apresentador.

25/02/2008

Namaste — 6

rodrigo fiume, 12:47 pm
Filed under: Cotidiano

india1-021.jpg

Metro — 8

rodrigo fiume, 1:06 am
Filed under: fotografia

metro-pb-8.jpg

Estação Sé, São Paulo

24/02/2008

Editando Bíblias

ronaldo brito roque, 4:28 pm
Filed under: Política,Religião

Um dia eu acordei e percebi que estava sem dinheiro. Fiquei chocado, pois isso nunca tinha me acontecido. Papai havia me sustentado na juventude, depois arrumei facilmente um emprego de funcionário público — por que as pessoas acham tão difícil passar em concurso?— e ainda fiz alguns trabalhos para editoras e jornais, como freelancer. Eu nunca tinha passado pela situação constrangedora de receber uma fatura de cartão e não ter como pagar.

Então olhei para o teto e pensei: preciso ter alguma idéia brilhante. Fiquei aguardando alguns minutos em meditação, até que a idéia apareceu, rápida e clara, luminosa e precisa como reflexo de prata.

Peguei o catálogo, procurei pelo número de uma conhecida igreja protestante da região, e marquei uma entrevista com o pastor.

Chegando lá, fui direto ao assunto:

— Olha, senhor pastor, não sei se eu deveria fazer isso, mas é que trabalho numa gráfica e esta semana recebemos um pedido de cinco mil exemplares de Bíblias Católicas. Como sou protestante, fiquei preocupado. Será que eles estão convertendo tanta gente assim? Por que será que precisam de tantas Bíblias?

O pastor agradeceu muito pela conversa e disse que em breve voltaria a falar comigo. Na mesma semana ele me ligou, encomendando duas mil bíblias protestantes. Repassei minha encomenda à gráfica, e adicionei minha comissão ao preço final.

Imediatamente liguei para a paróquia e marquei uma entrevista com o padre. Disse que as igrejas protestantes estavam tendo um crescimento vertiginoso. Mencionei o jornal da Igreja Universal, com tiragem cada vez maior, e a recente encomenda de duas mil bíblias protestantes na minha gráfica. O padre agradeceu meu alerta e disse que ia conversar com o bispo. Tive o cuidado de deixar o meu cartão, e dizer que, como eu era católico, faria de bom grado um desconto de vinte por cento, caso eles viessem a negociar comigo. Na semana seguinte – a administração da Igreja Católica é mais lenta – recebi um telefonema do bispo encomendando o trabalho. Tive o cuidado de exigir um depósito como sinal, pois já tinha ouvido falar que esse pessoal de batina é meio descuidado com finanças.

Assim meu negócio foi crescendo. Mas eu sentia que ainda não era hora de parar. Sentia que podia ir mais longe.

Meu amigo Marcel Bilucas dirigia uma pequena ONG a favor do aborto. Apesar de modesta, a ONG contava com mais de 20 funcionários, que realizavam tarefas de muita importância, como pegar os filhos de Marcel na escola, pagar suas contas, etc. Liguei para ele, e mencionei as encomendas católicas e protestantes, disse que estava havendo um revival do cristianismo, como mostrava o sucesso inesperado do filme do Mel Gibson.

— Se continuar desse jeito, eles logo vão chegar ao poder, e aí adeus ONG’s laicas.

Marcel era um homem inteligente. Percebeu rapidamente o tamanho do problema, e ficou desesperado. Felizmente eu tinha a solução. Minha proposta era lançar uma coletânea de artigos de renomados ateus, denunciando toda a falsidade e charlatanismo das religiões. Esses “renomados ateus”, graças a Deus, estavam todos mortos e não nos cobrariam os direitos autorais. Eu, como ateu militante, e sócio de uma nova gráfica, cobraria apenas os custos da edição. Alguns livros seriam vendidos, outros distribuídos em escolas públicas, trabalho mais do que justo, já que era necessário prevenir as crianças contra a ilusão entorpecente da justiça divina.

Marcel ficou comovido com minha atitude, e disse que não era justo eu lhe cobrar apenas os custos. Ele levantaria dinheiro público e pagaria a gráfica e meus honorários com o maior prazer.

O livro “Deus — Uma ameaça” foi um sucesso, e muitos artistas compareceram à festa de lançamento (também patrocinada com dinheiro do estado). Marcel ficou contente com minha atuação e combinamos que reuniríamos artigos de gente famosa da mídia para mais uma coletânea no ano seguinte. Disse que esse trabalho tinha de ser pelo menos anual, não podíamos deixar a idéia morrer no número um. Fiquei contente, apenas lamentei que os autores que ele mencionou – intelectuais e jornalistas – estavam vivos e teríamos de lhes pagar os direitos autorais. Mas Marcel tinha conexões na política e talvez conseguisse mais dinheiro do estado.

Tirei umas férias em Cabo Frio e foi lá que descobri Henrique Shuzman, um cabalista do maior calibre, ainda desconhecido do grande público por mera falta de oportunidade. Falei-lhe da importância de divulgar a religião judaica em nível mais abrangente. Se o cristianismo voltasse a crescer – mencionei o filme de Mel Gibson – quem poderia garantir que os judeus não perderiam direitos nos estados cristãos? Henrique era um homem inteligente, compreendia a importância da guerra cultural. Em pouco tempo me mandou seus manuscritos, os quais eu mesmo revisei e mandei editar. O faturamento da editora já me permitia pagar o bufê da festa de lançamento.

Nesse meio tempo larguei o emprego de funcionário público. Pode parecer loucura, mas minha presença na editora rendia mais dinheiro. Procurei me aproximar de diversas entidades religiosas, mostrando a importância da guerra cultural para expandir os horizontes da religião e atrair mais fiéis. O pessoal da comunidade muçulmana encomendou uma edição luxuosa do Corão. Fiquei tão emocionado que quase me converti, mas lembrei que isso me deixaria em dificuldades com meu amigo Belucas e aí, adeus dinheiro do estado. Também tive relações estreitas com o pessoal da Ubanda, e fiquei surpreso com sua consciência da importância de difundir os valores e símbolos da cultura negra.

E foi basicamente assim que consegui dinheiro para pagar várias faturas de cartão de crédito. Um dia notei uma coisa interessante. As mesquitas muçulmanas da minha cidade ficavam próximas a uma igreja protestante. Tive uma idéia um pouco macabra, e tentei evitá-la. Mas um dia as faturas voltaram a me incomodar e tive de colocar a maldita idéia em prática. Liguei para os protestantes e falei:

— Olha, isso pode parecer estranho, mas os muçulmanos estão se armando. Tenho uma importadora de armas, e eles encomendaram 60 peças de mão esta semana. Estou avisando porque sou protestante e detestaria ver a nossa igreja em dificuldades…

Na mesma semana eles me ligaram de volta.

Ah, Deus sabe o quanto eu amo a diversidade religiosa.

Namaste — 5

rodrigo fiume, 12:46 pm
Filed under: Cotidiano

india1-016.jpg

Figura erotica esculpida em templo de Khajuraho, India

Monstruosidade

daniel christino, 8:55 am
Filed under: Arte,baladas,Cotidiano,memória

Em 1991, quatro amigos meio entediados com o dia-a-dia do curso de Jornalismo da UFG decidiram fazer uma festa diferente de tudo quanto rolava na época (a mania era acrescentar “a festa” depois do nome, p.ex., medicina, a festa!). Ao mesmo tempo, um amigo comum – Júlio Vann – comentou sobre um bar no centro de Goiânia – Controvérsia, antigo Querelle – precisando desesperadamente de algum evento para ampliar a clientela, muito restrita e muito underground. Santa conveniência celebrou o casamento. Os amigos eram eu, Yuri, Leo Rasuk e Luis Fernando Pudim.

E não é que hoje eu leio, no Popular, que o selo musical do Leo, a Mostros Records, firmou um acordo com a Trama – do irmão da Maria Rita – e muito provavelmente será um selo escancaradamente nacional este ano. E isso 10 anos depois de começar, com a primeira edição (festa?!) do Goiânia Noise.

O Leo é um cara quieto. A fim de planejar a festa, fomos para o apartamento dele num edifício da T-9. O que me espantou não foi tanto seu empenho em nos deixar a vontade, mas a imensa aparelhagem de som que ocupava uma parede inteira da sala. Enquanto eu e o Yuri discutíamos alguma coisa, ele o Pudim conversavam sobre a lista de músicas da festa (lembro-me deles pararem a festa para tocar a introdução de Carmina Burana antes da música Losing my Religion do REM). O Leo sempre foi completamente apaixonado por música. E gostava de manter-se atualizado em relação aos lançamentos e bandas internacionais. Daí o dito pelo João Marcello Bôscoli não soar novo para mim.

