O Garganta de Fogo

blog do escritor yuri vieira e convidados…

Categoria: exteriores Page 1 of 5

Na Natureza Selvagem

Livro

Sempre gostei dos livros e do estilo de escrita de Jon Krakauer. Foi em 1999, logo depois de traduzir seu “Sobre Homens e Montanhas” para a Companhia das Letras, que li “Na Natureza Selvagem”, seu relato sobre a história de Chris Mccandless, o jovem que abandonou sua família na Virgínia por uma vida na estrada e de aventuras ao estilo dos personagens de Jack London e inspirado por Thoreau e John Muir.

Ontem, fuçando nas minhas coisas, encontrei um artigo que à época escrevi para o jornal “O Popular”. Seu título é “Selvagem é o Concreto”. Tem um tom nostálgico e meio melodramático que dá uma certa vergonha. Infelizmente, só o tenho em papel, mas se tiver saco vou redigitá-lo para algumas reflexões. Pensar se ainda acredito no que dizia há quase dez anos – afinal, em outros campos, mudei radicalmente. Afinal, todo o mundo se encantou e ainda se encanta com as idéias de Thoreau e com uma certa visão romântica da vida liberta na estrada e junto à natureza.

Outro dia, meu amigo Nelson me ligou no meio da tarde. Saía da sessão de “Na Natureza Selvagem”, o filme de Sean Penn baseado na novela de Krakauer (trailer aqui). Quase fora atropelado na Paulista de tão atordoado. Dizia que saíra do cinema pensando em mim. Vá saber por quê.

Cartaz

O livro me causou forte impacto em 1999, e ontem, na expectativa da estréia do filme aqui no sertão, comecei a relê-lo e já não o consigo largar. As perguntas são sempre as mesmas e seguem essenciais, penso: o que realmente vale à pena? Vale trocar as montanhas pela segurança do cotidiano? Em tempo, eu não considero que tenha abandonado as montanhas, mas por ora tenho outras prioridades, antes de retornar a elas.

Chris largou tudo e foi viver no Alaska, depois de rodar metade dos Estados Unidos – a pé, de carona, de canoa. Morreu de inanição em meio ao inverno rigoroso.

África do Sul

África do Sul

[Use a apresentação de slides]

Greetings from South Africa

lion.jpg

O Reino do Sião

Palácio Real

Coloquei uma seleção de fotos da viagem à Tailândia aqui. Dão uma idéia da maluquice daquele país, onde apesar de um golpe militar e da Lei Marcial não vi um militar nas ruas, onde há um templo budista e monges de robes laranjas a cada esquina, as comidas mais apimentadas do mundo e onde, apenas dois anos depois, já praticamente não se vêem mais vestígios da catástrofe do tsunami.

O Beijo

O Beijo

Le Baiseur, Auguste Rodin (Musée Rodin, Paris)

O Pensador

O Pensador

Le penseur, Auguste Rodin (Musée Rodin, Paris)

Qualidades Reais

“Her Majesty’s overflowing benevolence towards her subjects is like celestial water that floods land for prosperity.”

“A incontivel bevolencia de Sua Majestade para com seus suditos e como a agua celestial que inunda a terra trazendo prosperidade.”

(Trecho de texto sobre as qualidades da Familia Real, em sua residencia de inverno, Chiang Mai, Tailandia).

Cinema na Tailandia

Foi uma dupla experiencia de alta qualidade. Primeiro, ir ao cinema em Bangkok, segundo, ir ao cinema ver um filmaco de Martin Scorsese sem me dar conta do que iria ver.

Cinema aqui e assim: um multiplex como os outros, so que, se se desejar, com superpoltronas reclinaveis e/ou mesas para fazer refeicoes e ser servido numa sala VIP. Todo o mundo tem os celulares mais modernos, mas, surpresa, eles nao tocam, nem ninguem conversa a meu lado. Importante afirmar que isso e uma experiencia inedita para mim. Sempre me sento ao lado de alguem que conversa e/ou atende celular.

Ler mais

Fugindo da Responsabilidade

13:10h em Bangkok, 3:10h em Brasilia. Voces estao ai dormindo seu merecido sono dos justos e eu ja vou aqui 10 horas adiantado. Daqui a pouco, despertarao e irao cumprir com seu dever civico do voto, em mais uma maravilhosa festa da democracia brasileira.

Eu me sinto confortavel por nao ter que ir votar. Covardemente, poderei alegar que nao tive responsabilidade alguma nos desdobramentos que qualquer um destes dois brilhantes lideres puser em marcha.

Ler mais

Teorias sobre Cosmopoles

Grandes metropoles dao uma certa preguica, quando se e estrangeiro. Sao quase todas cada vez mais iguais, cheias de bilboards da Nokia, da Loreal e do HSBC, vias expressas, juventude com visual descolado, turistas atrapalhados e um Hard Rock Cafe, que e o suprassumo da pasteurizacao da cultura global, em que a gente acha bom poder sair de casa sem sair. Ca entre nos, why the fuck? alguem vai a um Hard Rock Cafe, toma uma cerveja a precos extorsivos pelos parametros locais e compra um camiseta ridicula, cujo motivo e uma competicao infantil por quem tem aquela com a localizacao mais exotica. Bangkok deve estar no topo desta lista, eu imagino. Uma camiseta do HRC Bangkok vale 10 vezes o preco de uma do HRC Cape Town, que vale 20 vezes o preco de uma HRC Miami, que e a coisa mais mane que alguem pode ter. Acho que funciona mais ou menos assim.

Ler mais

Page 1 of 5

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén