Arquivo para March, 2007




31/03/2007

Racismo na UnB? Duvido

yuri vieira, 7:03 pm
Filed under: Cotidiano,Economia,Educação,Podcast e videos,Política

Morei cinco anos no alojamento da UnB, conheço bem aquela “ilha”. Inclusive um dos contos d’A Tragicomédia Acadêmica trata dele: Memórias da Ilha do Capeta. Por isso sei que sempre moraram africanos ali, em geral oriundos de países de língua portuguesa – Cabo Verde, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau – sendo os demais francófonos ou anglófonos. A presença deles sempre me fez sentir que eu estava matriculado numa universidade que, se não era uma instituição de primeiro time, era ao menos uma de algum renome internacional. (Seria de primeiro time se estudantes do primeiro mundo brigassem por vagas ali.) No bloco B, tive até mesmo um príncipe como vizinho, o qual costumava, em datas específicas, esperar uma mercedes dourada para levá-lo à embaixada de seu país. Sim, eis o outro lado da questão, o lado oculto: a grande maioria dos africanos que estudam na UnB são endinheirados. Andam bem vestidos, aprumados. São em geral saudáveis, altos, bonitos. Dentre as mulheres lembro de algumas deslumbrantes, com ar distinto e de excelente gosto no vestir. Os homens, se não estão de gravata, compartilham com as mulheres o hábito de usar no mínimo roupas ocidentais de corte elegante ou trajes africanos coloridos com certa pinta de nobreza. Sim, também são vistos em jeans e camiseta, mas enquanto boa parte dos brasileiros se comporta como se estivesse numa comunidade hippie, os africanos parecem estar em Oxford. Bem, no início, parecem. Mas depois…

Não me recordo de hostilidades para com eles, ao menos não tão ostensivas quanto os incêndios criminosos desta semana. (Houve o caso isolado onde um africano gay – ou seria um jamaicano gay? -, após assediar e tocar um estudante heterossexual descendente de coreanos em suas partes, quase apanhou com um bastão de beisebol. Só.) Mas me lembro do ressentimento que surgia ora aqui, ora ali, em meio a conversas de “cachimbo da paz” e a cochichos de corredor, entre aqueles que se sentiam insultados pela riqueza dos estrangeiros: “Pô, pra gente conseguir uma vaga aqui tem de provar que é ‘carente’, pobre… Já esses caras têm carros e o apê cheio de eletrodomésticos!” (Veja, por exemplo, a queixa do nigeriano Muyiwa Sean: alguém chegou a rasgar os pneus do seu carro. Ouviram? Do seu carro.) Alguns estudantes “carentes” ditos “conscientes”, isto é, estudantes de história, ciências sociais, filosofia, etc., especulavam se aqueles africanos pertenceriam ou não à casta nobre de alguma tribo que certamente estaria explorando todo um país para mantê-los ali. Em suma: havia a semente do ódio de classe, um vírus marxista. Não que não houvesse tal possibilidade, isto é, a possibilidade de alguns daqueles estudantes serem filhos de tribos opressoras – sabemos que as guerras intertribais são recorrentes -, mas o critério para averiguar quem fazia parte da tal classe exploradora era sempre o econômico. Não passava pela cabeça de ninguém que um daqueles estudantes poderia ser filho dum empresário africano próspero, e não filho de algum ditador. Se bem que, para a mente marxista, ser empresário é ser opressor, e ser opressor é ser capitalista. Mas… e se fossem filhos de políticos socialistas corruptos e totalitários? Ah, isso era impensável. Enfim, a timidez ocasionada pelo fato de se estar num país estrangeiro, ou por não falar bem o português, apenas aumentava a aparência de “metidos” e de “presunçosos” dos africanos. Sem falar em suas festas barulhentas, não abertas aos demais moradores, regadas a bebidas caras, e a conseqüente confusão e sujeira nos corredores. Como se não estivessem em Oxford, mas apenas num paisinho tipo… hmmmm… o Brasil. (Veja o que foi pichado nos muros do alojamento: “Morte aos playboys africanos”.) Assim, sendo o Brasil um país cujas raças sempre ultrapassaram seus limites genotípicos para mesclar-se com as demais – vide Gilberto Freyre – o racismo, na minha opinião, seria o último fator a causar semelhante ato de vandalismo. Se não for o ódio de classe – transfigurado em xenofobia, uma vez que os únicos endinheirados a conseguir vagas ali oficialmente eram estrangeiros -, então é alguma treta pessoal, tal como a que envolveu o estudante coreano. (Festas e desrespeito? Provavelmente.) Não há de ser racismo puro e simples. Nos cinco anos que ali vivi (1992-1997), cheguei a imaginar que algo assim poderia ocorrer, mas jamais me veio à mente uma situação causada por motivos raciais, mesmo porque, entre os ressentidos, havia negros também. Então eu pergunto: que conseqüências isto terá?
(Continua…)