Para João Marcello Bôscoli, músico, produtor e diretor artístico da gravadora paulista Trama, o fato de a Monstro estar fora do chamado eixo gravitacional do mercado cultural brasileiro (Rio-SP) foi uma dificuldade que acabou virando um diferencial. “Se você pensar em termos de mídia, de maior projeção no início, sim, estar fora do eixo é um problema. Mas a honestidade estética desses caras foi tanta que eles viraram um eixo. Não adianta tergiversar, a Monstro hoje é o maior selo de rock do País”, diz o filho de Elis Regina, comentando que “o aspecto artesanal” e o “carinho no processo de produção dos discos” são as coisas que mais o agradam no trabalho da Mostro.

Ele planejam também abrir uma editora este ano. Parabéns Leo. Você merece. Abaixo vai a programação da Mostro para o ano.

Confira a programação da Monstro para este ano, em comemoração aos dez anos do selo e produtora:

¤ 27 de março – lançamento do novo CD da banda Violins (Rendenção dos Corpos)
Local: Bolshoi Pub

¤ 10 de abril – lançamento do novo CD da Jupiter Maçã (Uma Tarde na Fruteira)
Local: Bolshoi Pub

¤ 18 de abril – show Music for Anthropomorphics, baseado no disco da Mechanics (com participação de Fabio Zimbres)
Local: Centro Cultural Goiânia Ouro

¤ 8 de maio – lançamento do CD Macaco Bong (Artista Igual Pedreiro)
Local: Bolshoi Pub

¤ 23 a 25 de maio – 10ª edição do Festival Bananada
Local: Centro Cultural Martim Cererê

¤ 19 de junho – lançamento do CD da banda Sick Sick Sinners (Road to Sin)
Local: Bolshoi Pub

¤ 5 de julho – Festa Monstro 10 Anos
Local: Ambiente Skate Shop

¤ 1º e 2 de agosto – 3ª edição do Antimúsica Rock Festival
Local: Centro Cultural Martim Cererê

¤ 19 a 21 de setembro – 4ª edição da Trash – Mostra Goiânia de Video Independente
Local: Centro Cultural Goiânia Ouro

¤ 18 de outubro – lançamento oficial da 14ª edição do Goiânia Noise Festival, com a banda Mudhoney (EUA)
Local: Centro Cultural Oscar Niemeyer

¤ 21 a 23 de novembro – 14º Goiânia Noise Festival
Local: Centro Cultural Oscar Niemeyer

23/02/2008

Ibama investe em recuperação de área devastada

daniel christino, 8:21 am
Filed under: Economia,meio ambiente,Política

Não sei porque todo esse mafuá em relação aos gastos do Ibama via Siafi. Eu acho normal. Vejam a matéria abaixo, direto do Popular

Depois dos cartões corporativos, agora é o Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi) que pode estar sendo utilizado para gastos irregulares de recursos públicos. O POPULAR apurou que a Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) de Goiás gastou pelo menos R$ 23,39 mil com serviços de uma clínica de estética entre 2005 e 2007. O próprio Ibama e o Ministério Público Federal (MPF), que já estão investigando o suposto desvio, acreditam que o rombo pode ser ainda maior.

Os pagamentos, segundo as investigações, seriam efetuados de forma irregular pelo Siafi, camuflados juntamente com outras transferências de valores referentes a despesas regulares do órgão, como pagamento de conta telefônica. O Ibama teria detectado a suposta irregularidade no último dia 15, após ser questionado por um jornal carioca sobre despesas com a empresa Angela Karina Centro de Estética Ltda. As informações estavam no Portal da Transparência, que publica os gastos do governo federal.

Segundo a prestação de contas do instituto, em 2005 foram gastos R$ 3.837,42 com o centro de estética. Em 2006 foram R$ 9.523,87 e em 2007, R$ 10.038,64. A discriminação dos supostos serviços prestados pela empresa, segundo publicado no Portal da Transparência, indicam gastos com “locação de mão-de-obra”, “material de consumo” e “outros serviços”. A clínica, que fica no Setor Marista, segundo funcionários, oferece tratamentos estéticos como limpeza de pele, maquiagem definitiva, peeling, hidratação, drenagem linfática e banho de lua.

Ora, toda área devastada merece investimento para sua recuperação.

22/02/2008

Namaste — 4

rodrigo fiume, 12:44 pm
Filed under: Cotidiano

india1-012.jpg

Homem santo hindu, em Varanasi, India

21/02/2008

Namaste — 3

rodrigo fiume, 12:21 pm
Filed under: Cotidiano

india1-010.jpg

Amanhecer no Rio Ganges, em Varanasi, India

Lançamento do Livro de Urântia

yuri vieira, 12:33 am
Filed under: Avisos,Livro de Urântia,livros,Religião

Amanhã, dia 22 de Fevereiro, ocorrerá em São Paulo o lançamento da versão em português do Livro de Urântia, livro que leio e releio desde 1997. (Já não era sem tempo.) O livro foi escrito entre os anos 1920 e os anos 1950, originalmente em inglês. Para quem não sabe do que se trata, a melhor introdução é o respectivo verbete da Wikipedia. (Em inglês, pois o verbete da Wikipedia em português deixa muito a desejar.) Meu amigo Rodrigo Fiume, jornalista da Folha de São Paulo e colaborador deste blog, me pergunta se é para ir fantasiado ao lançamento, assim como quem vai a uma convenção dos fãs do filme Guerra nas Estrelas. Bom, Rodrigo, não necessariamente, vá se quiser… 🙂

Para mais informações sobre o evento, clique aqui.

20/02/2008

Café preto no Ministério

yuri vieira, 1:49 pm
Filed under: Cotidiano,Política

Talvez seja apenas um preciosismo de gente chata, mas não consigo deixar de me perguntar o porquê de o ministro da Igualdade Racial ter de ser sempre um negro. Um amigo de São Paulo me disse que conheceu um ótimo advogado, formado no Brasil, mas nascido no Irã. Aposto que há menos persas no Brasil que negros. Não poderiam convidar esse advogado para ministro da Igualdade Racial? Há ainda muitos coreanos, chineses, japoneses. (Um amigo meu, coreano, é capaz de afundar o nariz de quem quer que afirme serem esses três povos membros da mesma raça.) E nem falamos dos judeus… Ei! Espere aí! E os índios? O ministro não poderia ser um índio? Nada mais natural. Claro, isso poderia iniciar uma briga entre diferentes etnias indígenas, cada qual apresentando o seu candidato, mas seria um primeiro passo. Ou será que só a raça negra precisa ser… igualada? Eu tive uma tataravó negra que, digamos, “igualou” com meu tataravô italiano. Depois de várias igualadas mais — com portugueses, índios, cristãos novos (judeus) — surgi eu. Isso é que é igualar? Se é, não precisamos de ministérios, mas de casamenteiros. Acho que Gilberto Freyre concordaria.

Não me lembro quem me contou o causo a seguir. O sujeito estava viajando de Brasília para Goiânia e, no meio do caminho, sonolento que estava, decidiu parar e tomar um café. Entrou numa dessas lanchonetes de posto de gasolina e pediu:

“Por favor, me vê um café preto?”

O atendente fez um muxoxo, pegou uma xícara e foi à máquina. Voltou com o café fumegante.

“Tá aqui. Mas, olha, não precisa falar comigo desse jeito. Eu sou preto mas sou limpinho.”

O freguês arregalou os olhos, sem saber o que dizer. Na terra dele — Minas? Paraná? — era costume dizer “café preto”, talvez uma redundância perceptível apenas em outras regiões. Mas, poxa vida, ao fazer seu pedido, ele não fez nenhuma pausa entre o café e o preto. Como o atendente podia pensar que ele era capaz de se dirigir a alguém daquela forma? Ficou tão constrangido que achou melhor não tentar esclarecer nada, a emenda poderia sair pior que o soneto. Bebeu tudo num gole, pagou, saiu de fininho. Percebeu que outros fregueses, chegados apenas momentos antes da fala do atendente, o olharam cheios de censura, quase com rancor. Nunca mais pisou ali…

Eu jamais seria hipócrita a ponto de afirmar que não há racismo no Brasil. Ou em qualquer outro lugar. As diferenças raciais, em seus aspectos físicos (o fenótipo), são evidentes, por mais que venham nos dizer que os genes (o genótipo) são praticamentes iguais. Creio que haja outras diferenças, em termos de temperamento, por exemplo, bastante marcantes e que seria horrível se eliminadas. A variedade é sempre bem-vinda. Assim, a intenção de igualar só pode ser justificada no tocante aos direitos. Mas, para tanto, não basta que a Justiça seja… justa? E este não é o trabalho do Ministério da Justiça? Qual é então a função desse ministério da Igualdade Racial? Vigiar os tribunais de justiça? Policiar a polícia? Enquadrar cidadãos racistas?