30/03/2007

O chefe de cozinha sueco

yuri vieira (SSi), 11:17 pm
Filed under: Humor,memória

Este vídeo é do fundo do baú. Esse cara ensinava suas receitas num quadro de um minuto (ou dois) durante o Muppet Show. Este clip reúne vários quadros. Gosto muito do esquete em que as lagostas vêm salvar sua companheira, o da rã pedindo socorro ao Caco (Kermit) e daquele em que o chefe prepara um “Moose de chocolate” (alce de chocolate!, hehehe).

Bastidores da Diplomacia

pedro novaes, 5:40 pm
Filed under: Política

Posso estar enganado, mas até agora não vi ninguém ligando isso a isso.

Há dois meses atrás o ex-vice ministro da Defesa do Irã desaparece na Turquia sem deixar vestígios, e segue desaparecido até o momento. Circulam rumores de que ele estaria “ajudando” a inteligência americana.

Semana passada, um grupo de fuzileiros britânicos é preso pela Guarda Revolucionária Iraniana sob a acusação de invadir águas territoriais. Os militares de rasa patente são mantidos encarcerados num episódio que aparentemente desgasta ainda mais o Irã perante a comunidade internacional sem qualquer ganho aparente. Ou não?

Burros eles não são. Deve haver um motivo. Reaver um ex-ministro da Defesa me parece uma boa razão.

28/03/2007

Tudo Verdade?

pedro novaes, 3:51 pm
Filed under: cinema,Política

Amanhã, em São Paulo, a grande atração do É tudo Verdade, um dos mais conceituados festivais internacionais de documentários, é o filme “Fabricando Polêmica”, dos cineastas Rick Caine e Debbie Melnyk – ele, canadense, ela, americana.

O filme é uma crítica pesada a Michael Moore e à sua maneira de fazer documentários. O que o torna ainda mais interessante é o fato de que os dois diretores se definem como sendo de esquerda. Abaixo, a íntegra da matéria de hoje da Folha sobre o filme:

TIROS EM MICHAEL MOORE

“Fabricando Polêmica”, que passa amanhã em SP, aponta manipulações nos filmes do diretor americano

LUCAS NEVES
DA REPORTAGEM LOCAL

Porta-voz dos sindicalistas em “Roger e Eu”, pacifista em “Tiros de Columbine” e democrata de carteirinha em “Fahrenheit 11/9”, Michael Moore seria também ficcionista diletante? É essa a pergunta que levanta o casal de cineastas Rick Caine e Debbie Melnyk (ele, americano; ela, canadense; ambos de esquerda, o que dá um sabor especial à tentativa de desmontar o “mito” Moore) no documentário “Fabricando Polêmica”. Ali, questionam os métodos do cineasta e elencam distorções e “aproximações da verdade” de que ele se vale para fundamentar teses inflamadas.
Programado para amanhã, às 19h, no Cinesesc, em São Paulo, e exibido hoje no Rio (18h, CCBB), dentro do cardápio do festival É Tudo Verdade, o filme foi concebido como um tributo ao polêmico diretor. “Éramos fãs dele. Achávamos os seus filmes ótimos”, disse Caine à Folha, em entrevista por telefone. “E somos gratos a ele, por fazer com que as pessoas fossem ver documentários”, observou Melnyk. (Continua…)

Fomos hackeados!

yuri vieira, 5:36 am
Filed under: Avisos,este blog

Este site já sofreu outros ataques antes, mas o problema nunca foi além da alteração de senhas, emails de contato e permissões. Desta vez, aproveitando-se de alguma falha de segurança do WordPress, que estava desatualizado há alguns meses, conseguiram deletar todo o banco de dados do blog. Meu becape era de Fevereiro e pensei que teria de sair recolhendo os posts de Março “Googleputer” afora, isto é, no cache criado pelo robot do Google, o que de fato acabei fazendo. Mas meu serviço de hospedagem (Routhost.com) finalmente respondeu positivamente à minha angustiada mensagem – afinal, em sua página há a garantia de becape diário – e, após me lembrar de que a culpa não era deles, mas minha, pois não tenho mantido o script up-to-date, voilà, o blog está de volta. (Ufa!…)

Claro que isso tudo gerou mais uma discussão interna. Neste blog coletivo, basta alguém peidar e logo um outro vai dizendo, “não concordo com seu peido, foi muito cheiroso”. Enfim, disseram que sou paranóico. Com algumas adaptações, eis minha resposta:

Cara
Passei a noite inteira reinstalando o script do blog e esperando uma resposta positiva do Routhost.com, que, por fim, havia mesmo feito o becape do MySQL. (Na página deles, há a promessa de becape diário.) Repito, não foi uma simples falha: desta vez, o banco de dados do WordPress zerou completamente, enquanto o do Joomla (meu site) e o do Loudblog (podcast) continuaram intactos. Fiquei espantado com a técnica dos caras: descobriram uma falha no WordPress e invadiram de fato o phpMyAdmin. (O Routhost fez questão de me lembrar que a culpa não era deles, uma vez que vivem insistindo para mantermos os scripts up-to-date .) Em suma, que eu saiba paranóia é algo que vive dentro da nossa imaginação, não é um bichinho que sai por aí apagando conteúdo de sites…

Tal como escrevi provisoriamente na página inicial – já retirei o texto – não afirmo que alguém tenha feito isso a mando de algum figurão ou sei lá eu – somos seguramente mais irrelevantes do que imaginamos -, mas certamente foi o ato espontâneo de alguém que não concorda com o que escrevemos. A rede de influência revolucionária (bolivariana, se preferir) age por contágio, passa de bobo para bobo, e isso se chama hegemonia.

Quanto à saída do “armário conspiratório” do Paulo, bem, ele jamais se tornará um paranóico profissional como eu. Eis a prova: e se esse tal de Mozy.com, recomendado por ele, não for senão um serviço de becape bancado pela turma da Nova Ordem Mundial? Quem garante que eles não fuçam em nossos dados? Tenho quase certeza de que, se eu subisse meu HD ali, em poucos minutos um helicóptero preto sobrevoaria minha casa e desovaria um bando de soldados trajados à la Swat.

Alguém quer competir comigo? 🙂
Abraços
Yuri

Para finalizar, quero dizer aos meus colegas que, se não tenho atualizado o script com maior freqüência, isto se deve a que ele utiliza muitos plugins diferentes. Cada nova versão do WordPress exige a atualização de boa parte deles. E seus criadores nem sempre têm tempo para acompanhar o andar da carruagem. Daí a demora.