Meus pais tiveram, anos atrás, uma diarista negra. Talvez ela tivesse tido mais sucesso como humorista do que como empregada doméstica, mas, enfim, foi contratada não para fazê-los rir e sim para arrumar a casa. No entanto, ela não deixava de contar casos hilariantes do Tocantins, seu estado de origem. Seu personagem cômico preferencial: o índio. Contava ela que nunca, em seus vinte e um anos de vida, nunca vira um índio a andar solitário pelas ruas ou pela estrada.

“Os índios vivem em cardume”, dizia.

“Um dia, eu viajava pra Porto Nacional com meu tio, numa D-20, e então, mais adiante, à beira da estrada, vimos um índio pedindo carona. ‘Vou parar’, disse meu tio, que então perguntou ao índio aonde ele pretendia ir. Esse respondeu que até Porto Nacional. ‘Pode subir’, murmurou meu tio, orgulhoso de sua boa vontade. O índio então virou-se para trás e gritou ‘Ouuuuuhhhh!!’, deixando-nos assustados. Era um ponto da estrada em que, de ambos os lados, havia barrancos, já que aquele trecho havia sido aterrado para evitar as cheias do riacho próximo. Assim que o índio gritou, surgiram dos dois lados da pista cerca de vinte outros índios que, sem a menor cerimônia, foram subindo na carroceria da caminhonete, que chegou a empinar a dianteira com todo aquele peso. ‘Mas que filho da mãe!’, sussurrou meu tio, puto da vida. ‘Por que ele não disse que estava acompanhado pela tribo inteira? Que safado!’ E assim seguimos até Porto, onde o cardume saltou sem dizer um ai sequer de agradecimento.”

E ela tinha outras histórias.

“Uma vez, eu tava na casa da minha mãe, conversando com ela e com uma vizinha, quando alguém então bateu palmas na porta de casa. Fui olhar: era um índio. Estava só e queria saber se podia pegar algumas mangas no quintal de casa. Mamãe adorava fazer doces e, por isso, tinha ali um pomar bem variado, embora naquela ocasião apenas a mangueira estivesse carregada de frutos. Minha mãe foi à porta, achou-o simpático, disse-lhe que poderia se servir de quantas quisesse, voltando em seguida para dentro de casa, onde, pois, continuamos a conversa. De repente, ouvimos uma algazarra tão grande, que parecia haver uma parada na rua. Ao olhar pela janela, vimos cinco índios trepados na mangueira, enquanto outros doze colhiam as frutas que os primeiros jogavam para baixo. Eram tantos e tão animados, que não sabíamos se ficávamos com medo ou com raiva deles. Desta vez, o índio que pediu autorização veio nos agradecer, mas fingiu que não entendeu quando mamãe reclamou por ele não ter avisado que eram tão numerosos. Foram embora com sacos e sacos de mangas. Quando chegamos ao pé, não havia restado um fruto sequer. Lá em casa, ninguém confia em índio…”

Eu pergunto: há racismo nessa última afirmação? Se há, o ministério da Igualdade Racial se pronunciaria a respeito? Ou o verdadeiro nome do ministério é Ministério da Raça Negra? (Lembre-se: essa diarista era negra.) Eu realmente não entendo essa ausência de rodízio racial na direção do dito cujo. Não apenas o novo ministro também é negro como os candidatos preteridos também o eram. Eu pensaria duas vezes se, caso fosse funcionário ali, decidisse seguir as tradições do soporífero serviço público e fosse até a cozinha pedir um café preto

Namaste — 2

rodrigo fiume, 12:21 pm
Filed under: fotografia,Viagens

fiume-blog-2.jpg

Cerimonia que antecede cremacao em templo hinduista de Kathmandu, Nepal

18/02/2008

“Eu sabia que Ele existia”

yuri vieira, 1:44 pm
Filed under: Índios,interiores,livros,Religião

Da obra “O Homem perante o Infinito”, de Mário Ferreira dos Santos:

Reproduzimos a seguir as palavras de Grouard, citadas por Foulquié, expressivas e de grandes sugestões. Pertencem ao livro Souvenirs de mes soixant ans d’apostolat:

“Um índio de Mackensie disse-me um dia:

— Padre, antes de te ter visto, eu sabia que Deus existe.

— Como o sabias? Creio que fui o primeiro a te falar de Deus.