E tudo isso, por algum motivo, me fez lembrar que faz vinte e três anos que ganhei meu primeiro computador: um CP400 Color II, da Prológica. Credo, não sei o que é pior: ser atacado por hackers ou ser atacado pelo tempo?

26/03/2007

O chatérrimo aquecimento global

yuri vieira, 1:11 am
Filed under: Ciência,meio ambiente,Podcast e videos

Já que nosso colega Daniel quer mais opiniões e depoimentos de cientistas, segue este vídeo que eu havia esquecido em meio aos meus favoritos do You Tube. (O Pedro Sette já o publicou n’O Indivíduo dias atrás.) Em resumo, os cientistas entrevistados afirmam não apenas que não há provas de que o homem esteja causando o tal aquecimento global – ou mesmo que o CO2 tenha algo a ver com isso (é mais provável que o aumento de CO2 seja um efeito do aumento da temperatura e não uma causa dela) -, mas ainda que tudo não passa dum grande negócio, a “indústria do aquecimento global”, uma vez que toda uma multidão de empregos e cargos burocráticos foram criados em função desse falso alerta. Das intenções político-ideológicas dos defensores do estatismo, que não querem senão mais um pretexto para avançar sobre as liberdades individuais, se fala apenas por alto. Mas os cientistas não deixam de repetir: é propaganda política. E comentam sobre o sofrimento dos países subdesenvolvidos que, com a criminalização da indústria e da produção de energia, são impedidos de crescer.

E olha só que interessante: Nigel Calder, que foi editor da revista New Scientist, faz exatamente a mesma analogia feita pela Ann Coulter, tão criticada pelo Daniel: o “aquecimento global” é como uma doutrina religiosa e quem não concorda com ela é um herege. “Eu sou um herege”, diz Calder.

E, finalmente, alguns cientistas estão convencidos de que o comportamento do Sol é que é o verdadeiro responsável pela coisa toda: o Sol controla os raios cósmicos que controlam as nuvens que regulam o clima. Voilà. (Aliás, eu já havia tratado do Sol aqui.)

This short program, produced and shown in England, destroys the arguments put forward by Al Gore and the human caused Global Warming activists.


Iluminado e fofo

yuri vieira (SSi), 12:55 am
Filed under: cinema,Humor,Podcast e videos

Alguém aí já assistiu a essa “comédia” fofa?


25/03/2007

Luz, Câmera

karina vieira, 1:51 pm
Filed under: fotografia

chokurei

taichichuan

foto1: Símbolo do Reiki (Cho Ku Rei) desenhado com luz (lanterna).
foto2: Rastro deixado por luz (lanterna) durante a execução dos primeiros movimentos do Tai Chi Chuan.

24/03/2007

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

yuri vieira, 5:48 pm
Filed under: Cotidiano,Mídia,Política

O Acordo Ortográfico de 1990, depois de mil e uma burocracias, está a poucos passos de entrar em vigor. Existem algumas mudanças tristes e muitas inúteis — tal como a eliminação do trema, com o qual sempre simpatizei, e a do acento diferencial entre “para” (preposição) e “pára” (verbo parar) — mas ao menos as letras K, W e Y voltarão a ter existência oficial. (Provavelmente a única vantagem do monstrengo…) Claro, esse negócio de escrever “vôo”, “enjôo”, “vêem”, “crêem”, etc. sem acento circunflexo sempre me parecerá algo um tanto esquisito, para dizer o mínimo. Embora sem unidade prosódica — ainda bem — Brasil, Portugal, Cabo Verde, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau e Timor Leste desfrutarão agora de um arremedo de unidade ortográfica, o que, na prática, só servirá para nos confundir.

23/03/2007

A régua do Lula

yuri vieira, 11:01 am
Filed under: Cotidiano,Economia,Política

Inteligentíssima a forma que o Brasil encontrou para mostrar que cresceu: alterando a escala da régua. Agora 1cm não mede mais 10mm, mas 8mm. Assim, nossa economia anã, que não chega senão aos 80cm, fica com a sensação de que tem 1m de altura. Muito boa essa reformulação do IBGE, muito boa sua maneira de resgatar a economia brasileira do marasmo. (Só não sabemos se, com esse novo método de cálculo de crescimento, a China agora mostrará que cresceu, sei lá, uns 25% ao ano.) Aliás, seria uma boa idéia estender esse insight genial para outras áreas. Por exemplo. Se você é gordo, compre uma balança em que cada quilo meça, não 1000g, mas 800g. Assim você emagrecerá 200g por quilo. Não é maravilhoso? Você verá como se sentirá bem. Poderá até comemorar o feito tal como Lula e seus quarenta novos comparsas andam festejando o milagroso crescimento brasileiro dos últimos anos. Se você tem um pinto pequeno – cá entre nós, acho que foi daí que algum espertinho do IBGE (ou o próprio Lula) tirou a idéia – arranje uma régua luliana em que cada 10cm meçam, na verdade, 6cm. Depois, entre as quatro paredes de sua alcova, mostre para sua amada o quanto é bem dotado. (Já pensou? 12cm de puro quase-prazer se tornarão 20cm de puro… quase-prazer. Chato, né?) Ah, não posso esquecer da violência. Segundo os cálculos mais recentes, nos últimos anos não morreram 50.000 brasileiros ao ano por morte violenta, mas cerca de 100.000. De acordo com o site do IBGE, apenas “em 2004, morreram 110.685 pessoas por causas violentas, 90.776 homens e 19.866 mulheres”, isto é, em um único ano, o Brasil bateu o número de vítimas da guerra do Iraque. (É o espetáculo do crescimento. No site da Folha, lemos que “somados os quatro anos de guerra, mais de 59 mil civis morreram no Iraque – 66,5 mil com as mortes durante a invasão -, segundo o IBC”.) Assim, o IBGE, com a benção do PT e de Lula, pode alterar isso. Basta decretar que, agora, morte violenta não é o processo pelo qual o corpo perde a vida por ação de algum ato… mmmm… violento, mas, sim, o processo em que o corpo é decapitado, isto é, onde o corpo não apenas morre mas também perde a cabeça. (A gente tem de explicar tudo por aqui, ou não entenderão bulufas.) Isso deverá reduzir a violência em cerca de 97%. É maravilhoso!! Viva a inteligência brasileira!!!

22/03/2007

Made in China

karina vieira, 11:48 pm
Filed under: fotografia

gamba1.jpg

gamba2.jpg

gamba3.jpg

gamba4.jpg

Bebê gambá que veio grátis com home theater.
Tinha o mesmo rosnado do Stitch, do desenho animado “Lilo & Stitch”.

Casa de bicho I

karina vieira, 11:22 pm
Filed under: fotografia

casulo

casa de marimbondo

casa de joão de barro

casa de cupim

Da esquerda para a direita: casulo de lagarta feito com gravetos de roseira; casa de marimbondo; casa de joão de barro; casa abandonada de abelha chupé.

Ela não gosta de ‘blog’

rodrigo fiume, 10:26 pm
Filed under: internet,Mídia

Do Guardian:

Anna Wintour thinks so. The editor-in-chief of US Vogue has apparently decided that the word blog is vulgar and refuses to let it be used on the Vogue website. It is said that she has even told staff to come up with a replacement before the website is relaunched.

Para quem não sabe ou não se lembra, Anna Wintour inspirou o livro O Diabo Veste Prada — no filme homônimo, o personagem do livro foi interpretado por Meryl Streep.