— Na verdade — retrucou — antes de ti, ninguém me havia falado nEle, e contudo eu sabia que há um Deus.

Um dia, quando tinha catorze ou quinze anos, fui à caça com o meu arco e minhas flechas. Conhecia os bosques, os rios, os lagos por onde havia passado, buscando matar alguma caça. Nesse dia, no verão, cheguei à borda de um lago cercado de belas árvores. Patos desciam sobre a água, o sol brilhava no céu sem nuvens; lá longe, montanhas elevavam-se, em variadas alturas. Detendo-me, contemplei tudo isso com um imenso prazer. Subitamente, a idéia me veio: “Quem fez tudo isso? Não fomos nós, nem tampouco os ingleses, pois são homens semelhantes a nós. É preciso que haja alguém mais forte que todos os homens que tenha feito tudo isso”. Vês — acrescentou o índio — eu sabia que essas florestas, esses lagos, esse sol, não haviam sido feitos por si sós. Eu não podia explicar-me mais corretamente. Mas, quando tu nos ensinaste: “Creio em Deus, pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra”, eu compreendi logo e disse a mim mesmo: “Ei-Lo; eu sabia que Ele existia”.

O Homem perante o Infinito (Teologia), Mário Ferreira dos Santos — Editora Logos: São Paulo, 1963.

Metrô — 7

rodrigo fiume, 1:26 am
Filed under: fotografia

metro-pb-7.jpg

Estação Sumaré, São Paulo

16/02/2008

Tropa de Elite vence em Berlim

yuri vieira, 5:43 pm
Filed under: cinema,Política

Pronto, agora já posso me aposentar enquanto advogado de defesa (de boteco) do filme Tropa de Elite: esse filmaço acaba de receber o Urso de Ouro em Berlim, de um juri presidido pelo Costa-Gavras. (Hehehehehe!!) Qualquer hora irei descrever a hilariante discussão que tive, durante um festival de cinema em 2007, com o curador de um festival carioca, um desses ranzinzas anti-Tropa de Elite. (Discussão essa que, desconfio, acabou afastando a até então, segundo me disseram, a até então “garantida” participação do meu curta no festival dele. Sim, meu curta, no qual o protagonista reclama dos filmes que “só fazem a gente achar bandido gente boa, saca?”)

E neguinho ainda estava impressionado com a crítica boba da Variety! O otário do jornalista estava tão ideologicamente azedo que, com seu senso estético politicamente ofuscado, chegou a detonar a ótima fotografia e a excelente câmera do Lula Carvalho. Incrível.

Conforme discutíamos eu e o Pedro no Google Groups do Garganta, onde temos escrito muito mais do que no próprio blog:

Eu: “neguinho ideologizado só vê ideologia no comportamento e na opinião alheia. lembra do que conversamos no Mercado, durante o show de jazz? o Bope tortura e mata de fato. puxar a sardinha pro Bope teria sido não mostrar que fazem isso. mas o filme mostra, logo, não há heróis de verdade no filme, apenas gente perdida em diferentes níveis. o problema da crítica esquerdista, no fundo, é a narração em off que gera empatia pelo Capitão Nascimento. se essa empatia é colocada pelo público acima da razão — essa razão que nos diz que torturar e executar sumariamente é um mal — isso não é culpa do Padilha. é culpa, sim, dos próprios revolucionários, uma vez que sempre acusaram a consciência moral de mera frescura “burguesa”. foram eles que relativizaram a questão moral, difundindo em seguida, no ambiente cultural, tal ponto de vista. ou seja: para eles, vale executar e torturar pela causa esquerdista, não pelos princípios e valores tradicionais, quais sejam, no caso, a ordem e a família. e não percebem que torturar e executar sumariamente é errado em qualquer das situações. do contrário, por que não falam sobre as arbitrariedades cubanas, chinesas, coreanas? apenas a tortura de direita é do mal? o filme é muito bom. tomar no culo esses caras. ”

E o Pedro
: “É o que falamos aquele dia tb, Yuri. No fundo acho que as pessoas se borram de pavor ao depararem consigo mesmas, all of a sudden, sentindo empatia pelo Capitão Nascimento. Como posso empatizar com um torturador? Logo, ele é humano, logo eu tb poderia ser um torturador. Resultado, pavor. Conclusão, melhor negar.”



Page 1 of 212

Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








66 queries. 0.693 seconds. | Alguns direitos reservados.