Borat em Cambridge

yuri vieira, 2:41 pm
Filed under: Educação,Humor,Podcast e videos

Chamo sua atenção sobre o trecho em que um professor afirma serem as mulheres tão inteligentes quanto os homens, residindo a diferença no fato de que não são criativas. (Mmmmm. Deve ser o professor do Ronaldo Roque…) Diz o Borat: “No Kazaquistão, dizemos que encontrar uma mulher com cérebro é como encontrar um cavalo com asas”. Credo, parece a Hilda Hilst falando. A parte em que um aluno fica puto com as perguntas taradas do Borat também é muito boa: “A pergunta é inapropriada. Esta é uma universidade séria! Acabou a entrevista!” Eu quis gravar um vídeo semelhante em 1995, lá na UnB, vestido de bobo da corte e tal, mas meu primo, Jesus Fernando Vivas, que também era meu professor no Instituto de Artes, achou que a gente ia se meter numa bela encrenca. Foi então que comecei aquele livro

A religião do aquecimento global

yuri vieira, 2:22 pm
Filed under: Ciência,Humor,Imprensa,meio ambiente,Podcast e videos

Da Ann Coulter:

No matter how much liberals try to dress up their nutty superstitions about global warming as “science,” which only six-fingered lunatics could doubt, scratch a global warming “scientist” and you get a religious fanatic.

These days, new religions are barely up and running before they seize upon the worst aspects of the God-based religions.

First, there’s the hypocrisy and corruption.

(…)

As has been widely reported, Gore’s Tennessee mansion consumes 20 times the energy of the average home in that state. But it’s OK, according to the priests of global warming. Gore has purchased “carbon offsets.”

It took the Catholic Church hundreds of years to develop corrupt practices such as papal indulgences. The global warming religion has barely been around for 20 years, and yet its devotees are allowed to pollute by the simple expedient of paying for papal indulgences called “carbon offsets.”

(…)

The moment anyone diverges from official church doctrine on global warming, he is threatened with destruction. Heretics would be burnt at the stake if liberals could figure out how to do it in a “carbon neutral” way.

Climatologist Dr. Timothy Ball is featured in the new documentary debunking global warming, titled “The Great Global Warming Swindle.” For this heresy, Ball has received hate mail with such messages as, “If you continue to speak out, you won’t live to see further global warming.”

I’m against political writers whining about their hate mail because it makes them sound like Paul Krugman. But that’s political writers arguing about ideology.

Global warming is supposed to be “science.” It’s hard to imagine Niels Bohr responding to Albert Einstein’s letter questioning quantum mechanics with a statement like: “If you continue to speak out, you won’t live to see further quantum mechanics.”

(…)

21/03/2007

Bolívar e o Bolivarianismo

pedro novaes, 2:01 pm
Filed under: Imprensa,Política

Professor Lamounier, em contradição com seu nome, lucidíssimo sobre a proposta de reforma política “bolivariana” apresentada pela OAB:

TENDÊNCIAS/DEBATES

O bebê e a água do banho

BOLÍVAR LAMOUNIER

Li e reli as ponderações do dr. Fábio Konder Comparato com a atenção que merecem, mas não consegui exorcizar meus receios

EM ARTIGO intitulado “Procurando Rousseau, encontrando Chávez” (“Tendências/Debates”, 7/3), opinei que a eventual implantação da reforma política sugerida ao governo pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) teria conseqüências nefastas. Meu texto suscitou algumas reações iradas e um substancioso comentário do professor Fábio Konder Comparato, fervoroso defensor do projeto, neste mesmo espaço da Folha (“Quem tem medo do povo?”, 13/3).
Realmente, minha expectativa era que a OAB, com sua inegável autoridade, apontasse soluções realistas para os problemas de organização institucional que nos vêm há muito tempo afligindo, em particular o esvaziamento do Poder Legislativo, tema que obviamente envolve as questões éticas dramatizadas nos últimos dois anos e se estende aos partidos políticos e ao sistema eleitoral, entre outros aspectos. (Continua…)



Page 1 of 4123...Last »

Add to Technorati Favorites



Blogarama - The Blog Directory








65 queries. 0.713 seconds. | Alguns direitos reservados.